LateralMúsica sinfônicaProgramaçãoSão Paulo

Orquestra Sinfônica Municipal tem concertos virtuais  

A Santa Marcelina Cultura informa que seguindo as orientações do Governo do Estado de São Paulo, por meio do Plano São Paulo e da Secretaria Municipal de Cultura, que todas as atividades presenciais do Complexo Theatro Municipal de São Paulo e seus Corpos Estáveis estão SUSPENSAS de 6 a 19 de março de 2021.

Desta forma, estão cancelados para o público presencial, os concertos da Orquestra Sinfônica Municipal dos dias 5 e 6 de março. Os eventos serão gravados e transmitidos no Canal de Youtube do Theatro Municipal de São Paulo, nos dias 11, 13, 18 e 20 de março, às 20 horas.

Lamentamos os cancelamentos dos eventos e informamos que novos comunicados sobre ações e medidas relacionadas à pandemia serão divulgados oportunamente por meio dos canais oficiais da Santa Marcelina Cultura e do Theatro Municipal de São Paulo: sites e redes sociais.

Todas as providências para substituição e/ou devolução de valores dos ingressos adquiridos serão tomadas com a maior brevidade possível.

Caso tenha dúvidas, não deixe de entrar em contato conosco pelo e-mail: escutamunicipal@santamarcelinacultura.org.br

Os concertos

Na sexta-feira, dia 5 de março, o repertório revisita as obras de Guarnieri e Schumann. Do compositor brasileiro Camargo Guarnieri (1907-1993), o grupo interpreta Concerto para Cordas e Percussão, uma instrumentação base para violinos, violas, violoncelos, contrabaixos e percussão. Composta em 1972, sob encomenda da Orquestra de Câmara Armorial, de Pernambuco, a obra se assemelha ao Concerto para Orquestra do compositor húngaro Béla Bartók (1881-1945).

Na sequência, tem a Sinfonia nº 2 em Dó maior Op. 61, do alemão Robert Schumann (1810-1856). Uma obra em quatro movimentos com presença marcante de flautas, oboés, clarinetes, fagotes, trompas, trompetes, trombones, tímpanos e cordas. A peça foi escrita e orquestrada entre o final de 1845 e 1846, período em que o compositor apresentava sintomas de depressão por conta de um colapso nervoso sofrido anos antes. Embora muitos dos temas da Sinfonia nº 2 façam referência a melodias de J. S. Bach e Beethoven, o caráter da peça nem de longe lembra a obra desses mestres

Já no sábado, dia 6 de março, Minczuk comanda repertório com obras de Bach e Villa-Lobos. Do compositor alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750), a Orquestra Sinfônica Municipal, em formação de câmara, toca Prelúdio da Partita nº 3 em Mi Bemol Maior BWV 1006 e Suite orquestral nº 2 em Si menor BWV 1067, esta segunda peça uma instrumentação para violinos, viola e contrabaixo, com solos de flauta transversal, interpretados pelo músico Marcelo Barboza.

A outra peça do programa é a conhecida Bachianas Brasileiras nº 2, do brasileiro Heitor Villa-Lobos (1887-1959), um dos grandes representantes do movimento da Semana de Arte Moderna de 1922. A composição data de 1930 e não deixa de carregar certa identidade entre alguns aspectos com a ficção literária brasileira da época. A OSM interpreta os quatro movimentos da obra: “Canto do Capadócio”, “Canto da Nossa Terra”, “Lembranças do Sertão” e “O Trenzinho do Caipira”. O concerto conta também com a participação da harpista Jennifer Campbell.

Os concertos presenciais no Theatro Municipal de São Paulo seguem todos os protocolos de segurança e prevenção à propagação do Coronavírus (Covid-19) e as orientações do Plano São Paulo e da Prefeitura Municipal de São Paulo para retomada consciente das atividades. Ao público espectador presente na Sala de Espetáculos, é necessário seguir os protocolos de segurança estipulados em nosso Manual do Espectador, disponível no site.

 

PROGRAMAS

Dia 5 de março, sexta-feira, às 19h

Camargo Guarnieri
Concerto para Cordas e Percussão

Robert Schumann
Sinfonia nº 2 em Dó maior Op. 61

 

Dia 6 de março, sábado, às 17h

Johann Sebastian Bach
Prelúdio da Partita nº 3 em Mi Bemol Maior BWV 1006
Transcrição de Marcel Grandjany

Johann Sebastian Bach 
Suíte orquestral nº 2 em Si menor BWV 1067

Heitor Villa-Lobos
Bachianas Brasileiras nº 2

 


SERVIÇO

Orquestra Sinfônica Municipal tem dois concertos virtuais

Transmissão pelo Canal de Youtube do Theatro Municipal de São Paulo

Dias 11, 13, 18 e 20 de março, às 20 horas

youtube.com/theatromunicipalsp

 


Teatro Municipal de São Paulo

O edifício do Theatro Municipal de São Paulo é um equipamento cultural localizado na Praça Ramos de Azevedo, no centro de São Paulo. Trata-se de um edifício histórico, patrimônio tombado, intrinsecamente ligado ao aperfeiçoamento da música, da dança e da ópera no Brasil. O Theatro Municipal de São Paulo abrange um importante patrimônio arquitetônico, corpos artísticos permanentes e é vocacionado à ópera, à música sinfônica orquestral e coral, à dança contemporânea e aberto a múltiplas linguagens conectadas com o mundo atual (teatro, cinema, literatura, música contemporânea, moda, música popular, outras linguagens do corpo, dentre outras). Oferece diversidade de programação e busca atrair um público variado.

O Patrimônio Theatro Municipal de São Paulo tem implantação retangular, sendo as medidas aproximadas de 92 metros (fachadas leste e oeste), e 42 metros (fachadas norte e sul). Divide-se basicamente em três corpos com funções distintas: o corpo da fachada – vestíbulo, a escada nobre, salão, portaria, restaurante e dependências da administração; a parte central – sala de espetáculo com seus corredores e galerias; o corpo posterior – palco e suas galerias laterais, camarins e salas de artistas. Composto de 09 (nove) pavimentos, sendo um subterrâneo, 07 (sete) correspondendo aos planos e ordens da ala de espetáculo e/ou administração, e o pavimento referente a cúpula central. Tem área total construída de aproximadamente 17.000m².

 

Santa Marcelina Cultura

Eleita a melhor ONG de Cultura de 2019, além de ter entrado na lista das 100 Melhores ONGs do ano de 2019 e de 2020, a Santa Marcelina Cultura é uma associação sem fins lucrativos, qualificada como Organização Social de Cultura pelo Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, e pela Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Cultura. Criada em 2008, é responsável pela gestão do Guri na Capital e região Metropolitana de São Paulo e da Escola de Música do Estado de São Paulo – Tom Jobim (EMESP Tom Jobim).

O objetivo da Santa Marcelina Cultura é desenvolver um ciclo completo de formação musical integrado a um projeto de inclusão sociocultural, promovendo a formação de pessoas para a vida e para a sociedade. Desde maio de 2017, a Santa Marcelina Cultura também gere o Theatro São Pedro, desenvolvendo um trabalho voltado a montagens operísticas profissionais de qualidade aliado à formação de jovens cantores e instrumentistas para a prática e o repertório operístico, além de se debruçar sobre a difusão da música sinfônica e de câmara com apresentações regulares no Theatro. A Santa Marcelina Cultura assumiu em 1º de novembro de 2020 um Termo de Colaboração emergencial para administração dos objetos culturais vinculados ao Complexo Theatro Municipal de São Paulo.

 

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.