LateralMúsica sinfônicaProgramaçãoSão Paulo

Mischa Maisky retorna ao Brasil

Violoncelista se apresenta com a RTV Slovenia Symphony Orchestra nos dias 12 e 13 de novembro.

Após uma série de espetáculos excepcionais, o Mozarteum Brasileiro encerra 2019 com o solista letão Mischa Maisky, um dos mais requisitados  violoncelistas da atualidade, acompanhado da RTV Slovenia Symphony Orchestra, em sua estreia no Brasil, sob regência do alemão Raoul Grüneis. Os  concertos serão nos dias 12 e 13 de novembro, na Sala São Paulo. Os ingressos, com valores a partir de R$75,00, estão à venda pelo site www.mozarteum.org.br.

Bernard Rosenberg

Considerado um dos maiores violoncelistas do mundo, Mischa Maisky começou a estudar violoncelo aos oito anos e logo se apaixonou pelo instrumento, sendo o único violoncelista a ter aulas com dois grandes nomes do violoncelo: Mstislav Rostropovich e Gregor Piatigorsky. Foi descrito por Rostropovich como “um dos mais extraordinários talentos da nova geração de violoncelistas. Sua música combina poesia e rara delicadeza, com muito temperamento e técnica excepcional”. Com mais de 35 gravações ao lado de diversas orquestras, Maisky já foi indicado três vezes ao Grammy.

Em suas apresentações na Sala São Paulo, ele mostrará ao público brasileiro sua técnica surpreendente, que arrebata plateias – quando toca, hipnotiza os espectadores, tal sua habilidade com o instrumento. Nascido na Letônia (URSS), o violoncelista tem o multiculturalismo como sua marca principal e isso transparece em suas performances, que contemplam compositores de várias origens. Considera-se um cidadão do mundo, e conta que toca um violoncelo italiano, com arcos franceses e alemães, cordas austríacas e alemãs e que os seis filhos nasceram em quatro diferentes países. Maisky diz que se sente em casa em qualquer lugar onde as pessoas valorizam e apreciam a música clássica.

Ainda jovem, chegou a ficar preso por razões políticas em um campo de trabalho forçado. Emigrou como judeu para Israel e, para escapar ao serviço militar, foi trabalhar em um hospital psiquiátrico. Aos 25 anos, pôde, finalmente, retomar os estudos e a carreira. “Durante quase dois anos eu praticamente sequer vi o meu violoncelo, muito menos pude tocá-lo”, lembra o músico em uma de suas tantas entrevistas.

A gravação Suítes para Violoncelo Solo, dedicada ao compositor Johann Sebastian Bach, recebeu críticas excelentes, como também foi premiada pela Academia de Tóquio, pelo prêmio Echo, pelo Grand Prix du Disque de Paris e pelo Diapason d’Or do ano, além das indicações ao Grammy Awards. Em 2018, quando comemorou 70 anos, recebeu um prêmio pelo conjunto de sua obra em Istambul.

 

 

POGRAMA

Dia 12 de novembro – terça-feira

Ludwig van Beethoven (1770 – 1827)
Abertura de “Leonore III” 

Robert Schumann (1810 – 1856)
Concerto para violoncelo op. 129

Johannes Brahms (1833 – 1897)
Sinfonia nº 4


Dia 13 de novembro – quarta-feira

Bedřich Smetana (1824 – 1884)
Abertura de “The Bartered Bride”

Antonín Dvořák (1841 – 1904)
Concerto para violoncelo op. 104

Robert Schumann (1810 – 1856)
Sinfonia nº 4

 

 

SERVIÇO

 

RTV Slovenia Symphony Orchestra – Mischa Maisky (violoncelo)

 

Dias 12 e 13 de novembro, terça e quarta-feira, às 21h

Sala São Paulo (Praça Júlio Prestes, s/no. – Centro – São Paulo – 3223 3966)

Ingressos (Todos os setores tem opção de meia-entrada): R$150 (D); R$250 (C); R$400 (B); R$500 (A)

https://mozarteum.byinti.com/#/ticket/

 

 

RTV Slovenia Symphony Orchestra

Atualmente com uma formação de 74 músicos, a RTV Slovenia Symphony Orchestra foi fundada em 1955, porém sua história começa antes disso. As origens do grupo estão diretamente ligadas à criação da emissora RTV Eslovênia, em 1928, ocasião em que a rádio empregou músicos permanentes para a programação musical. Em 1947, as atividades da orquestra cessaram e os músicos formaram um novo grupo, a Filarmônica Eslovena. Em 1955, a RTV Slovenia decidiu restabelecer a orquestra para iniciar sua própria produção musical.

Com mais de seis décadas de existência, a orquestra é um importante marco na vida musical e cultural da Eslovênia e se caracteriza pelo extenso arquivo de gravações sinfônicas eslovenas, com mais de 400 CDs. Inclusive recebeu diversos prêmios pela qualidade das interpretações de seus conterrâneos. A orquestra possui um repertório extenso e diversificado, com programas de concertos instigantes e belos, incluindo composições de reconhecimento internacional, bem como antologias e estreias de obras de compositores eslovenos. No Brasil, a programação contempla Beethoven, Schumann, Brahms, Dvořák e Smetana.

 

Raoul Grüneismaestro

Regente convidado para os concertos em São Paulo, é o Principal Diretor Musical da Ópera Estatal de Istambul (Turquia) desde 2010, tendo ocupado a mesma posição, de 2004 a 2009, junto à Orquestra Filarmônica e a Ópera de Regensburg, na Alemanha. Já atuou como convidado à frente de orquestras como a DSO – Deutsches Symphonieorchester Berlim, Orquestra de Câmara Alemã Berlim, da famosa Orquestra de Câmara de Lausanne, Rádio Filarmônica Hannover, Staatskapelle Weimar, Orquestras das Rádios de Praga e Bucareste, Orquestra Haydn de Bolzano, filarmônicas de Gdansk, Jena e Brno e, recentemente, das filarmônicas de Seul e Gwangzhou, e muitas outras.

Em 2019 esteve à frente da Orquestra Acadêmica Mozarteum Brasileiro, regendo a peça Réquiem, de Giuseppe Verdi, em uma interpretação marcante durante o 8º festival Música em Trancoso.

 

Mozarteum Brasileiro

Fundado por Sabine Lovatelli e Claude Sanguszko, é uma das mais conceituadas associações culturais do país e tem como objetivo valorizar e difundir a cultura musical. Por meio da organização e promoção de espetáculos de música erudita e da manutenção de uma série de atividades educativas em São Paulo e Trancoso, sul da Bahia, fomenta a inclusão social e estende o acesso ao melhor da música para o maior número de pessoas.

Desde 1981, início de suas atividades, vem atuando para cumprir dois grandes objetivos: trazer a excelência musical internacional para o público brasileiro e, ao mesmo tempo, incentivar o desenvolvimento pessoal e social por meio de várias iniciativas de cunho cultural e educativo. Traz ao Brasil algumas das maiores orquestras do mundo e abre espaço em sua programação para a apresentação de orquestras jovens e novos talentos brasileiros.

Em sua trajetória, realizou mais de 1.500 concertos, que foram vistos por mais de dois milhões de espectadores, em salas de concertos e locais públicos. Mais de oito mil alunos passaram pelas masterclasses e 340 jovens talentos foram encaminhados às melhores instituições musicais nacionais e europeias, por meio de bolsas de estudos concedidas pela instituição.

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.