LateralMúsica de câmaraProgramaçãoSão Paulo

Sala Watari recebe o Quarteto de Cordas Sagarana

O Quarteto de Cordas Sagarana é a próxima atração da Sala Watari, um espaço dedicado à música de câmara no distrito de Barão Geraldo, em Campinas, no dia 07 de dezembro, às 20h. O grupo encerra a programação de concertos da sala deste ano.

O Quarteto Sagarana foi formado em 2017 por integrantes da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Unindo seus talentos e vasta experiência em música de câmara, seus membros tem se apresentado na cena camerística de Belo Horizonte, em séries de concertos em casas particulares, em eventos e na espaços como a Sala Minas Gerais, marcando presença nas duas edições da série de música de câmara da Filarmônica, estreando peças de compositoras como Gabriela Lena Frank.

Os integrantes da equipe colecionam conquistas e grandes aprendizados no cenário da música de câmara nacional e internacional. A brasileira Roberta Arruda, que começou a estudar música ainda criança em Campinas, e a sérvia Ana Zivkovic se apresentam nos violinos. Na viola, o russo Mikhail Bugaev e, completando o quarteto, no violoncelo, Philip Hansey, fundador e diretor artístico do Quadra Island Festival de Música de Câmara, no Canadá. O repertório conta com obras de Mozart (1756-1791), Giacomo Puccini (1858-1924) e da pianista e compositora contemporânea Gabriela Lena Frank.

 

PROGRAMA

A. Mozart (1756-1791)
Quarteto de cordas No.19 Dó Maior K. 465
– Adagio
– Andante Cantabile
– Menuetto
– Allegro Molto

Giacomo Puccini (1858-1924)
Quarteto de cordas – “Crisantemi”

Gabriela Lena Frank (1972-..)
Leyendas: A Andean Walkabout (2001)

 

 

SERVIÇO

 

Sala Watari recebe Quarteto de Cordas Sagarana

Dia 07 de dezembro, sábado, às 20h

Sala Watari (Rua Fonte das Flores, s/n – Barão Geraldo – altura do km 16 da Estrada da Rhodia) 

Ingressos: R$50,00 e R$25,00 (meia entrada)

Informações e reserva de ingressos pelo telefone ou e-mail: (19) 98968-4848 | info@salawatari.com

Ingressos online:  https://appticket.com.br/quarterto-sagarana-na-sala-watari

Pontos de Venda de ingressos em Campinas:

  • Escola de Artes Pró-Musica (2ª a 6ª das 08h às 21h e sábados das 08h às 13h) – Av. Palmital, 41, Campinas – (19) 3295-7873
  • Banca Central – Em Barão Geraldo, ao lado do Banco Santander
  • Agrocesar (2ª a 6ª das 08h às 18h e sábados das 08h às 13h) – Av. Santa Isabel, 59/61, Barão Geraldo

 

www.salawatari.com

 

 

Sala Watari

A curadoria dos eventos na Sala Watari está nas mãos de Mauricy Martin e Fernando Hashimoto, músicos e professores no Instituto de Artes da UNICAMP. Em parceria com a Direção Cultura, a programação de concertos de 2019 do espaço contou com a presença do Trio Arkduk e dos pianistas Sonia Rubinsky, Luca Buratto e Cristian Budu, e agora encerra a temporada com a apresentação do Quarteto de Cordas Sagarana. A Sala Watari fica na Rua Fonte das Flores, s/n, no distrito de Barão Geraldo, em Campinas, na altura do quilômetro 16 da Estrada da Rhodia.

 

Quarteto de Cordas Sagarana

 Roberta Arruda

Começou a estudar música em Campinas aos sete anos de idade, primeiro com a flauta doce e depois com o violino. Na juventude, participou dos mais importantes festivais brasileiros, tocou como solista em Campinas e São Paulo e, em 2001, integrou a Orquestra Jovem das Américas. Foi premiada no Concurso Jovens Instrumentistas de Piracicaba e no Concurso de Música de Câmara Henrique Nuremberg.

Com uma bolsa da Fundação Vitae, Roberta estudou por dois anos na Academia Franz Liszt de Budapeste, na Hungria. Após aperfeiçoar-se também em Munique, na Alemanha, mudou-se para os Estados Unidos, onde completou mestrado com bolsa completa e recebeu o prêmio na Concerto Competition. Em 2012, começou a lecionar na New Mexico State University, onde ficou por três anos.

 

Ana Zivkovic

Ana começou a tocar violino na Escola Primária de Música em sua cidade natal, Belgrado. Após graduar-se pela Faculdade de Música de Belgrado, em 2002, continuou se dedicando ao violino na Academia de Música de Mannheim, na Alemanha. Tornou-se Mestre ao interpretar como solista a Fantasia Escocesa de Max Bruch com a Sinfônica de Baden-Baden.

Recebeu o primeiro lugar no Serbia State em 1996 e os segundos lugares no Prêmio Nacional da Iugoslávia Novi Sad em 1996 e no Prêmio Internacional em Paris. Em duas ocasiões, Ana recebeu também o Prêmio Internacional de Streza, na Itália – primeiro em 1994, como solista, e depois em 1995, ao lado de um trio, ocupando a segunda posição.

De 2000 a 2002, integrou o Quarteto de Cordas da Orquestra de Câmara Dusan Skovran de Belgrado e atuou como assistente de spalla na Orquestra de Câmara de Mannheim. Antes de mudar-se para Belo Horizonte, Ana atuou na orquestra alemã Badische Staatskapelle Karlsruhe e na orquestra Neue Philharmonie Westfalen.

 

Mikhail Bugaev

Mikhail Bugaev nasceu em Novosibirsk, Rússia. Durante sua formação no Conservatório Estatal de Novosibirsk, iniciou sua carreira profissional como membro da Orquestra Sinfônica de Novosibirsk e da Novosibirsk Kamerata. Em 2009, mudou-se para os Estados Unidos para prosseguir os estudos e, em 2013, completou seu doutorado na Michigan State University. É um ativo músico de câmara, e, como educador, desde 2012 é membro do corpo de professores do Blue Lake Fine Art Camp.

 

Philip Hansen

O comprometimento de Philip Hansen com os diversos gêneros musicais, projetos educacionais e comunitários lhe renderam a distinção como intérprete e inovador no campo das artes. Sua forma intensamente particular e colorida de tocar já foi apresentada em performances do barroco ao jazz, e em cada grande obra escrita para violoncelo solo e orquestra.

Como Embaixador do Departamento de Estado de Cultura dos Estados Unidos na Rússia, Phil foi destaque em salas de concerto de Moscou ao extremo Oriente. Foi também artista residente nos Conservatórios Centrais de Pequim e Shangai e membro por longa data da Académie Internationale Musicale em Provença, na França.

Fundador e Diretor Artístico do Quadra Island Festival de Música de Câmara, no Canadá, Phil coordena programas inovadores de música clássica e contemporânea. Com um forte interesse em conduzir outros músicos em direção a um crescimento musical holístico, seus retiros, chamados Cello Zen, são realizados anualmente ao redor do mundo, possibilitando uma abordagem da técnica do violoncelo adequada tanto ao profissional avançado, quanto ao ávido amador. “Bragatissimo”, seu álbum solo dedicado ao tango, vem sendo transmitido em várias partes do globo. Phil colaborou e compôs a música tema de Charlie the Cello, um livro infantil e também produção teatral de Deborah Nicholson, em que toca junto à Filarmônica de Calgary, no Canadá.

 

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.