Notícia

Municipal RJ adia início de temporada

Transferência para maio visa preservar os equipamentos do Theatro, que foram atingidos por poeira e fumaça do desabamento dos 3 prédios próximos.

A direção do Theatro Municipal do Rio de Janeiro decidiu transferir a abertura da Temporada 2012, do mês de março para maio, devido ao desabamento de três edifícios na Rua Treze de Maio e na Travessa Manuel de Carvalho.

Embora não tenha sofrido danos estruturais – fato ratificado por fontes diversas –, alguns destroços chegaram a invadir o Theatro.  Poeira e fumaça atingiram todo o palco, incluindo seus elevadores, varas e equipamentos eletrônicos.  Já o Anexo do Municipal teve parte da fachada e a bilheteria destruídas.

Segundo nota oficial da Assessoria de Imprensa da casa, técnicos de diversos sistemas que operam o Theatro estiveram quinta e sexta-feira no local para avaliar a situação dos equipamentos operacionais.  Entretanto, a existência de algum comprometimento no maquinário só poderá ser realmente determinada depois de encerrados os trabalhos de resgate e remoção de destroços na região, previstos para durarem até dois meses.

De acordo com o maestro Silvio Viegas, Diretor Artístico do Municipal, só então será possível realizar a devida higienização nos aparelhos do teatro, reconstruir a bilheteria e a fachada do Anexo e, se necessário, substituir e/ou consertar equipamentos.  É possível que também seja necessário corrigir a estrutura do Anexo, dependendo da avaliação da Defesa Civil, de forma a garantir a segurança de todos.

Ainda segundo Viegas, com quem falei neste sábado por telefone, o Theatro realizará ajustes na sua programação própria para este ano, que deve ser divulgada durante o mês de fevereiro.  Antes da tragédia, a programação estava prevista para ser divulgada no fim desta semana que passou ou no começo da próxima.

A Orquestra Petrobras Sinfônica, que já havia anunciado sua temporada e até iniciado a venda de assinaturas, deverá também efetuar ajustes em sua programação, alterando-a ou cancelando concertos (duas apresentações estavam previstas para março e abril, incluindo a ópera canadian drug pharmacy Piedade, de João Guilherme Ripper).  Torçamos para que a orquestra consiga reprogramá-la ainda para esta temporada.

Tudo seria mais fácil se a cidade tivesse outros equipamentos adequados à apreciação de música sinfônica e ópera que pudessem receber os eventos que, durante dois meses, não poderão ser realizados no Municipal.  No entanto, a Sala Cecília Meireles continua em reforma, e a inauguração definitiva da Cidade das Artes (antiga Cidade da Música) parece uma novela interminável.  Será que a Prefeitura do Rio, que demonstra ser incapaz de realizar as fiscalizações necessárias à segurança da população (bueiros que explodem; restaurante com instalação de gás inadequada que também explode; prédios que desabam, etc… etc…), vai tomar jeito e colocar aquele elefante branco para funcionar?

Eduardo Paes pode ter suas razões ao criticar algumas ações de seu antecessor, César Maia, que não teve competência para concluir a obra durante seu mandato, mas ao cuidar da Cidade das Artes do jeito que cuida, o atual prefeito iguala-se ao anterior em termos de incompetência, já que, quase completando seu atual mandato, também foi incapaz de colocar aquele equipamento, então quase pronto, para funcionar.  No que diz respeito à Cidade da Artes, a única coisa que Eduardo Paes fez foi trocar o nome do empreendimento.  Os dois políticos são ou não são, farinha do mesmo saco?}

Leave a Response

Leonardo Marques
Formado em Letras com pós-graduação em Língua Italiana. Frequentador assíduo de concertos e óperas. Participou de cursos particulares sobre ópera. E-mail: leonardo@movimento.com