LateralMúsica sinfônicaNotíciaSão PauloTecnologia

Orquestra Jovem do Estado – Edino Krieger e Benjamin Britten

A Orquestra Jovem do Estado, grupo ligado à EMESP Tom Jobim, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, gerida pela organização social Santa Marcelina Cultura, apresenta no domingo, 20 de setembro, às 16h, concerto inédito gravado na Sala São Paulo, que será transmitido pelo YouTube.

O grupo, sob a regência de Cláudio Cruz, abre a apresentação com Três Imagens de Nova Friburgo (1988), do compositor brasileiro Edino Krieger que nasceu em 17 de março de 1928 na cidade de Brusque, Santa Catarina.

Em seguida, a Orquestra Jovem do Estado interpreta Variações sobre um tema de Frank Bridge, do compositor inglês Benjamim Britten. A obra foi encomendada por Boyd Neel para o Festival de Salzburgo.  A peça foi concebida como um tributo a Frank Bridge, que começou a dar aulas para Britten em 1928 e foi uma referência importante em sua formação. A obra conta com uma Introdução e Tema seguidos por dez variações, cada uma delas retratando um traço característico da personalidade de Frank Bridge.  Composta em pouco mais de um mês, a peça estreou no dia 27 de agosto de 1937, em Salzburgo.

 

PROGRAMA

Edino Krieger (1928)
Três imagens de Nova Friburgo
– Nevoeiros

– Corredeiras
– Montanhas

Benjamin Britten (1913- 1976)
Variações sobre um tema de Frank Bridge
Introduction and Theme

Var. I –  Adagio
Var. II – March
Var. III – Romance
Var. IV – Aria Italiana
Var. V – Bourrée Classique
Var. VI – Wiener Waltzer
Var. VII – Moto perpetuo
Var. VIII – Funeral March
Var. IX – Chant
Var. X – Fugue and Finale

 

SERVIÇO

Orquestra Jovem do Estado – Edino Krieger e Benjamin Britten

Dia 20 de setembro, domingo, às 16h

ONDE: YouTube EMESP Tom Jobim https://www.youtube.com/user/TJEMESP

 


Cláudio Cruz
diretor musical e regente titular

Iniciou-se na música com seu pai, o luthier João Cruz, posteriormente recebeu orientações de Erich Lenninger, Maria Vischnia e Olivier Toni. Foi premiado pela APCA e recebeu os prêmios Carlos Gomes, Bravo, Grammy, entre outros. Foi regente titular das sinfônicas de Ribeirão Preto e de Campinas.

Em 2017, gravou CDs com a Royal Northern Sinfonia, em New Castle, na Inglaterra, e com o Quarteto Carlos Gomes, com obras de Carlos Gomes, Alexandre Levy e Glauco Velasquez. Gravou o terceiro CD com a Orquestra Jovem do Estado, com obras de Bartok, Kodaly e Flo Meneses, e lançou as edições dos Quartetos de Alberto Nepomuceno no Festival de Campos do Jordão e na Sala São Paulo.

Participou do Festival Internacional de Música de Câmara “La Musica”, na Florida, e do Festival Internacional de Música e Câmara da Universidade da Georgia, ambos nos Estados Unidos. Atuou como diretor musical e regente nas montagens das óperas Don Giovanni e La Belle Helene no Theatro São Pedro. Atualmente, é regente e diretor musical da Orquestra Jovem do Estado de São Paulo e primeiro violino do Quarteto de Cordas Carlos Gomes.

 

Orquestra Jovem do Estado de São Paulo

Referência tanto por seu bem-sucedido plano pedagógico quanto por sua cuidadosa curadoria artística, a Orquestra Jovem do Estado é sinônimo de excelência musical no Brasil. Desde sua reformulação, em 2012, a Orquestra passou a ter uma exigente programação artística aliada a um novo plano pedagógico elaborado pela Santa Marcelina Cultura, o que ocasionou um expressivo salto de qualidade do grupo.

A Santa Marcelina Cultura convidou Cláudio Cruz em 2012 para assumir a direção musical e a regência principal da Orquestra, que hoje apresenta uma marcante identidade sonora, com uma forte coesão interna que permite a construção de repertórios cada vez mais desafiadores técnica e estilisticamente. Esse resultado é fruto também da abrangência das atividades pedagógicas propostas, que formam e inspiram os jovens instrumentistas.

Ciente da importância da vivência internacional para a formação dos jovens músicos, a Orquestra realiza regularmente turnês no exterior. Com atuações elogiadas pelo público e crítica internacional, o grupo já se apresentou em importantes salas de concerto, como o Lincoln Center, em Nova York, o Kennedy Center, em Washington e a Konzerthaus, em Berlim – além de ter participado como orquestra residente do Festival Berlioz, na cidade natal do compositor francês, La Côte-Saint-André, interpretando a Sinfonia Fantástica.

 

Foto do post: Heloísa Bortz.

 

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.