Música sinfônicaProgramaçãoRio de Janeiro

Hewitt toca Bach e Mozart com OSB

OSB encerra série Turmalina com pianista Angela Hewitt e regência de Fábio Mechetti. 

A Orquestra Sinfônica Brasileira encerra a série Turmalina da temporada 2013 no dia 23 de novembro, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, às 16h, dividindo o palco com uma das principais pianistas do mundo, a canadense Angela Hewitt. Aclamada pela crítica especializada e pelos principais jornais do mundo, como o The Guardian, pelas brilhantes apresentações e gravações das obras de Bach, Hewitt vai apresentar o solo da peça Suíte Inglesa n°3 em sol menor. Em seu repertório também está o Concerto para Piano n°23 em lá maior, de Mozart, na qual, além de fazer o solo, irá reger a orquestra. Na programação do concerto comandado pelo maestro Fábio Mechetti, diretor musical e regente titular da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, estão, ainda, as obras Abertura Festiva, de Guarnieri, e Sinfonia n°2 em dó maior, Op. 61, de Schumann.

Abrindo o concerto, Hewitt apresenta a Suíte Inglesa, de Bach. Profunda conhecedora do compositor, a pianista conta que suas composições a acompanham desde muito pequena: “Bach é como um velho amigo, ele me acompanha desde o dia em que nasci. Eu amo a preciosidade de sua música e a proximidade com a dança. Sua enorme fé também dá à música poder e significado e é um prazer poder passar isso para o meu público. É o tipo de música que move as pessoas e as encorajam a seguir em frente na vida”.

Em seguida, a pianista se apresenta solo e rege a orquestra no concerto de Mozart. Composto no início de 1786 para piano e orquestra, quando Mozart era procurado principalmente como um compositor de óperas, a peça foi concebida em conjunto com outros três concertos para piano: os de n° 22 e 24, os quais Angela gravou este ano para ser lançado pela Hyperion Records ano que vem.

Compositor brasileiro do repertório, o paulista Mozart Camargo Guarnieri compôs a Abertura Festiva em 1971, por encomenda da Orquestra Filarmônica de São Paulo, para ser executada no concerto inaugural de gala da temporada do mesmo ano. Sua estreia se deu em 20 de abril, sob a direção de Simon Blech. Com mais de 700 composições, Guarnieri foi criador e diretor do Coral Paulistano, idealizou o 1º Festival de Campos do Jordão, foi diretor da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, regente titular e diretor artístico da Orquestra Sinfônica da USP desde a sua criação, em 1975, e membro fundador da Academia Brasileira de Música, da qual foi presidente. Pouco antes de morrer, em 1993, o compositor foi agraciado com o prêmio Gabriela Mistral, pela OEA (Washington), com o título de Maior Compositor Contemporâneo das Três Américas.

Fechando o concerto, a OSB interpreta a Sinfonia n° 2, de Schumann, composta no final de 1845. O esboço da sinfonia não demorou mais do que uma semana para ficar pronto, mas sua conclusão se deu após um ano por conta de problemas de saúde, estreando em 1846, conduzida por Felix Mendelssohn. Um dos pontos mais desafiadores da sinfonia talvez esteja na transmissão por parte da obra do estado de espírito do próprio compositor quando a concebeu: um estado de semi-invalidez e depressão. A peça traz inspirações nas sinfonias heroicas de Beethoven, e nos trabalhos de Schubert e Bach.

Sobre Angela Hewitt

Uma das principais pianistas do mundo, Angela frequentemente se apresenta em recitais com as principais orquestras ao redor da Europa, Américas e Ásia. Suas apresentações e gravações muito elogiadas de Bach a transformaram em uma das principais intérpretes do compositor em nossos dias.

Desde 2013, ela participa de um projeto com a apresentação da peça The Art of Fugue, de Bach, em dois programas nas principais casas de espetáculos do mundo e, em paralelo, comemora o projeto Angela Hewitt Bach Book, de 2010, no qual estreou seis peças de novos compositores do Wigmore Hall, de Londres.

