Música sinfônicaProgramaçãoRio de JaneiroSão Paulo

Renomada orquestra francesa no Brasil

A Orchestre National du Capitole de Toulouse apresenta-se em São Paulo e no Rio de Janeiro.

 

Formada a partir da fusão da Orchestre du Capitole e da Orchestre Symphonique de Toulouse-Pyrénées, a Orchestre National du Capitole de Toulouse (ONCT), hoje integrada por 125 músicos, não tardou a conquistar uma posição de destaque no cenário internacional. Isto se deve, em grande parte, ao trabalho desenvolvido pelo maestro Michel Plasson, que esteve por 35 anos à frente da orquestra, da qual é atualmente regente honorário. Em 2005, sua direção musical foi assumida por Tugan Sokhiev, que insuflou notável dinâmica à formação, conduzindo-a em aclamadas turnês por todos os continentes.

Nos dias 29 e 31 de outubro, a orquestra toca na Sala São Paulo, como programação da Cultura Artística, e no dia 30 de outubro, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, como a sexta atração do ano da série O Globo/Dell’Arte Concertos Internacionais 2017. O conjunto traz como solistas convidados o pianista cialis online Bertrand Chamayou e a trompetista Lucienne Renaudin-Vary.

 

L’Orchestre National du Capitole de Toulouse

Formada nos anos 1960, a Orchestre National du Capitole assumiu rapidamente uma estatura internacional, elevada ainda mais com a chegada de Tugan Sokhiev, em 2005, que insuflou uma dinâmica notável a sua formação, empreendendo turnês por todo o mundo (Alemanha, Áustria, Itália, Espanha, Irlanda, Reino Unido, Escandinávia, Polônia, China, Rússia, Japão e América Sul), e apresentando-se regularmente em locais prestigiosos como o Musikverein de Viena, a Philharmonie de Berlim e o Bolshoi de Moscou, além do Théâtre des Champs-Élysées e a Salle Pleyel em Paris.

Além de uma rica temporada sinfônica em seu salão histórico de La Halle aux Grains e da temporada lírica e de balé do Théâtre du Capitole, a Orchestre National du Capitole é convidada regular de festivais internacionais como o Festival Internacional George Enescu, em Bucareste, a Quinzena Musical de San Sebastian, o Chorégies de Orange (Aida e dois concertos em 2011, o Réquiem de Verdi em 2016), os Festivais da Radio France e Montpellier (2013, 2016) e o Festival de Páscoa de Aix-en-Provence (2015). Em 2011, ONCT também se apresentou na Opéra Comique em Les Fiançailles au Couvent de Prokofiev, coproduzida pelo Théâtre du Capitole.

Tugan Sokhiev desenvolveu ainda novas atividades audiovisuais destinadas a um público mais amplo. A Orchestre National du Capitole de Toulouse também participou recentemente de transmissões como Les prodiges font leur show na France 2, Victoires de la musique classique na France 3, Musiques en fête, ao vivo do Théâtre d’Orange em France Musique e France 3. Essa ambiciosa política de difusão audiovisual se traduz em parcerias regulares com a France Télévisions, France Musique, Radio Classique e Arte Concert, entre outros.

Após uma longa e frutífera colaboração com o selo EMI Classics, sob a batuta de Michel Plasson (cerca de 60 títulos disponíveis, dedicados prioritariamente à música francesa dos séculos 19 e 20, muitos deles tornados referências do repertório), a ONCT desenvolve atualmente novos eixos discográficos para o selo Naïve.

Amplamente ancorada na vida musical de seu tempo, a Orchestre National du Capitole de Toulouse dedica-se com o mesmo entusiasmo a obras do repertório e à música contemporânea. Em 2012, por exemplo, apresentou o Concerto para dois pianos, de Bruno Mantovani (então compositor associado da orquestra) — um comissionamento da Orquestra National du Capitole e da Casa da Música do Porto. Em 2014, a ONCT cria o Concerto para oboé, de Benjamin Attahir, tendo como solista seu dedicandário, Olivier Stankiewicz (oboé principal da orquestra), e executa a estreia francesa do Concerto para percussões n. 2, de James MacMillan. Mais recentemente tiveram lugar duas novas criações mundiais, apresentadas pela ONCT sob a regência de Sokhiev: Prelúdio, de David Azagra, e Nach(t)spiel, de Benjamin Attahir, compositor do qual a ONCT criaria, em 2016/2017, um nova obra em homenagem a Pierre Boulez, Cheap Samaa Sawti Zaman. Também foram comissionadas novas obras a compositores como Bruno Mantovani e Pascal Dusapin para futuras temporadas.

