Curso / EncontroRio de Janeiro

Curso sobre formas musicais

Como conhecer e saber ouvir a chamada música clássica?

 


Uma oficina de audição musical para quem deseja descobrir, entender e se aprofundar no universo da música de concerto, investindo na formação de novas plateias de todas as idades.  De 16 de agosto a 27 de setembro, ocorre, no Rio de Janeiro, o curso Como conhecer e saber ouvir a chamada música clássica?, voltado a quem deseja compreender a linguagem da chamada música clássica ou erudita, aprofundando-se em seu discurso. Ele visa à aprendizagem de uma audição musical inteligente não só para leigos, mas também para estudantes e profissionais da música, por meio de uma abordagem inédita no reconhecimento das principais ideias musicais em meio à sua organização estrutural.

O método se utiliza da apresentação de obras consagradas em históricas gravações, acompanhadas de pranchas em que a estrutura da peça ou de um de seus movimentos encontra-se como que didaticamente topografada, revelando os padrões e a maneira com que o compositor organizou seus principais temas e ideias, os quais serão identificados e nomeados como tais.

O resultado deste novo método surpreende pela experiência de uma audição completamente diferente, capaz de abrir novas vias de acesso ao entendimento e à fruição estética das obras de grandes compositores.

O repertório escolhido abrange obras-primas como aberturas, sinfonias, concertos e poemas sinfônicos, como painel de uma música instrumental pura que, para sua compreensão, exige o conhecimento da linguagem e sintaxe que lhes são próprias.

O curso conta com sete aulas de 2h30 cada, sendo a sétima excepcionalmente de 3h, incluído o balanço geral, o encerramento com breve confraternização e a entrega de certificados para os que tiverem tido um mínimo de 75% de presença. Serão oferecidas apostilas e certificados.

A concepção do curso, bem como a condução das aulas, são do maestro Ricardo Rocha.

 

PROGRAMAÇÃO DE OBRAS

O programa contará com as seguintes obras a serem analisadas, sendo estas referenciais, podendo, entretanto, ser substituídas de acordo com o perfil do grupo:

Aula 1 – Abertura
. Clássica (século 18): Mozart, abertura de A Flauta Mágica
. Programática (século 19): Wagner, abertura de Os Mestres Cantores de Nuremberg
. Concertante (século 19): Brahms, abertura do Festival Acadêmico

Aula 2 – Sinfonia Clássica
. Mozart, Sinfonia n. 41 – Júpiter (movimentos 1 e 4) e Schubert, Quinta Sinfonia (movimentos 2 e 3)

Aula 3 – Sinfonia Romântica
. Tchaikovsky, Quinta Sinfonia

Aula 4 – Concerto Solista – um painel da forma com uma obra diferente para cada movimento
. Clássico: Beethoven, Concerto n. 3 em dó menor, para piano e orquestra
. Romântico: Dvorák, Concerto n. 2 em si menor, para violoncelo e orquestra (terceiro movimento)
. Moderno:  Ravel, Concerto para piano em sol  (segundo movimento)

Aula 5 – Poema Sinfônico I
. Românticos:  Sibelius, Finlândia, e Rimsky-Korsakov, Festival A Grande Páscoa Russa
. Impressionista:  Debussy, Prèlude à L’après-midi d’un faune

Aula 6 – Poema Sinfônico II
. Romântico: Mussorgsky-Ravel, Quadros de uma Exposição
. Modernos: Ives, The Unanswered Question, e Barber: Adagio for Strings

Aula 7 – Encerramento do curso:  Sinfonia Coral
. Beethoven, Nona Sinfonia

 

Ricardo Rocha

Ricardo Rocha

Fundou e dirige musicalmente a SMBB – Sociedade Musical Bachiana Brasileira. A Cia. Bachiana Brasileira, nome de seus corpos artísticos de coro e orquestra, teve concertos escolhidos entre os dez melhores do ano pelo jornal O Globo em 2007, 2008 e 2011, sendo aclamada, em 2009, com o Prêmio de Cultura do Governo do Estado do RJ na categoria Música Erudita. Vários DVDs e CDs lançados e gravações no Youtube. Em 2013 lançou o documentário Vinte anos de um sonho em processo (1993-2013), sobre a criação e o desenvolvimento da companhia.

Na Alemanha, onde criou e dirigiu por 11 anos (1989 a 2000) o ciclo Brasilianische Musik im Konzert para a difusão da música sinfônica brasileira, atuou à frente de grandes orquestras como: Sinfônica de Bamberg, Filarmônica da Turíngia, Filarmônica, de Südwestfallen e Sinfônica de Baden-Baden. Na Argentina, foi regente residente por um mês para realização de três programas diferentes frente à Orquesta Sinfónica Nacional de Cuyo, em Mendoza.

No Brasil, foi regente titular da Orquestra Sinfônica da UFMT, Universidade Federal Mato Grosso (1992-94) e da Orquestra Sinfônica e Coro Estável da Escola de Música da UFMG, Universidade Federal de Minas Gerais (1994-96), onde também foi Professor de Regência.  Como convidado, regeu grandes orquestras brasileiras como a OSB, OSTM-SP, OSMG, Opes, OSN-UFF, OSBJ e a OJB -Orquestra Jovem do Brasil, formada por jovens escolhidos em todo o país para tocar a Nona Sinfonia, de Beethoven, em comemoração aos 20 anos da Queda do Muro de Berlim.

Atuou como maestro e professor de Regência em diversos festivais. Suas gravações contam com cerca de 20 programas/concertos para a televisão e rádio, 8 CDs (1 inédito) e 3 DVDs, diversos vídeos de concertos no You Tube, além de inúmeras montagens orquestrais e grandes obras coro-orquestrais.

Para a difusão da música brasileira de concerto no Brasil e no exterior criou a marca MBC, a versão erudita da MPB, em texto publicado em 2003. A convite do MRE – Ministério das Relações Exteriores, fez Turnê na Ásia em 2009 (Hanói e Singapura) com a Orquestra Bachiana Brasileira como piloto de uma política de difusão intercontinental da MBC.

Participou da coordenação do Fórum Nacional de Música, no grupo dos três coordenadores que criou e elaborou o projeto Educação Musical nas Escolas, aprovado no Congresso Nacional e chancelado pelo ex-presidente Lula. É pós-graduado pela Escola Superior de Música da Universidade de Karlsruhe como Kapellmeister, o mais alto título em Regência em países de língua germânica. Possui ainda mestrado e bacharelado em Regência pela Escola de Música da UFRJ.

Escreveu e publicou Regência, uma arte complexa (2004) e o atlas As Nove Sinfonias de Beethoven – uma análise estrutural (2013), obra que lhe custou 26 anos de trabalho.  Foi também professor na pós-graduação da Faculdade São Bento entre 2010 e 2017.

É comendador pelo Poder Judiciário, da Ordem São José Operário do Mérito Judiciário do Trabalho, do Tribunal Regional do Trabalho da 23ª. Região, desde 1994.

 

 

SERVIÇO:

 

Curso “Como conhecer e saber ouvir a chamada música clássica?”

Professor: maestro Ricardo Rocha

 

Quintas-feiras de agosto (16, 23 e 30) e setembro (6, 13, 20 e 27), das 19h às 21h30

Sala Municipal Baden Powell – Sala Espelho (Av. N. Sra. de Copacabana, 360 – 5º andar – Copacabana – Rio de Janeiro. Tel.: 21 2547-9147)

 

Valor: R$ 480 (curso completo) ou R$ 75 (aula avulsa)

 

Classificação: a partir de 12 anos

 

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.