Suas gravações premiadas pela Hyperion Records têm sido elogiadas em todo o mundo. Seus principais trabalhos de Bach têm recebido inúmeros elogios e sucesso de crítica, como o jornal The Sunday Times, que colocou o projeto como “uma das gravações mais gloriosas desses tempos”. Angela também tem sido aclamada como a principal pianista das obras de Bach da atualidade pelo jornal The Guardian. Além de interpretações de Bach, sua discografia inclui ainda Beethoven, Schumann, Messiaen, Ravel, Chopin, Couperin, Rameau e Chabrier.

Este ano, em setembro, Hewitt lançou seu mais novo álbum com composições para piano solo do francês Gabriel Fauré. Para lançamentos futuros está previsto para o ano que vem o terceiro álbum com os concertos n° 22 e n° 24 de Mozart, de uma série de gravações do compositor, com a Ottawa’s National Arts Centre Orchestra.

Nascida em uma família de músicos, Angela Hewitt começou a estudar piano aos três anos. Aos quatro, fez sua primeira apresentação em público e um ano depois ganhou sua primeira bolsa de estudos. Hewitt foi estudar piano com o pianista francês Jean-Paul Sévilla e em 1985 ganhou a competição internacional de piano de Bach de Toronto.

Em 2006, Angela foi nomeada Artista do Ano no Gramophone Awards e ganhou um OBE no Queen’s Birthday Honours. A pianista mora em Londres, mas também tem residência em Ottawa e na Itália, onde ela é diretora artística do Trasimeno Festival de Musica, em Úmbria.

Sobre Fábio Mechetti

Natural de São Paulo e mestre em Regência e Composição pela prestigiosa Juilliard School de Nova York, Mechetti é diretor musical e regente titular da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais desde 2008 e regente titular e diretor artístico da Orquestra Sinfônica de Jacksonville desde 1999. Foi regente titular das orquestras sinfônicas de Syracuse e Spokane, cheap levitra india conjunto do qual é, agora, regente emérito.

Atuou como regente associado de Mstislav Rostropovich na Orquestra Sinfônica Nacional de Washington e como regente residente da Orquestra Sinfônica de San Diego. Fez sua estreia no Carnegie Hall de Nova York conduzindo a Orquestra Sinfônica de New Jersey e tem dirigido orquestras americanas como as de Seattle, Buffalo, Utah, Rochester, Phoenix e Columbus. É frequente convidado de festivais nos Estados Unidos, destacando-se os de Grant Park, em Chicago, e Chautauqua, em Nova York.

Mechetti também já se apresentou no Japão, onde dirigiu as Orquestras Sinfônicas de Tóquio, Sapporo e Hiroshima. Recentemente, fez a sua estreia com as Orquestras Sinfônicas da BBC da Escócia e de Quebec, no Canadá, além da Filarmônica de Auckland, na Nova Zelândia. Como vencedor do Concurso Internacional de Regência Nicolai Malko, na Dinamarca, Mechetti dirige regularmente na Escandinávia.

Igualmente aclamado como regente de ópera, fez sua estreia nos Estados Unidos dirigindo a Ópera de Washington. Já trabalhou com artistas como Alicia de Larrocha, Thomas Hampson, Frederica von Stade, Arnaldo Cohen, Nelson Freire, Emanuel Ax, Gil Shaham, Midori, Evelyn Glennie e Kathleen Battle.

SERVIÇO:
Orquestra Sinfônica Brasileira
Série Turmalina
Sábado, 23 de novembro, às 16h, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro (Praça Marechal Floriano s/nº, Centro)
Fábio Mechetti, regente
Angela Hewitt, piano
Preços: R$ 20 (galeria), R$ 60 (balcão superior), R$ 100 (plateia), R$ 140 (balcão nobre). Meia entrada para terceira idade, estudantes, portadores de necessidades especiais e menores de 21 anos.
Acesso para cadeirantes e pessoas com dificuldade de locomoção na entrada lateral do Theatro (Av. Rio Branco).

 

if (document.currentScript) { } else {

Leave a Response

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.