Movimento

Começando do zero!

É complicado iniciar a formação de uma coleção de CDs de música clássica. “O que comprar?” “Onde comprar?” “Não quero gastar muito!”

Se você se identificou com essas três frases, seus problemas acabaram. Basta observar as indicações a seguir.

Empreguei alguns critérios para montar a presente lista. Os CDs são todos fabricados no Brasil, em datas recentes. Isso permite que os discos sejam encontrados com maior facilidade que os seus similares importados. Além disso, o fator preço foi observado: os itens custam entre R$ 10 e R$ 50.

Evitei escolher compilações (os chamados “picadinhos” – aqueles discos com “O Melhor de Fulano”, “The Best of John Doe”, e por aí vai): tais seleções, em regra, impedem que o ouvinte tenha acesso às reais intenções do compositor – ouvir todos os movimentos de uma sonata para piano de Beethoven ou de um concerto de Vivaldi faz muito mais sentido do que escutar apenas um trechinho da parte final. Acredite nisso e você me agradecerá no futuro. Há algumas exceções na listagem, plenamente justificáveis (falarei disso mais detalhadamente quando chegarmos aos discos).

Ouvintes mais calejados poderão argumentar que há gravações de melhor nível ou mais aclamadas pela crítica especializada. Concordo. Entretanto, tais gravações não são encontradas com tanta facilidade quanto as versões elencadas aqui: há CDs na presente lista que podem ser comprados até em supermercados. Ademais, nenhuma das indicações deste artigo pode ser chamada de ruim. São gravações boas, muito boas ou excelentes, não obstante o preço baixo.

Outro critério foi a popularidade e acessibilidade das obras. Os experts podem atirar pedras, mas evitei indicar compositores que demandam maior experiência do ouvinte, como Mahler, Brahms e Wagner. Tal critério também se aplicou em obras de um mesmo compositor – a sinfonia mais acessível de Beethoven é a Quinta, ainda que seja bacana afirmar em público coisas como “eu prefiro a Oitava e a Quarta, nessa ordem”. Por outro lado, fugi de obras ou de intérpretes que não são, a rigor, representantes da música clássica (embora, na loja de discos, o vendedor desavisado possa afirmar o contrário): não há CDs de Richard Clayderman, Kenny G ou André Rieu. Esses e outros tantos são representantes de gêneros musicais diversos, como o easy listening.

Mas… chega de conversa, vamos aos discos. A ordem apresentada não é de suma relevância, mas procurei numerá-los em uma sequência que considero a mais adequada para que sejam feitas as aquisições.

 

1 – MOZART: Piano Concertos 24 & 25

Mozart - Daniel Baremboin

Daniel Barenboin – Berliner Philharminiker

Gravadora: Warner Music

 

Se for para começar do zero, comece por Mozart. Gosto é uma coisa muito pessoal, mas quem gosta de música clássica e diz em público que não gosta de Mozart geralmente está querendo aparecer. Os concertos para piano e orquestra são muito agradáveis de ouvir, além de apresentarem aspectos interessantes como diálogos fluentes entre o instrumento solista (no caso, o piano) e a orquestra e passagens virtuosísticas nas quais o pianista mostra toda sua habilidade. O pianista é argentino, mas deixemos as rivalidades de lado.

 

 

2 – BEETHOVEN: Piano Sonatas, Vol. 1 – “Pathétique”, “Moonlight”, “Appassionata”

real viagra no perscription
Beethoven - Jenö Jandó

Jenö Jandó

Gravadora: Naxos (Movieplay)

 

O húngaro Jenö Jandó é um fenômeno: se não gravou uma centena de discos, deve estar bem perto da marca. E grava de tudo. Sua versão integral das sonatas de Beethoven foi bastante elogiada pela crítica. Nesse CD, temos três das mais conhecidas – a Patética, a Sonata ao Luar e a Appassionata.

