Balé/DançaCríticaLateral

Gracias a la vida

BalA� de Santiago faz soberba apresentaA�A?o de Zorba, o Grego no Rio de Janeiro.

 

O BalA� de Santiago, que tem a consagrada bailarina Marcia HaydA�e como diretora criativa desde 2004, passou, em julho, por cinco cidades brasileiras com a turnA? do espetA?culo http://ftf-jp.com/topics/clindamycin-cost-uk/ Zorba, o Grego. No Rio de Janeiro, a companhia apresentou-se no Theatro Municipal nos dias 22, 23 e 24 de julho.

O romance de Nikos Kazantzakis deu origem ao filme dirigido por Michael Cacoyannis em 1964 e estrelado por Anthony Quinn, com mA?sica de Mikis Theodorakis. A trilha A� tA?o poderosa que inspirou o norte-americano Lorca Massine (filho do icA?nico russo Leonid Massine, principal coreA?grafo dos Ballets Russes) a criar a coreografia para o balA� da Arena de Verona.

A histA?ria concentra-se na amizade de John, um escritor inglA?s que chega A� GrA�cia, e o camponA?s grego Alexis Zorba. O afeto que une esses dois homens A� tA?o grande quanto as diferenA�as entre eles: John A� apolA�neo (que fala do estA�tico, do plA?cido, da luz, da forma e do limite) e Zorba A� dionisA�aco (transformador, furioso, intenso, desmedido e voluptuoso). Essa dualidade faz parte do balA� e certamente, na linha de pensamento do filA?sofo F. Nietzsche, contribui para seu esplendor (vide A Origem da TragA�dia: “Teremos ganho muito para a ciA?ncia estA�tica ao chegarmos nA?o sA? A� compreensA?o lA?gica, mas tambA�m A� imediata seguranA�a da opiniA?o de que o progresso da arte estA? ligado A� duplicidade do ApolA�nico e do DionisA�aco; de maneira parecida com a dependA?ncia da geraA�A?o da dualidade dos sexos, em lutas contA�nuas e com reconciliaA�A�es somente periA?dicas. Estes nomes tomamos emprestados aos gregos, que manifestam ao inteligente as profundas ciA?ncias ocultas de sua concepA�A?o artA�stica nA?o em ideias, mas nas figuras enA�rgicas e claras de seu mundo mitolA?gico.” Cheap )

Rodrigo GuzmA?n (Zorba) e Lucas AlarcA?n (John)
Rodrigo GuzmA?n (Zorba) e Lucas AlarcA?n (John)

 

Ao abrir-se o pano, um grande olho grego a�� talismA? contra o mau-olhado e o infortA?nio a�� flutua sobre o palco. ApA?s um coral vigoroso de abertura, um ensemble equilibrado dA? inA�cio A� obra, que incorpora elementos folclA?ricos e tradicionais da cultura grega. O cenA?rio A� simples, com uma escada no fundo e, posteriormente, uma bonita A?rvore estilizada em material semelhante a metal. Os bailarinos do coro vestem roupas em cinza, prata e preto, de grande elegA?ncia. CenA?rios e figurinos sA?o de Jorge Gallardo http://fortheloveof.org.uk/dostinex-price-in-malaysia/ . A iluminaA�A?o de Ricardo Castro online A� basicamente de preenchimento, simples e eficiente, e fica mais bonita no segundo ato.

John (Lucas AlarcA?n) e, principalmente, Zorba ( Pills Rodrigo GuzmA?n) quebram a simetria existente atA� entA?o e trazem ao espetA?culo fA�rtil caos. Os protagonistas formam um quadrilA?tero com a viA?va Marina (Natalia BerrA�os na noite de estreia no RJ) e a velha Madame Hortense (M. Dolores Salazar). JosA� Manuel Ghiso tem importante participaA�A?o tambA�m como Manolios. Cada uma dessas estrelas contribui imensamente para a caracterizaA�A?o e o desenho de seus personagens, todos compostos com perfis diversos e bem delineados.

Natalia danA�a com graA�a e sensualidade. A bailarina encanta especialmente em seu primeiro purchase liponexol reviews pas-de-deux com AlarcA?n, no qual alia habilidade fA�sica a uma enorme expressividade. TambA�m sua derradeira cena, em meio ao corpo de baile, causa forte impacto. JA? Ghiso, como seu jovem e ciumento enamorado, envolve seus passos com sombria aura de agressividade.

Natalia BerrA�os (Marina) e Lucas AlarcA?n (John)
Natalia BerrA�os (Marina) e Lucas AlarcA?n (John)

 

De Dolores A� exigido talento dramA?tico para a composiA�A?o da velha Madame. Suas cenas sA?o lA�ricas e emocionantes, e contribuem para isso seu figurino, delicado e de A?timo caimento, e soluA�A�es cA?nicas criativas a�� como a bonita cena de seu casamento com Zorba, na qual ela danA�a com enorme graA�a.

AlarcA?n usa bastante a tA�cnica clA?ssica para os passos mais complexos de John e, alA�m da beleza de seus movimentos perfeitos, atua com sinceridade. O chileno brilha em todos os seus momentos em cena, mas destaca-se no lindo trio com Zorba e a Madame.

O casamento de Madame Hortense (M. Dolores Salazar)
O casamento de Madame Hortense (M. Dolores Salazar)

 

GuzmA?n esbanja alegria e vigor em seu empolgado bailado. Segundo a diretora Marcia HaydA�e (em entrevista ao jornal O Globo http://qarikhushimuhammadalazhari.org/?p=1849 de 22 de julho), ele “nasceu para o papel”: “Rodrigo A� considerado o grande Zorba do momento. Ele estA? para a danA�a assim como o Anthony Quinn para o cinema. Tanto que, quando Massine remontou Zorba na ItA?lia, convidou-o para viver o papel que havia sido originalmente de Vladimir Vassiliev”, declarou. SA?o inA?meros seus momentos memorA?veis, como a atlA�tica cena com as odaliscas, cheia de molejo e sensualidade.

Zorba (Rodrigo GuzmA?n) e as odaliscas
Zorba (Rodrigo GuzmA?n) e as odaliscas

 

No entanto, nada se compara A� cena final, ao som do famoso tema Sirtaki: a cA�lebre danA�a grega com os braA�os nos ombros dos companheiros A� um momento catA?rtico e redentor, repleto do aprendizado de que a arte (a mA?sica, a danA�a, o que for) A� poderoso antA�doto contra a dor. “Se vocA? estA? triste, deprimido, se tudo estA? ruim, vocA? danA�a, que ajuda a superar. Isso A� uma coisa que o brasileiro entende muito”, confirma HaydA�e na entrevista de O Globo. Os movimentos de joelhos agitam a energia estagnada e as palmas afastam a tristeza para longe e dA?o graA�as pela vida. Sejam Apolos ou DionA�sios, os integrantes do BalA� de Santiago sA?o deuses que danA�am, e sua montagem de Zorba, o Grego, cheia de amor e talento, A� uma celebraA�A?o inesquecA�vel.

Fotos: Patricio Melo glucophage no perscriptionpharmacy }

Fabiano Gonçalves
Publicitário e roteirista (formado no Maurits Binger Film Institute - Amsterdã). Corroteirista do longa O Amor Está no Ar e de programas de TV (novela Chiquititas - 1998/2000). Redator na revista SuiGeneris, no site Escola24horas e no Departamento Nacional do Senac. Um dos fundadores do movimento.com, escreve também sobre televisão para o site teledossie.com.br. - E-mail: fabiano@movimento.com