Artigo

Youtube: gravações excepcionais

Não se pode nem se deve julgar nada de música por gravações.

Ninguém pode dizer “Ouvi a quinta de Beethoven em uma gravação do Karajan com a Berliner. Adorei a clareza, os tempós, o som das trompas, etc...” Gravação é gravação e é uma foto da música. Música só ao vivo, na sala de concerto.

Mas se o ouvinte da gravação se restringir a tratar gravação como gravação, ou seja, produto autônomo  de laboratório, modificável  segundo a vontade de regentes, cantores, empresários, donos de gravadoras, etc…, estará criado o mundo novo da música gravada, que é diferente do mundo da verdadeira música, que é a música ao vivo. Tenho muitíssimos amigos, parentes, conhecidos, que dizem “ontem vi La Bohème do Metropolitan”, o que faz concluir que ontem essa pessoa estava em Nova Iorque. Mas não. Essa pessoa viu foi um DVD na tela da TV, o que positivamente não é VER La Bohème do Metropolitan, e sim UMA GRAVAÇÃO de imagem e som da referida récita. Eu mesmo  vi uma Cavalleria no Metropolitan e o barítono tinha uma doxycycline canada no script voz muito pequena. Anos depois, vi o vídeo-tape da récita, e no vídeo o tal barítono tinha uma voz enorme…

Marina Considera

Mas a gravação representa um precioso progresso na arte musical, por divulgá-la, por fazer com que gostem dela, por torná-la acessível. Hoje, um habitante da periferia de Vladivostok, lá no fim da Sibéria, senta-se com a família de noite para ver um DVD de Celibidache ou Mazur regendo sinfonias de Beethoven. Baseado nesse fato incontestável, este que escreve, adorador de listas e estatísticas, se permite sugerir certas gravações que constam do YOUTUBE, essa maravilha da vida moderna, as quais são julgadas, COMO GRAVAÇÕES ou de som ou de som e imagem, muito significativas.

 

Assim:
1-    Sinfonia n. 6 (Pastoral), de Beethoven, regida por Otto Klemperer;
2-    Sonata para violino n. 5 (Primavera), de Beethoven, com o violinista David Oistrach;
3-    Marcha Fúnebre de “O Crepúsculo dos Deuses”, de Wagner, regida por Wilhelm Furtwängler;
4-      Sonata “Waldstein” para piano, de  Beethoven, tocada por Walter Gieseking;
5-    “Et ressurrexit”, da Missa em Si Menor, de Bach, regida por Karl Richter;
6-    Concerto para violino e orquestra, de Tchaicowsky, regente Fritz Reiner, violinista Jascha Heifetz;
7-    Ópera Madama Butterfly, de Puccini,  regida por Herbert Von Karajan, completa:
8-    Concerto duplo para violino, violoncelo e orquestra, de Brahms, com David Oistrach ao violino, Mstislav Rostropovich ao violoncelo, regente Kiril Kondrashin;
9-    Et Incarnatus est, da Missa em dó menor, de Mozart, com o soprano Barbara Bonney;
10- Dichterliebe, de Schumann, canto Charles Panzera, piano Alfred Cortot;
11- D´amor sull´alli rosee, recitativo, ária e  cabaletta, de Il Trovatore, de Verdi, com o soprano Marina Considera;
12- Sonata Arpeggione, de Schubert, com Rostropovich no arpeggione e Benjamin Britten ao piano.

Iremos prosseguir com outras sugestões. Por enquanto, fiquem certos os amadores de que há muito boa música em gravação nas acima apontadas. Sugestões dos internautas serão benvindas.

PROFITEZ BIEN DE LA JEUNESSE…
MARCUS GÓES-OUT 2012

}} else {

3 Comments

  1. E viva a nossa Marina Considera!!! Agora, é ouvi-la ao vivo no dia 13 de novembro, em “La Forza del Destino”, de Verdi, no Espaço Cultural Finep, Praia do Flamengo 200 – Pilotis – ás 18:30 horas – o melhor de tudo é que é grátis.

  2. LAURO, DIZER QUE O MELHOR DE TUDO É QUE É GRÁTIS É MEIO DESELEGANTE. O MELHOR DE TUDO É MARINA CONSIDERA, É TEU ESFORÇO E TRABALHO NESSAS PRODUÇÕES NA FINEP, É A DIVULGAÇÃO DA MÚSICA QUE VOCÊ FAZ E MUITO MAIS.TODOS NÓS ADMIRAMOS SEU TRABALHO, MAS NÃO PORQUE A ENTRADA É GRÁTIS. ABRAÇOS DO MARCUS GÓES

  3. Muito boa lista. Acrescento o pianista gaúcho Artur Cimirro e sua versão da Cavalgada das Valquírias para mão esquerda solo, algo incrível de ver e ouvir, ao vivo ou não, pois já tive oportunidade de ouvi-lo em minha cidade duas vezes. Na última, executando nosso gênio Carlos Gomes em uma transcrição memorável, ouvia-se uma orquestra completa naquelas teclas.

    Também há poucos dias ficou disponível no youtube o vídeo dele tocando uma versão da Aquarela do Brasil que faz o queixo de qualquer um cair. Ou seja, domínio transcendente da música ao piano seja no gênero/estilo que for.

    Gostaria de ver mais comentários/entrevistas sobre ele, quem sabe aqui mesmo na movimento…?
    Abração
    Marcos Henrique

Leave a Response

Marcus Góes
Musicólogo, crítico de música e dança e pesquisador. Tem livros publicados também no exterior. Considerado a maior autoridade mundial sobre Carlos Gomes.