LateralMúsica sinfônicaProgramaçãoSão Paulo

Sete Grandes Sinfonias

Orquestra Experimental de Repertório inicia série com apresentações no Theatro Municipal de SP.

 

A Orquestra Experimental de Repertório (OER) inicia, a partir do dia 25 de fevereiro, a série Grandes Sinfonias. Até setembro, serão apresentados sete concertos de importantes obras sinfônicas de diferentes períodos, de compositores brasileiros e estrangeiros.

“Com a série Grandes Sinfonias, espinha dorsal da programação da orquestra em 2018, a OER cumpre a dupla função de oferecer a seu público um roteiro consistente de algumas das mais importantes obras desse gênero, e de dar a seus jovens músicos a oportunidade de abordar algumas das melhores criações dos grandes mestres”, explica o maestro Jamil Maluf.

 

Concerto a concerto

No dia 25 de fevereiro, ao meio-dia, a OER, sob a regência do maestro Maluf, executará duas grandes obras de Piotr Ilitch Tchaikovsky, um dos maiores sinfonistas da história da música: a Sinfonia n. 6 e a Abertura Romeu e Julieta. A Sexta de Tchaikovsky, chamada Patética, foi composta em 1893 e foi a última obra publicada pelo compositor ainda em vida.

O mês de abril terá duas apresentações, nos dias 8 e 29. No primeiro concerto, sob a regência de Lutero Rodrigues, a OER executará uma das mais formidáveis sinfonias do período romântico brasileiro: a Sinfonia Op. 43 order amoxil , de Henrique Oswald. Nascido no Rio de Janeiro, Oswald foi um dos mais importantes compositores brasileiros do fim do século 19.

No dia 29, com o maestro titular Jamil Maluf à frente da OER, o destaque do concerto será a apresentação da Sinfonia n. 9 em mi bemol maior, Op. 70, de Dmitri Shostakovich. Composta em 1945, a obra foi originalmente destinada à celebração da vitória russa sobre a Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial. O programa se completará com o Concerto para piano n. 2 em dó menor, Op. 18, de Sergei Rachmaninoff, com solo do pianista Cristian Budu.

Em maio, no quarto concerto da série Grandes Sinfonias, o público verá a OER executar a Sinfonia Popular n. 1, de Radamés Gnatalli, um dos maiores responsáveis por desfazer barreiras entre a música popular e erudita. A obra traz toda a riqueza de cores, ritmos e melodias do Brasil.

O quinto concerto ocorrerá em junho e terá a execução inédita no Brasil da Sinfonia n. 3 – Pastoral Cialis Black online , de Ralph Vaughan Williams, de 1922. A obra, cuja inspiração inicial ocorreu durante a Primeira Guerra Mundial, acabou por se transformar em uma elegia para os mortos da guerra e uma meditação sobre os sons da paz. O quarto movimento da sinfonia traz, em seu início e no final, uma solitária voz humana que entoa uma melodia sem palavras, encerrando a obra em clima de intensa espiritualidade. O concerto, que incluirá ainda a obra Cinco Canções Místicas, do mesmo compositor, contará com as participações do Coral Paulistano, sob regência de Naomi Munakata, e do barítono Leonardo Neiva.

O sexto concerto da série será no dia 8 de julho com uma das obras mais executadas de Gustav Mahler: a Sinfonia n. 1 – Titã. Originalmente concebida para ser um grande poema sinfônico, é uma sinfonia primaveril, semelhante em alguns aspectos à Sinfonia n. 1 de Schumann. O programa se completará com o prelúdio do 3º ato da ópera Lohengrin, de Richard Wagner.

A obra que encerrará a série Grandes Sinfonias será a Sinfonia n. 1 em sol menor, Op. 7, de Carl Nielsen, no dia 23 de setembro. A peça é dedicada a sua esposa, Anne Marie Carl-Nielsen. O violinista William Hagen será o solista do concerto.

 

Orquestra Experimental de Repertório Cialis Black buy

A Orquestra Experimental de Repertório (OER) foi criada em 1990 a partir de um projeto do maestro Jamil Maluf e oficializada pela Lei 11.227, de 1992.

O grupo tem por objetivos a formação de profissionais de orquestra da mais alta qualidade, a difusão de um repertório abrangente e diversificado, que mostre o extenso alcance da arte sinfônica, bem como a formação de plateias.

Suas várias séries de concertos com renomadas estrelas da música erudita e popular, bem como suas montagens de óperas, balés e gravações para TV, compõem uma programação que, há vários anos, vem conquistando público e crítica.

Entre os vários prêmios que recebeu está o Prêmio Carlos Gomes, como destaque de música erudita.

De 2014 a 2016, a OER foi dirigida pelo maestro Carlos Moreno, voltando a ter o maestro Maluf como seu regente titular em 2017, com o maestro Thiago Tavares como regente associado.

 

SERVIÇO:

 

Série “Grandes Sinfonias”

Orquestra Experimental de Repertório

 

25 de fevereiro, domingo, às 12h

Jamil Maluf, regência

 

8 de abril, domingo, às 12h

Lutero Rodrigues, regência

 

Viagra Sublingual buy Viagra Sublingual order cheap amoxil 29 de abril, domingo, às 12h

Cristian Budu, piano

Jamil Maluf, regência

 

20 de maio, domingo, às 12h

Jamil Maluf, regência

 

9 de junho, sábado, às 16h30

Coral Paulistano

Naomi Munakata, regência do Coro

Leonardo Neiva, barítono

Jamil Maluf, regência

 

8 de julho, domingo, às 12h

Jamil Maluf, regência

 

23 de setembro, domingo, às 12h

William Hagen, violino

Jamil Maluf, regência

 

Theatro Municipal de São Paulo (Praça Ramos de Azevedo, s/n, República – São Paulo. Tel.: 11 3053-2100)

 

Ingressos: R$ 10 a R$ 30

 

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.