ÓperaProgramaçãoSão Paulo

“O Amor dos Três Reis”, de Italo Montemezzi, no Theatro São Pedro

Montagem inédita tem direção cênica do mexicano Sergio Vela.

O Theatro São Pedro – equipamento da Secretaria do Estado da Cultura de São Paulo, administrado pela Organização Social Instituto Pensarte – abre a Temporada de Óperas 2015 com “O Amor dos Três Reis”, do compositor Italo Montemezzi (1875-1952). Título escolhido pelo diretor artístico Luiz Fernando Malheiro, estreia na quarta-feira (18/03) e tem seis apresentações no Theatro São Pedro – SP.

O Amor dos Três Reis, com libreto de Sem Benelli, estreou em 1913, no La Scala, em Milão. Depois, seguiu para os Estados Unidos, onde teve grande prestígio por algumas décadas até a Segunda Guerra Mundial. “É uma ópera bem orquestrada e rica em melodias e ao mesmo tempo aceitável ao público afeiçoado pelo Romantismo. Mas do ponto de vista teatral, ela é bastante fluente e tem um arco dramático bem definido”, comenta o diretor artístico e regente titular Luiz Fernando Malheiro.

Para esta montagem, a Orthesp será regida pelo maestro Luiz Fernando Malheiro e no dia 25 de março, pelo Maestro André Dos Santos.  Tem também, a participação dos coros: Collegium Musicum de São Paulo e Coral Lírico Paulista, ambos com regência do maestro Nibaldo Araneda. A direção cênica fica por conta do mexicano Sergio Vela, além de grande elenco de solistas.

Na montagem, o diretor optou por uma concepção com poucos elementos cênicos, valorizando o desenho da luz. “Por ser um drama muito intenso, o vazio do palco vai destacar a voz e as expressões dos solistas que são as peças-chave da ópera”, fala o diretor cênico Sergio Vela.

No elenco estão artistas como a soprano Daniella Carvalho, que em 2014 se apresentou na Rússia na Ópera de Kazan, cantando o papel título em Tosca, e na Ópera de Sofia na Bulgária cantando Liu em Turandot; o tenor Juremir Vieira, regido por grandes maestros e vencedor de prêmios no Brasil e nos Estados Unidos; o também tenor Matheus Pompeu, cantor mineiro, semifinalista da fase italiana do concurso de admissão à academia lírica do Teatro alla Scala.

Dando continuidade, o barítono Douglas Hahn, que já passou pelos palcos de São Paulo e pelo Teatro de Buenos Aires; o baixo Sávio Sperandio, um dos artistas mais solicitados no Brasil e vencedor de vários prêmios como Melhor Intérprete de Canção Brasileira no Concurso Internacional Carlos Gomes; e a soprando Débora Dibi, membro da Academia de Theatro São Pedro.

 

O Amor dos Três Reis

A ópera em três atos de Italo Montemezzi e libreto de Sem Benelli, lembra o Tristan und Isolde, de Wagner no desejo dos amantes pelo próprio aniquilamento e na estrutura em colocar o grande dueto de amor e, também, o Pelléas et Melisande de Debussy, na presença de elementos do simbolismo e na individualidade dos três jovens, cujas ações inconscientes parecem ser governadas por um destino fatal. Em contraste a eles sobressai a poderosa figura do velho rei cego, lutando contra sua impotência física, sendo o motor de toda a ação.


Palestra

O Theatro São Pedro realiza uma palestra gratuita que antecede todas as récitas de O Amor dos Três Reis. A palestra aborda de forma descontraída e informativa a vida dos compositores, as circunstâncias históricas da composição, além da história das óperas e curiosidades.

 

FICHA TÉCNICA

– Luiz Fernando Malheiro | direção musical e regência
– André Dos Santos | regência (25 de março)
– Sergio Vela | direção cênica| cenógrafo| figurinista| desenho de luz

Personagens

– Daniella Carvalho | soprano | Fiora
– Juremir Vieira| tenor | Avito
– Douglas Hahn| barítono | Manfredo
– Sávio Sperandio | baixo | Archibaldo
– Matheus Pompeu | tenor | Flaminio
– *Debora Dibi| soprano | Aia

Collegium Musicum de São Paulo e Coral Lírico Paulista | Coro

 

http://www.dojonausica.org/?p=9320 buy biaxin antibiotic Orquestra do Theatro São Pedro

A Orquestra do Theatro São Pedro é um conjunto sinfônico especializado em ópera, criado no ano de 2010 por iniciativa da Secretaria de Estado da Cultura, e atua neste que é um dos mais antigos teatros em atividade no país.

Ao longo destes anos, a Orthesp preparou e apresentou espetáculos de grande repercussão, como as estreias brasileiras de O Barbeiro de Sevilha, de Giovanni Paisiello, e The Turn of the Screw, de Benjamin Britten, e as aclamadas montagens de L´Elisir D´Amore, de Gaetano Donizetti, e Werther, de Jules Massenet.

O grupo já recebeu muitos dos mais talentosos artistas da música erudita brasileira, como Fernando Portari, Rosana Lamosa, Gabriella Pace, Gilberto Tinetti, Antônio Del Claro, Elisa Fukuda, Sônia Goulart, Roberto Tibiriçá, Carlos Moreno, Sílvio Viegas, Lutero Rodrigues, Luiz Fernando Malheiro, Roberto Duarte, entre outros, e estrelas internacionais, como Giuseppe Sabatini, Maria Bayo, Steven Mercurio, Maria Pia Piscitelli, Bruno Praticò e Nancy Herrera.

