LateralMúsica sinfônicaNotíciaSão PauloTecnologia

Municipal de São Paulo – concerto Peer Gynt, de Edvard Grieg

O Theatro Municipal de São Paulo, ligado à Secretaria Municipal de Cultura, resgata mais uma gravação de uma apresentação artística de seu acervo para disponibilizar na internet. Nesta sexta-feira, 31 de julho, o YouTube do Theatro Municipal exibe a obra sinfônica completa Peer Gynt, Op. 23, escrita pelo norueguês Edvard Grieg. A transmissão começa às 20h e o conteúdo ficará disponível por tempo indeterminado para o público ver e rever quando quiser, de graça e sem necessidade de cadastro.

Apresentado em maio de 2017, no palco do Theatro Municipal e registrado pela TV Cultura, emissora parceira da instituição, o concerto com a Orquestra Sinfônica Municipal (OSM), sob regência de Roberto Minczuk, contou com as participações do Coro Lírico Municipal, preparado pelo seu maestro titular Mário Zaccaro, e as solistas Carla Domingues (soprano) e Carolina Faria (mezzosoprano).

A música incidental Peer Gynt, Op. 23, de Edvard Grieg (1843–1907), foi composta com base no conto homônimo do dramaturgo Henrik Ibsen (1828–1906), conterrâneo do musicista. Uma história folclórica sobre as peripécias de Peer Gynt, o personagem, que ao longo de cinco atos encontra seres fantásticos como trolls, duendes e gnomos em jornadas que vão das montanhas norueguesas ao Norte da África

E nesta apresentação da OSM, o enredo ganha solos de Alexandre Ficarelli (oboé), Camila Barrientos (clarinete), Fábio Cury (fagote) e André Ficarelli (trompa).

Ibsen escreveu o conto em 1867, em Roma, na Itália e inicialmente como um poema dramático. Mais tarde, adaptou o texto para os palcos e encomendou a música a Grieg, que foi apresentada na estreia da peça, em Cristiânia (atual Oslo), em 1876. A parceria do escritor com o musicista marca o período de florescimento cultural da Noruega no século 19, que transcendeu as fronteiras escandinavas.

Logo na estreia da peça, a música de Grieg foi exaltada pela crítica, que apontava a sua contribuição expressiva no êxito do espetáculo. Depois, o compositor ainda organizaria sua obra em duas suítes, Op. 46 e Op. 55, que ficariam conhecidas em todo o mundo e mais célebres do que o próprio texto que as inspirou.

 

+ Municipal Online

Enquanto o Theatro Municipal de São Paulo segue fechado por determinação da prefeitura para evitar a propagação do novo coronavírus, o território digital é o novo palco. Quem acessa as redes sociais do Theatro pode conferir apresentações de performances de câmara, a íntegra de espetáculos apresentados no palco do Municipal e ainda aproveitar os cursos livres, as gravações solo em versões reduzidas para piano e acompanhar as lives com profissionais do Theatro. Tudo isso com acesso gratuito e irrestrito nas páginas do Theatro no Instagram, Facebook ou YouTube.

No canal de vídeos, em especial, o espectador pode assistir às óperas Rigoletto, O Barbeiro de Sevilha, O Cavaleiro da Rosa e A Viúva Alegre, ver ou rever os espetáculos do Balé da Cidade em A Biblioteca de Babel e A Sagração da Primavera e curtir dezenas de concertos sinfônicos como a série Beethoven Total, com a Orquestra Sinfônica Municipal interpretando as nove sinfonias do compositor alemão.

E o novo episódio do Podcast Theatro Municipal já está no ar. Para falar da ópera O Guarani, que em 2020 completa 150 anos, a apresentadora Ligiana Costa recebe os musicólogos brasileiros Maria Alice Volpe e Lutero Rodrigues, o italiano Emilio Sala, professor da Universidade de Milão, o historiador Casé Angatu Xukuru Tupinambá e os diretores cênicos Wálter Neiva e Marco Antônio Rodrigues.

Baseada no romance indianista de José de Alencar, a obra estreou no Teatro Scala de Milão, em 1870, e conta uma história de amor e o massacre dos índios Aymorés no Brasil Colônia. O episódio é dedicado à obra do compositor brasileiro Carlos Gomes, que também será tema do próximo podcast do Theatro Municipal de São Paulo. O conteúdo está disponível nas plataformas de streaming.

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.