Essa ancoragem na vida musical contemporânea se desdobra em uma atividade pedagógica muito ativa, voltada tanto para o público mais jovem — especialmente com o regente Christophe Mangou, que dirige os concertos pedagógicos desde 2012 (tendo como momentos relevantes, entre outros, a criação de cheap propecia from india doxycyclin order Éva pas à pas, de Sylvain Griotto, um comissionamento da ONCT e da Orchestre d’Avignon-Provence) — quanto para a formação de músicos profissionais, graças à criação, em 2016, de uma Academia Internacional de Regência Orquestral, dirigida pessoalmente por Tugan Sokhiev.

 

Tugan Sokhiev (foto de Marc Brenner)

Tugan Sokhiev, diretor musical

Tugan Sokhiev é diretor musical da Orchestre National du Capitole desde 2008, após haver sido, por três anos, principal regente convidado e conselheiro musical. Em maio de 2015, Jean-Luc Moudene, prefeito de Toulouse, renova seu contrato de diretor musical por três anos suplementares, até agosto de 2019. Ele é também, desde setembro de 2012, diretor musical da Deutsches Symphonie-Orchester de Berlim, e do Teatro Bolshoi de Moscou, onde é também regente principal desde janeiro de 2014.

Na temporada de 2015/2016, Sokhiev voltou a dirigir, na qualidade de regente convidado, as orquestras filarmônicas de Berlim e Viena (Festival Mozart de Salzburgo), as sinfônicas da Rádio Finlandesa, da NHK e a Orquestra Philharmonia (que ele dirige em todas as temporadas). Em 2014/2015, estreou à frente da Sinfônica de Londres, e em 2013/2014, da Orquestra de Filadélfia. Em 2012/2013 assumiu, com sucesso, a batuta da Sinfônica de Chicago e da Gewandhaus de Leipzig. Ao longo das últimas temporadas protagonizou estreias marcantes à frente das Filarmônicas de Viena e de Berlim (2009/2010).

Foi convidado das Filarmônicas de Rotterdam, Oslo, Munique, Radio France, Rússia, Academia de Santa Cecília de Roma, e das Sinfônicas de Bournemouth, RAI de Turim, Ópera Estadual de Munique, Rádio Sueca, Viena, Frankfurt, Orquestra Real do Concertgebouw de Amsterdã e Nacional de França. Empreendeu turnê europeia com a Philharmonia Orchestra, a Mahler Chamber Orchestra e a DSO, além de numerosas turnês à frente da Orchestre National du Capitole: Europa, China, Rússia, Reino Unido, América do Sul, e Japão, entre outros.

Sua discografia com a Orchestre National du Capitole inclui cinco gravações para o selo Naïve: order purim month Quadros de uma Exposição, de Mussorgsky/Sinfonia n. 4, de Tchaikovsky; Pedro e o Lobo, de Prokofiev; Concerto para violino n. 2, de Prokofiev/Danças Sinfônicas, de Rachmaninov; Sinfonia n. 5, de Tchaikovsky/Abertura Festiva, de Shostakovich; e um disco Stravinsky reunindo O Pássaro de Fogo/Sagração da Primavera. Sua primeira gravação à frente da Deutsches Symphonie-Orchester de Berlim, Ivan o Terrível, de Prokofiev, com Olga Borodina, foi lançada em 2014 pela Sony Classical.

No domínio lírico, Sokhiev faz sua estreia em 2002, na Ópera Nacional de Gales com La Bohème. No ano seguinte dirige Eugen Onegin no Metropolitan Opera de Nova York, em produção do Teatro Mariinsky. Em 2004 estreia na França no Festival de Aix-en-Provence com O Amor das Três Laranjas, obra que dirige em seguida no Luxemburgo e no Teatro Real de Madri. Em 2006 é convidado para reger Boris Godunov na Grande Ópera de Houston. Dirige Cheap A Dama de Espadas (2010) e Boris Godunov (2012) na Ópera Estadual de Viena; A Dama de Espadas http://hockeyphl.com/?p=8430 , Iolanta, As Bodas no Convento, Tosca buy prozac online e Cavalleria Rusticana/I Pagliacci no Théâtre du Capitole. Em 2015/2016, destaque para duas novas produções no Teatro Bolshoi: Katerina Ismailova e La Damnation de Faust.