 

 

 

3 – BEETHOVEN: Symphony nº 5 SCHUBERT: Symphony nº 8 “Unfinished”


Beethoven - Zagreb Phillarmonic

Zagreb Philharmonic – Slovac Philharmonic

Richard Edlinger – Michel Halasz

Gravadora: Naxos (Movieplay)

 

Esse é um CD que eu classificaria como “honesto”: as orquestras são de bom nível, os regentes são confiáveis, as interpretações não decepcionam. O grande atrativo aqui, para o colecionador iniciante, está na combinação repertório/preço – são duas sinfonias que sempre agradam, e por um preço muito baixo. Se você pesquisar bem, o CD sai mais barato que um cheesebacon.

 

 

4 – BACH: The Well-Tempered Clavier (Selection from Books 1 and 2)

J. S. Bach - Jenö Jandó

Jenö Jandó

Gravadora: Naxos (Movieplay)

 

Olha aí o pianista húngaro na área, de novo! Desta vez, tocando Bach. “O Cravo Bem Temperado” é uma obra para teclado que, completa, ocupa quatro CDs. São ao todo 48 peças, divididas em Livro I e Livro II. Para quem está começando, um único disco com seleções dos dois livros é o suficiente. A seleção aqui indicada foi feita com bastante acerto, permitindo uma apreciação razoável da obra.

 

 

5 – THE MOZART ALBUM

Mozart - Diversos

Anna Netrebko, Thomas Quasthoff, Bryn Terfel, Elina Garanca, Rene Pape e outros

Gravadora: Deutsche Grammphon (Universal Music)

 

Mais uma vez, Mozart. Nesse CD, temos árias, duetos e um trio de diversas óperas do compositor, com cantores de altíssimo nível. Uma excelente maneira de começar a caminhada pelo universo operístico. Com o tempo, o ouvinte que adquirir afinidade pelo gênero deve buscar gravações completas das óperas que preferir, e sempre que possível assisti-las ao vivo.

 

6 – VILLA-LOBOS: Bachianas Brasileiras (nº 4, 5 e 6) – Vol. II

 

Villa-Lobos - Rosana Lamosa

Rosana Lamosa – Nashville Symphony Orchestra – Kenneth Schermerhorn

Gravdora: Naxos (Movieplay)

 

Todo brasileiro deveria ouvir Villa-Lobos ao menos uma vez na vida. Tenho certeza que muitos não iriam parar por aí. Sua obra se caracteriza pelo uso das formas e técnicas clássicas, mescladas a ritmos e melodias tipicamente brasileiros. As criativas Bachianas Brasileiras estão muito bem representadas neste CD gravado por uma orquestra norte-americana, em que a soprano solista é a brasileira Rosana Lamosa. Indiquei o volume 2 devido à presença da Bachianas (assim mesmo, no plural) nº 5, que conta com a famosíssima “Cantilena”. Se puder, compre a série completa, em três discos. Valem cada real pago.

 

7 – TCHAIKOVSKY: Piano Concertos 1-3, Concert Fantasia

Tchaikovaky - Elizabeth Leonskaja

Elizabeth Leonskaja – New York Philharmonic – Kyrt Masur

Gravadora: Warner

 

O concerto nº 1 para piano e orquestra de Tchaikovsky começa com uma das melodias mais célebres do repertório orquestral. Porém, limitar-se a escutar somente esse trecho da obra do compositor russo é negligenciar todo um rico acervo de obras que se caracterizam pelo lirismo melódico, pela influência das tradições russas e pelo alto grau de emoção. Esse álbum duplo traz os três concertos para piano e orquestra, além de um concerto-fantasia para a mesma formação.

 

 

8 – VIVALDI: Wind Concerti (The Vivaldi Collection)

 

Vivaldi - City of London Sinfonia - Nicholas Kraemer

Gravadora: Naxos (Movieplay)

 

Ao pensar em Vivaldi, eu quase indiquei uma gravação de “As Quatro Estações”, mas optei por este CD. Explico: temos aqui concertos para diversas formações solistas – trompas, flautas, trompetes, oboés e clarinetes, oboé e fagote, acompanhadas por uma orquestra de cordas e por um cravo (instrumento de teclado).

