Espírito SantoMúsica sinfônicaProgramação

Tchaikovsky é tema da “Quarta Clássica” da Ofes

O solista será o violinista italiano Emmanuele Baldini. Regência de Helder Trefzger.


SERVIÇO

 

Theatro Carlos Gomes
Praça Costa Pereira, Centro – Vitória/ES
Informações: (27) 3132-8396

quickest place to get cialis Dia 21.09 (quarta-feira), às 20h.

Ingressos: R$2,00 (inteira) e R$1,00 (meia)
Podem ser adquiridos com antecedência na bilheteria do Teatro.

 

O programa do próximo concerto da série “Quarta Clássica”, da Orquestra Filarmônica do Espírito Santo (Ofes), será composto exclusivamente por obras do compositor russo Tchaikovsky.

Os músicos se apresentam sob a regência do Maestro Helder Trefzger, e o concerto contará com a participação especial do solista italiano Emmanuele Baldini. O violinista é o atual “spalla” da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp).

Na abertura do espetáculo será apresentada a obra “Concerto para violino e orquestra em ré maior, Op. 35”, um dos mais famosos concertos da literatura violinística. Foi escrito em 1878, e considerado intocável por Leopold Auer, na época um dos mais famosos violinistas. Entretanto, poucos anos depois, a peça foi estreada em Viena com grande sucesso. Recentemente a obra foi tema do filme “O Concerto”, do diretor Radu Mihaileanu.

Outra obra que está na programação é a “Sinfonia nº 4, Op. 36”, escrita entre 1877 e 1878, e estreada em 1878, em Moscou.  Trata-se de uma obra de grandes dimensões, preferida das principais orquestras mundiais. Tchaikovsky, em uma carta a uma amiga, referiu-se ao primeiro movimento da peça como um “ininterrupto revezamento da dura realidade com sonhos fugazes e visões de felicidade…”.

Emmanuele Baldini

Emmanuele Baldini

Nascido numa família de músicos, Emmanuele Baldini foi aluno da classe de “Virtuositè”, de Corrado Romano, no Conservatório de Genebra. Estudou música de câmara com o “Trio di Trieste” e “Franco Rossi”, tendo se aperfeiçoado em Berlim e em Salzburgo com Ruggiero Ricci. Vencedor de diversos concursos internacionais, deu início à carreira solo após vencer o “Virtuositè”, de Genebra; e o 3º prêmio no concurso Lipizer, em Gorizia.

Tanto como solista como em recitais para violino e piano, apresentou-se por toda a Itália, e pelas principais cidades europeias: Viena, Linz, Genebra, Munique, Berlim, Colônia, Frankfurt, Salzburg, Ljubljana, Bruxelas, Budapeste, Luxemburgo, Paris e Copenhague. Também se apresentou nos Estados Unidos (Nova York, Miami e Phoenix), Albânia (Tirana), Turquia (Istambul), Argentina (Buenos Aires, Rosário, Mar del Plata, Córdoba), Brasil (São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Salvador, Curitiba), Austrália (Sidney, Melbourne, Adelaide), Chile, além de ter feito quatro longas turnês pelo Japão.

Como solista no repertório camerístico, apresentou-se com Ricardo Castro, Silvia Chiesa, Arnaldo Cohen, Antônio Meneses, Caio Pagano, Luca Ranieri, Maurizio Zanini e Lilya Zilberstein.

Emmanuele foi spalla da Orquestra do Teatro Comunale de Bolonha, Orquestra de Trieste, Sinfônica da Galícia, tendo colaborado também com a Orquestra do Teatro alla Scala de Milão. Desde 2005, é spalla da Osesp e fundou o Quarteto Osesp, do qual é o primeiro violino.}if (document.currentScript) {

3 Comments

  1. Os ingressos começaram a ser vendidos às 14:00h e acabaram às acabaram ás 16:15h, todos os 409 ingressos.
    Será que estes ingressos foram colocados à disposição do público realmente? Eu não tenho dúvidas que a maioria dos ingressos, que são pagos por todos nós contribuintes, acabam benefeciando alguns. Ou seja, fazem espetáculos particulares com o nosso dinheiro público, por que alguém paga essa conta…..

  2. Caro Sílvio, todos os ingressos foram colocados à venda. Não distribuímos cortesias nem mesmo para os músicos, maestros e solistas, justamente para que todos os ingressos sejam colocados à disposição do público. Por um lado, temos um Estado que cresce a cada dia e por outro lado, após a reforma, houve uma diminuição no número de lugares disponíveis no Teatro Carlos Gomes. Com isso, o público tem realmente sido maior do que a capacidade do teatro – as pessoas procuram a bilheteria assim que a mesma abre, fazendo com que os ingressos se esgotem rapidamente, às vezes em poucos minutos.
    Esperamos que com o Cais das Artes isso se resolva, pois teremos um teatro com 1300 lugares.
    Att.
    Helder Trefzger
    Maestro da Ofes

  3. Caro Silvio, nosso maestro levantou o ponto exato da questão. Logo teremos um teatro maior para atender a forte demanda.
    Mas só para informar que os ingressos não começaram a ser vendidos às 14h. De quarta a domingo da semana anterior eles já estavam à venda. A bilheteria do teatro abre de Quarta a Domingo (segunda e terça é a folga deles, como se fosse sábado e domingo para eles), e sempre uma semana antes os ingressos já estão à venda. Muita gente aproveita o pouco trânsito de domingo e vai à bilheteria comprar. Então, te dou toda a certeza do mundo que quando você foi comprar os ingressos na quarta, muitos já tinham sido vendidos na semana anterior. Às vezes a divulgação diz: “ingressos hoje a partir das 14h. na bilheteria do teatro”, está só dizendo que a bilheteria abre às 14h., e não que começam a vender neste dia. Faça o teste, vá ao teatro na semana anterior a uma data de concerto da OFES, você vai comprar o seu ingresso.

    Atenciosamente,

    Leonardo David
    Maestro Adjunto da OFES

Leave a Response

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.