FestivalLateralMovimentoÓperaParáProgramação

XII Festival de Ópera do Theatro da Paz

Um Festival que se consolida ano após ano

“Elixir de Amor”, de Gaetano Donizetti, “O Trovador”, de Guiseppe Verdi, e “O Navio Fantasma”, de Richard Wagner, são as três obras que compõem este ano o XII Festival de Ópera do Theatro da Paz que acontecerá nos meses de agosto e setembro, com realização do Governo do Estado do Pará por meio da Secretaria Especial de Estado de Promoção Social, Secretaria de Estado de Cultura e Academia Paraense de Música.

As três óperas terão cenário e figurinos criados em Belém, somando para um fator que vem crescendo a cada edição, o aumento da participação de profissionais paraenses no festival. Toda a figuração das óperas é formada por atores locais, assim como as equipes de carpintaria, costureiras, pintores, coro e visagismo também são de paraenses.
Este ano o festival traz um coro formado por 60 vozes, regido pelo maestro Vanildo Monteiro e mais 160 músicos que compõem a Orquestra Jovem Vale Música, da FAM, e a Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz.

A história de Tristão e Isolda e do amor eterno que os uniu depois que tomaram um elixir mágico é o mote da primeira ópera, com estreia marcada para 8 de agosto no palco do Theatro da Paz, trazendo como solistas principais, a soprano Carmen Monarcha e o tenor Atalla Ayan, ambos cantores paraenses de sucesso na Europa. “Elixir de Amor”, música de Gaetano Donizetti (1797-1848) é uma deliciosa comédia, que tem cialist na Direção Musical e Regência, o  Maestro Emiliano Patarra, diretor musical do Teatro São Pedro, em São Paulo. Ele regerá a orquestra formada pelos músicos da Fundação Amazônia de Música (FAM).

As demais óperas fazem parte das homenagens ao bi-centenário de nascimento dos compositores Giuseppe Verdi e de Richard Wagner.  Do autor italiano, o público assistirá “O Trovador”, que estreia dia 28, com récitas nos dias 30 de agosto e 1º de setembro, com regência de Sílvio Viegas, diretor do Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

“O Trovador” traz o ar romântico da cavalaria andante, passando-se na Espanha do fim da Idade Média, quando ainda eram realizados os torneios e os cavaleiros vestiam armaduras e cotas de malha. Dois arquitetos italianos são responsáveis pela criação, pintura e montagem do cenário, que faz alusão às referências arquitetônicas deixadas por Antonio Landi, arquiteto também italiano, autor de inúmeros prédios históricos e igrejas de Belém. Será uma homenagem. Este ano completam-se 300 anos de seu nascimento. De difícil execução vocal, a ópera será encenada por Walter Fraccaro, que já cantou no Teatro San Carlo de Nápoles, no Teatro Metropolitano de Nova York e outros internacionais; Eliane Coelho, que também está no elenco, vem sendo apontada como a maior cantora brasileira desde Bidu Sayão e Rodolfo Giugliani, barítono brasileiro, uma referência quando o assunto é Verdi, além da mezzo soprano Denise de Freitas.

A terceira e última ópera da temporada será “O Navio Fantasma”, de Wagner, que terá estreia no dia 21 de setembro, com récitas 23 e 25 de setembro. É a primeira montagem de uma ópera de Wagner, no Theatro da Paz, sendo cantada em alemão.  Ambientada em uma aldeia pesqueira da Noruega, conta a história de um navegador holandês que é punido por Deus por blasfemar contra seu nome, perdendo-se de sua pátria para sempre, a menos que surja em sua vida uma mulher que lhe seja plenamente fiel.

No elenco, Rodrigo Esteves, que interpreta o holandês do navio, e também se revela como um dos melhores cantores brasileiros, vivendo atualmente na Europa; o cantor russo Denis Sidov, a soprano Tati Helene e o tenor Ricardo Tamura. Um grande desafio também para os músicos, a obra de Richard Wagner será executada pelas OSTP, com regência de Miguel Campos Neto.

Além das três óperas, este ano o festival lança quatro DVDs contendo as gravações das óperas Iara, Tosca, Carmina Burana e Espetáculos Selecionados e realiza Master Class, no dia 26 de setembro, com Laura de Souza, na Igreja de Santo Alexandre. O concerto de encerramento será aberto ao público, ao ar livre, no dia 28 de setembro, no palco que tradicionalmente é montado em frente ao Theatro da Paz. A noite contará com 100 músicos no palco, com a presença de Laura de Souza e Richard Bauer, especialistas em Verdi e Wagner, além da notável paraense Adriane Queiroz, que virá de Berlim direto para o evento.

Serviço

XII Festival de Ópera do Theatro da Paz.

Venda de ingressos: a partir de 1º de agosto, na bilheteria do teatro.
Horários: segunda a sexta-feira – 09h às 18h.  Aos sábados – 08 às 14h. e aos domingos – 08 às 12h. Nos dias de espetáculo até às 20h.
Mais informações: (91) 4009 8750