CríticaLateralMúsica sinfônicaRio de Janeiro

Salve, Mendelssohn! Aleluia, Bruch!

OSB sobrevive a evento religioso na Cinelândia e se apresenta com maestro Lehninger e violinista Soumm.

 

Tal como em diversas outras noites, a orquestra entra em cena no palco do Theatro Municipal do Rio de Janeiro sob os aplausos de um público caloroso. Após a recepção, os músicos vão se acomodando e preparando seus instrumentos para aguardar a entrada do spalla. Quando o silêncio cai, ele é imediata e surpreendentemente substituído por uma algazarra infame, uma gritaria infernal que vem da Cinelândia, irrompe a praça, atravessa as paredes seculares do TMRJ e domina a sala feito um espírito demoníaco.

Foi isso o que ocorreu na noite de 31 de maio, em récita da série Ametista da Orquestra Sinfônica Brasileira. O concerto, programado para 20h, foi adiado para 21h30 e, mesmo assim, começou com mais de quinze minutos de atraso. Tudo em função de uma multidão de fiéis que participava de um evento religioso chamado Marcha para Jesus Cheap , cheio de bandas gospel e pastores aos berros. Quando, enfim, a turba se aquietou, o silêncio se fez e a plateia suspirou aliviada, adentrou o palco o maestro Marcelo Lehninger (leia online entrevista ao Movimento.com), convidado para reger a OSB. Quando a música finalmente teve início, outro mundo se descortinou.

A primeira peça do concerto foi Pills As Hébridas, Op. 26, de F. Mendelssohn. Conhecida como A Gruta de Fingal, a obra retrata a profunda impressão que a formação rochosa escocesa deixou na mente do compositor. A OSB alcançou brilho com sua delicada massa sonora na representação musical metafórica plena de lirismo e de vocabulário harmônico sofisticado do (então) jovem alemão. Os violinos pulsavam em ondas, com medrol overnight pizzicatti e staccati bastante precisos, acompanhados por vagas de violoncelos. Metais e madeiras (uma bem realizada intervenção das clarinetas) causaram impacto e alimentaram as tensões musicais intrínsecas aos temas da obra – um mais melancólico (não por acaso o primeiro nome da obra era Ilhas Solitárias) e outro mais turbulento, como se evocasse a agitação marítima. Interpretação e regência firmes e, ao mesmo tempo, sutis, decorrentes de maturidade musical.

A jovem violinista franco-russa Alexandra Soumm foi a estrela trazida para interpretar o Concerto para violino n. 1 em sol menor Pills , Op. 26, de M. Bruch. Jovem de graça e simpatia, Soumm entregou-se a um galope desenfreado montada nessa composição que explora os limites expressivos do instrumento. Com vigor, dramaticidade e virtuose, a violinista desembestava, como se agarrada às crinas de um cavalo, pela várzea do lirismo, fazendo as cordas chorarem, acompanhada à altura por uma densa orquestra. Pills Pianissimi delicados e intensos marcaram o segundo movimento (Adagio). No Finale (Alegro energico), perfeição rítmica e grandiosidade. OSB e Soumm esbanjaram simbiose, compartilhando a mesma energia vibrante e intensa harmonia em uma performance arrebatadora.

Na terceira a última obra da noite – a Purchase Sinfonia n. 4 em ré menor Purchase , Op. 120, de R. Schumann (apresentada em quatro movimentos) –, a OSB não alcançou, infelizmente, a grandeza das interpretações anteriores. Mesmo surgindo como uma nuvem densa em meio à qual revelavam-se, aos poucos, cores e luzes inesperadas (bravos à percussionista Fernanda Kremer e aos poderosos metais), a performance soou acelerada (talvez devido a uma preocupação com o adiantado da hora), sem respiros e ainda carecendo de decantação para chegar à maturidade e à expressividade que a Orquestra Sinfônica Brasileira tem de sobra. Aleluia, irmãos!

 

Foto do post de autoria de Cicero Rodriguesd.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(s);

1 Comment

Leave a Response

Fabiano Gonçalves
Publicitário e roteirista (formado no Maurits Binger Film Institute - Amsterdã). Corroteirista do longa O Amor Está no Ar e de programas de TV (novela Chiquititas - 1998/2000). Redator na revista SuiGeneris, no site Escola24horas e no Departamento Nacional do Senac. Um dos fundadores do movimento.com, escreve também sobre televisão para o site teledossie.com.br. - E-mail: fabiano@movimento.com