Em 2012, a orquestra gravou CD em parceria com a pianista Karin Fernandes e recebeu, em 2011, o Prêmio Carlos Gomes na categoria Orquestras, pelo nível de qualidade alcançado em pouco tempo de atividade.

Desde 1º de julho de 2014, Luiz Fernando Malheiro assumiu a direção artística da Orquestra. Malheiro é regente titular e diretor artístico da Amazonas Filarmônica e está à frente do Festival Amazonas de Ópera, atuações que lhe renderam reputação internacional. Em sua carreira, regeu as principais orquestras nacionais além de ter se apresentado por diversas vezes no exterior.

  Cheap

Luiz Fernando Malheiro – regente e diretor artístico

Luiz Fernando Malheiro é o atual diretor artístico e regente titular da Orquestra Amazonas Filarmônica, diretor artístico do Festival Amazonas de Ópera (FAO), diretor artístico do Theatro São Pedro de São Paulo e regente titular de sua orquestra. Foi também diretor de Ópera no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Vencedor do Prêmio Carlos Gomes: Regente de Ópera (2012, 2011 e 2009) e Universo da ópera/2000, dirigiu no FAO/2005 a primeira montagem brasileira do Anel do Nibelungo de Wagner, recebendo ainda mais dois prêmios: Universo da Ópera e Espetáculo do Ano.

Regeu diversas vezes no Festival de Ópera de La Coruña na Espanha e dirigiu concertos e espetáculos frente à Orquestra Sinfônica de Roma, Orquestra Sinfônica de Miami, Orquestra do Teatro Olímpico de Vicenza, Sinfônica de Bari, Orchestra Filarmônica Marchigiana, Orquestra da Ópera Nacional de Sófia, Orquestra Sinfônica de Porto Rico, Orquestra Sinfônica da Galícia e a Orquestra Sinfônica Castilha e Leon, Orquestra do Teatro de Bellas Artes de Bogotá, Orquestra do Teatro de Bellas Artes do México, Filarmônica do México e no Teatro Del Libertador de Córdoba na Argentina.

No Brasil, regeu a Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, a Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, a Sinfônica Brasileira, a OSESP, a Sinfônica de Minas Gerais, a Filarmônica de Minas Gerais, a Sinfônica do Paraná, a Orquestra Sinfônica da Bahia dentre outras. Gravou Fosca e Maria Tudor de Carlos Gomes em vídeo e CD.

 

Sergio Vela

Diretor cênico e designer especializado em ópera, com trabalhos de direção e cenografia apresentados no México, Estados Unidos, Itália, Espanha, Alemanha, Irlanda e Brasil.

Iniciou sua carreira em 1990 no Palacio de Bellas Artes, onde dirigiu Fausto, de Gounod; A Clemência de Tito, Idomeneo, Rei de Creta e A Flauta Mágica, de Mozart; O Holandês Errante, Tristán e Isolda e O Anel de Nibelungo, de Wagner; Los visitantes, de Carlos Chávez, Cheap Macbeth, de Verdi e A Mulher Sem Sombra, de Strauss.

É autor de ensaios sobre arte e humanidades, conferencista e anfitrião em programas culturais de rádio e televisão. Como promotor cultural foi Diretor da Ópera de Bellas Artes, Diretor Geral do Festival Internacional Cervantino, Diretor Geral de Música da Universidade Nacional Autônoma do México, Presidente do Conselho Nacional para a Cultura e as Artes, e Diretor Artístico do Festival de Música de Morelia. É Conselheiro Artístico da Academia de Música do Palácio de Minería e Diretor Artístico do Festival do Centro Histórico do México.

É membro vitalício do Seminário de Cultura Mexicana. Recebeu a Medalha Mozart da Áustria, o Prêmio Internacional Giacomo Puccini da Itália, a Ordem das Artes e das Letras de França, a Cruz Federal do Mérito da Alemanha, a Ordem ao Mérito da Itália, a Ordem de Isabel a Católica da Espanha e a Ordem de Dannebrog.

 

SERVIÇO

Theatro São Pedro
Rua Dr. Albuquerque Lins, 207
São Paulo – Metrô Marechal Deodoro
Order cytotec mexico Telefone: (11) 3661.6600

Dias: 18, 20, 25 e 27 de março, às 20h.
Dias 22 e 29 de março, às 17h.

Ingressos

Estreia
– Plateia: R$ 70,00 Order
– 1º balcão: R$ 40,00
– 2º balcão: R$ 30,00

Demais Récitas
– Plateia: R$ 60,00

– 1º balcão: R$ 30,00
– 2º balcão: R$ 20,00

Descontos

Estudantes, aposentados, pessoas acima dos 60 anos e professores da rede pública estadual, devidamente identificados, têm desconto de 50% nas assinaturas.
Como comprar
– Bilheteria do Theatro São Pedro
Acesso pela Rua Barra Funda, 171 – São Paulo – Metrô Marechal Deodoro
Terça a domingo, das 10h às 22h.
Tel: (11) 3661.6600

– Pelo Ingresso Rápido (www.ingressorapido.com.br) – Tel: (11) 4003.1212

Pills Não recomendado para menores de 08 anos

www.theatrosaopedro.org.br