LateralMúsica sinfônicaProgramaçãoSão Paulo

Orquestra Jovem do Estado encerra temporada

A Orquestra Jovem do Estado de São Paulo – grupo ligado à EMESP Tom Jobim – instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo gerida pela organização social Santa Marcelina Cultura – encerra sua temporada comemorativa de 40 anos.

Anuncia também os vencedores do 8º Prêmio Ernani de Almeida Machado, em concerto na Sala São Paulo, no dia 8 de dezembro, às 16h. Com patrocínio do Machado Meyer Advogados, a premiação contempla uma bolsa de R$ 100 mil para o aperfeiçoamento dos estudos no exterior e outras quatro no valor de R$ 22 mil cada visando aprimoramento, ou a aquisição de instrumentos.

Sob regência de Cláudio Cruz, o grupo interpreta a Sinfonia nº7, de Gustav Mahler. A Orquestra Jovem do Estado também realiza concerto gratuito no dia 6 de dezembro, sexta-feira, às 20h, em São Bernardo do Campo.

 

8º Prêmio Ernani de Almeida Machado

O público que for ao concerto na Sala São Paulo conhecerá os cinco bolsistas vencedores da oitava edição do Prêmio Ernani de Almeida Machado. A cerimônia de anúncio dos contemplados acontece antes do concerto.  Além do prêmio principal, uma bolsa de R$ 100 mil para o aperfeiçoamento dos estudos no exterior, o concurso contempla outras quatro premiações no valor de R$ 22 mil cada, visando aprimoramento ou aquisição de instrumentos.

Desde 2012, ano em que a Santa Marcelina Cultura e o Machado Meyer Advogados anunciaram a parceria para instituição da premiação, já foram contemplados 35 jovens. São vários os exemplos de bolsistas que conseguiram ingressar nos melhores centros de formação musical do mundo.

Os vencedores foram aprovados em conservatórios como o Conservatório Nacional Superior de Música e Dança de Paris, Conservatório de Amsterdã, o Mozarteum de Salzburgo, na Áustria, Conservatório de Colônia, na Alemanha, entre outros. O vencedor da primeira edição, por exemplo, foi o primeiro percussionista brasileiro aceito para o mestrado no Conservatório de Paris e já concluiu sua especialização.

O Prêmio Ernani de Almeida Machado se constituiu em um importante estímulo para os bolsistas poderem aspirar novos horizontes em suas carreiras e, ao mesmo tempo, abre portas para o desenvolvimento musical.

O concurso contempla duas fases. Na primeira fase da seleção, os candidatos são avaliados por meio de um vídeo. Na fase final, participam de uma audição presencial e são avaliados por uma banca. Este ano, foram selecionados 12 bolsistas dos seguintes instrumentos: violino, violoncelo, viola, contrabaixo, clarinete, trompete, flauta, percussão e, pela primeira vez, tuba. A audição será realizada no dia 25 de novembro, na EMESP Tom Jobim.

O nome do prêmio é uma homenagem a um dos sócios fundadores do Machado Meyer, Ernani de Almeida Machado, falecido em 2009 e grande apreciador da música clássica.

 

PRÊMIO ERNANI DE ALMEIDA MACHADO (2012 – 2018)

7 edições realizadas
35 bolsistas contemplados

Vencedores das edições anteriores 

De 2018

Bruno da Silva Ghirardi (clarinete) -> Conservatório de Colônia (Alemanha)
Diego Adinolfi (violino)
Jean Arthur (flauta)
Marina Caputo (violino)
Saulo Roberto (contrabaixo)

De 2017

Marcus Vinícius de Oliveira Figueiredo da Silva (contrabaixo) -> Royal Northern College of Music (Manchester)
Guilherme Santana (viola)
Alexandre Pinatto (violino)
Jônatas Oliveira Carmo (clarinete)
Jamile Costa Destro (violino)