Em 2005, sua exibição no Théâtre des Champs-Elysées com a Orchestre National du Capitole redunda na sua indicação para Revelação Musical do Ano pelo Sindicato da Crítica de Teatro, Música e Dança. Em 2014, o Sindicato da Crítica o indica Personalidade Musical na categoria instrumental. Em 18 de outubro de 2013, Tugan Sokhiev recebe as insígnias de Cavaleiro na Ordem Nacional do Mérito.

 

Bertrand Chamayou (foto de Marco Borggreve)

Bertrand Chamayou, piano

Bertrand Chamayou ocupa hoje um lugar de respeito na cena musical internacional, apresentando-se em locais como o Théâtre des Champs-Elysées, Lincoln Center, Herkulessaal de Munique e Wigmore Hall de Londres. Participou ainda de festivais da importância do Mostly Mozart de Nova York, Lucerna, Edinburgo, Rheingau Musik Festival, Beethovenfest de Bonn e Klavier-Festival do Ruhr. Dentre as grandes orquestras com que trabalhou destacam-se a Filarmônicas de Londres, Rotterdam e a Deutsche Kammerphilharmonie de Bremen. Colaborou com regentes como Pierre Boulez, Leonard Slatkin, http://chr-centre.org/?p=7111 Sir Neville Marriner, Semyon Bychkov, Michel Plasson, Louis Langrée, Stéphane Denève, Ludovic Morlot e Andris Nelsons.

Realizou uma série de gravações altamente aclamadas, que incluem um CD com música de César Franck para o selo Naïve, distinguido inclusive com um Editor’s Choice da Gramophone. Em 2011, Chamayou comemorou o 200º aniversário de Liszt com uma gravação da integral dos Années de Pèlerinage. O álbum foi merecedor de um Gramophone Choice. Ele é o único artista a conquistar por quatro vezes o prestigioso prêmio francês Victoires de la Musique e conquistou o Echo Klassik de 2016.

 

Lucienne Renaudin-Vary

Lucienne Renaudin-Vary, trompete

Vencedora do Victoires de la Musique Classique 2016 na categoria Revelação, a trompetista francesa Lucienne Renaudin-Vary nasceu em 1999 e estudou trompete clássico com Philippe Lafitte no Conservatório de Mans. Em 2014, ingressou no Conservatório Nacional Superior de Paris. Lucienne assinou recentemente um contrato de gravação com o selo Warner e está lançado seu primeiro álbum na primavera de 2017.

Aos 11 anos, Lucienne conquistou o Concurso Selmeer-Le Parnasse e o 3º prêmio do Concurso Europeu dos Jovens Trompetistas de Alençon, na categoria 14-17 anos. Desde então vem conquistando os primeiros prêmios de todos os concursos de que participa: Concurso dos Encontros Internacionais dos Metais na Bélgica, Concurso das Chaves de Ouro em Paris e Concurso dos Jovens Artistas Maurice André em Alès. No exterior, apresentou-se no Festival Spivakov em Moscou, em concertos em Ancara, Festival de Música de Rheingau; na Finlândia executou o Concerto para Trompete, de Sørensen, sob a direção de Moshe Atzmon. Produziu-se ainda no show Stars von Morgen (Arte/ZDF), apresentado por Rolando Villazón em Berlim.

 

PROGRAMAS: Pills

29 de outubro

Cheap Hector Berlioz  cialis order (1813-1869)
Carnaval romano, Op. 9: Abertura

Camille Saint-Saëns (1835-1921)
Concerto n. 5 para piano em fá maior, Op. 103 – Egípcio

Nikolai Rimsky-Korsakov (1844-1908)
Sheherazade, Op. 35

 

30 e 31 de outubro

Dmitri Shostakovich (1906-1975)
Abertura de Festa em lá maior, Op. 96
Concerto n. 1 para piano, trompete e cordas, Op. 35 doxycyclin online

Claude Debussy (1862-1918)
La Mer

Igor Stravinsky (1882-1971)
O Pássaro de Fogo – Suíte (1919)

 

Foto do post: Marc Brenner

 

SERVIÇO:

 

L’Orchestre National du Capitole de Toulouse

Bertrand Chamayou, piano

Lucienne Renaudin-Vary, trompete

Tugan Sokhiev, regência generic prozac

 

29 e 31 de outubro, domingo e terça-feira, às 21h

Sala São Paulo (Praça Júlio Prestes, 16 – São Paulo. Tel.: 11 3367-9500)

 

Ingressos: de R$ 50 a R$ 585

 

30 de outubro, segunda-feira, às 20h

Theatro Municipal do Rio de Janeiro (Praça Floriano, s/n, Centro – Rio de Janeiro. Tel.: 21 2332-9191)

 

Ingressos: de R$ 50 a R$ 600

 

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.