De 2016

Gustavo Nunes Juventino (clarinete) -> Academia Nacional Superior de Orquestra (Lisboa)
Filipe Dos Santos Esteves (clarinete)
Jean Arthur Medeiros da Silva (flauta)
Lucas de Oliveira Espíndola (trompete)
Luís Abelardo Chávez Quispe (fagote)

De 2015

Filipe dos Santos Esteves (clarinete) -> Conservatório Della Svizzera Italiana (Lugano, Suíça)
Ariane Rovesse (clarinete)
Jean Arthur da Silva (flauta)
Johann Cardoso (trompa)
Renan Gonçalves (violino)

De 2014

Guilherme Afonso de Moraes Silva (violoncelo) -> Mozarteum de Salzburg (Áustria)
Filipe dos Santos Esteves (clarinete)
Johann Cardoso Marianno Pereira (trompa)
Matheus de Souza Carmo Posso (violoncelo)
Sandra Daniela Mora Valenzuela (percussão)

De 2013

Lucas Bernardo da Silva (violino) -> Conversatório de Amsterdã (Holanda)
Layla Köhler Baratto (oboé)
Ariane Rovesse de Alencar Freitas (clarinete)
Matheus Silva Mello (violoncelo)
Rafael do Nascimento Figueiredo

De 2012

Rubens Celso Lopes Filho (percussão) – Conservatório Nacional Superior de Música e Dança de Paris (França)
Lucas Bernardo (violino)
Gabriel Takano (contrabaixo)
André Ramos (fagote)
Filipe dos Santos Esteves (clarinete)

PROGRAMA

Gustav Mahler  (1860-1911)
Sinfonia nº 7

 


SERVIÇO

Em São Bernardo do Campo

Dia 06 de dezembro, sexta-feira, às 20h

Teatro Cenforpe – Auditório Dr. Attílio Zóboli (Av. Dom Jaime de Barros Câmara, 201 – Planalto, São Bernardo do Campo/SP)

Entrada franca

Classificação indicativa: livre

 

Em São Paulo

8º Prêmio Ernani de Almeida Machado

Esse concerto conta com recursos de audiodescrição

Dia 08 de dezembro, domingo, às 16h 

Sala São Paulo (Praça Júlio Prestes, 16 – Campos Elíseos – 3223 3966)

Ingressos: R$30 (inteira) e R$15 (meia)

Vendas: bilheteria e internet https://orquestrajovemdoestado.byinti.com/#/ticket/

Classificação indicativa: livre

 

 

Cláudio Cruz – diretor musical e regente titular

Iniciou-se na música com seu pai, o luthier João Cruz, posteriormente recebeu orientações de Erich Lenninger, Maria Vischnia e Olivier Toni. Foi premiado pela APCA e recebeu os prêmios Carlos Gomes, Bravo, Grammy, entre outros. Foi regente titular das sinfônicas de Ribeirão Preto e de Campinas.

Em 2017, gravou CDs com a Royal Northern Sinfonia, em New Castle, na Inglaterra, e com o Quarteto Carlos Gomes, com obras de Carlos Gomes, Alexandre Levy e Glauco Velasquez. Gravou o terceiro CD com a Orquestra Jovem do Estado, com obras de Bartok, Kodaly e Flô Meneses, e lançou as edições dos Quartetos de Alberto Nepomuceno no Festival de Campos do Jordão e na Sala São Paulo.

Participou do Festival Internacional de Música de Câmara “La Musica”, na Florida, e do Festival Internacional de Música e Câmara da Universidade da Georgia, ambos nos Estados Unidos. Atuou como diretor musical e regente nas montagens das óperas Don Giovanni e La Belle Helene no Theatro São Pedro. Atualmente, é regente e diretor musical da Orquestra Jovem do Estado de São Paulo e primeiro violino do Quarteto de Cordas Carlos Gomes.

 

Orquestra Jovem do Estado de São Paulo

Referência tanto por seu bem-sucedido plano pedagógico quanto por sua cuidadosa curadoria artística, a Orquestra Jovem do Estado é sinônimo de excelência musical no Brasil. Desde sua reformulação, em 2012, a Orquestra passou a ter uma exigente programação artística aliada a um novo plano pedagógico elaborado pela Santa Marcelina Cultura, o que ocasionou um expressivo salto de qualidade do grupo.

A Santa Marcelina Cultura convidou Cláudio Cruz em 2012 para assumir a direção musical e a regência principal da Orquestra, que hoje apresenta uma marcante identidade sonora, com uma forte coesão interna que permite a construção de repertórios cada vez mais desafiadores técnica e estilisticamente.

Esse resultado é fruto também da abrangência das atividades pedagógicas propostas, que formam e inspiram os jovens instrumentistas. Ciente da importância da vivência internacional para a formação dos jovens músicos, a Orquestra realiza regularmente turnês no exterior. Com atuações elogiadas pelo público e crítica internacional, o grupo já se apresentou em importantes salas de concerto, como o Lincoln Center, em Nova York, o Kennedy Center, em Washington e a Konzerthaus, em Berlim – além de ter participado como orquestra residente do Festival Berlioz, na cidade natal do compositor francês, La Côte-Saint-André, interpretando a “Sinfonia Fantástica”.

 

EMESP Tom Jobim – 30 ANOS

Com 30 anos de atuação, a Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP Tom Jobim) tem como objetivo a formação dos futuros profissionais da música erudita e popular. Com um corpo docente altamente qualificado, a EMESP vem construindo um projeto pedagógico inovador, com foco no ensino de instrumento, no convívio dos alunos com grandes mestres e nas práticas coletivas (música de câmara e prática de conjunto), além de disciplinas teóricas de apoio.

Em constante diálogo com as principais instituições de formação musical do Brasil e do mundo, a EMESP oferece a cada ano centenas de shows, concertos, workshops e master classes. A EMESP Tom Jobim mantém um eixo de difusão artística complementar às atividades de formação com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento de seus alunos e criar uma ponte entre o aprendizado e a profissionalização, além de fomentar a formação de público e a difusão da música em todas as modalidades.

A EMESP mantém os grupos artísticos: Banda Sinfônica Jovem do Estado, Coral Jovem do Estado, Orquestra Jovem do Estado e Orquestra Jovem Tom Jobim que oferecem bolsas para os alunos da Escola. A EMESP Tom Jobim é uma escola do Governo de São Paulo gerida em parceria com a Santa Marcelina Cultura, Organização Social ligada à Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

 

Santa Marcelina Cultura

Criada em 2008, a Santa Marcelina Cultura é uma associação sem fins lucrativos, qualificada como Organização Social, qualificada como Organização Social de Cultura pelo Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado. É responsável pela gestão do Guri da capital e região Metropolitana de São Paulo e da Escola de Música do Estado de São Paulo – Tom Jobim (EMESP Tom Jobim).

O objetivo da Santa Marcelina Cultura é desenvolver um ciclo completo de formação musical integrado a um projeto de inclusão sociocultural, promovendo a formação de pessoas para a vida e para a sociedade. Desde maio de 2017, a Santa Marcelina Cultura também gere o Theatro São Pedro, desenvolvendo um trabalho voltado a montagens operísticas profissionais de qualidade aliado à formação de jovens cantores e instrumentistas para a prática e o repertório operístico, além de se debruçar sobre a difusão da música sinfônica e de câmara com apresentações regulares no Theatro.

Para acompanhar a programação artístico-pedagógica do Guri Capital e Grande São Paulo, da EMESP Tom Jobim e do Theatro São Pedro, baixe o aplicativo da Santa Marcelina Cultura. A plataforma está disponível para download gratuito nos sistemas operacionais Android, na Play Store, e iOS, na App Store. Para baixar o app, basta acessar a loja e digitar na busca “Santa Marcelina Cultura”.

 

Foto do post: Heloísa Bortz.

 

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.