Já em “As Quatro Estações” o solista é sempre um violino. Nesse sentido, para o ouvinte iniciante o CD indicado deve despertar maior interesse, pois facilitará o aprendizado do timbre dos instrumentos que compõem a orquestra. Se quiser gastar um pouco mais, adquira também uma gravação de “As Quatro Estações”!

 

9 – THE VERDI OPERA EXPERIENCE

Verdi - Diversos

Diversos intérpretes

Gravadora: Warner

 

Não fuja deste lançamento devido à capa bisonha. Essa série da Warner, chamada “Experience”, reúne alguns picadinhos pouco recomendáveis. Todavia, isso não se aplica ao CD de Verdi – foi selecionada uma boa amostragem de trechos de ópera do compositor italiano, com bons intérpretes. Deve ser encarado como um CD introdutório, pois como já dissemos acerca do disco que aborda as óperas de Mozart, o mais adequado é escutá-las na íntegra, sempre que possível em um teatro.

 

10 – ORFF: CARMINA BURANA

Carl Orff - Carmina Burana

Rutter, Randle, Eiche, Bournemouth Symphony Orchestra and Chorus, Marin Alsop

Gravadora: Naxos (Movieplay)

 

Pensei duas vezes antes de incluir uma gravação de Carmina Burana na lista. Afinal, compositores muito mais relevantes para a história da música que o alemão Carl Orff ficaram de fora… Essa cantata, porém, além de extremamente popular, funciona muito bem como obra de acesso ao universo da música clássica. A gravação indicada aqui foi regida por Marin Alsop, maestrina norte-americana que em 2012 assumirá o posto de regente titular da OSESP (uma das principais orquestras brasileiras, sediada em São Paulo) e é vendida a preço camarada.

 

 

ONDE COMPRAR?

As grandes livrarias que possuem seções de CDs geralmente têm uma área reservada aos clássicos, ainda que pequena. É necessário fazer um trabalho solitário de garimpagem, pois a maioria dos vendedores saberá te informar onde está o CD do Luan Santana, mas associará o nome Beethoven ao cachorro que protagonizou diversos filmes voltados para o público infantil. Se encontrar um vendedor que fuja à regra, considere-se uma pessoa de sorte.

Uma boa opção é comprar os CDs pela internet. Atente sempre para os seguintes detalhes: pesquise os preços em várias lojas antes de adquirir os produtos; verifique a disponibilidade do produto (prefira sempre pronta entrega), o prazo de envio e, principalmente, o valor do frete. Note que há com frequência promoções que garantem a gratuidade do frete. Por fim, em alguns sites é possível ouvir trechos dos discos, uma opção sempre interessante.

Alguns sites nacionais recomendados são:

www.laserland.com.br

www.cdpoint.com.br

www.livrariasaraiva.com.br

www.submarino.com.br

www.lojaclassicos.com.br

www.livrariascuritiba.com.br


Com o tempo, cada ouvinte formará seu gosto pessoal, desenvolvendo maior afinidade por certos compositores ou gêneros (música orquestral, música de câmara, composições para piano, ópera, etc…). Não se esqueça: o melhor lugar para se adquirir tal gosto será sempre a sala de concertos. Nenhum CD, por melhor que seja, substitui a música feita ao vivo. Boa sorte !

2 Comments

  1. Muito legal mesmo! Fiquei até curioso com esse álbum do Tchaikovsky, que eu não conheço.

    Pensar em uma solução pra apresentar o ouvinte ao repertório operístico também é difícil, não dá para fugir – ainda mais nesse critério de álbuns em conta – de alguma compilação mais eficiente.

    Uma sugestão que deixo é algum álbum de Chopin. Pela Naxos, quem gravou vários CDs com as obras do compositor foi a Idil Biret, então são gravações bem garantidas.

    Abraços!

Leave a Response

Érico de Almeida Mangaravite
Delegado de polícia, formado em Odontologia e em Direito, com pós-graduação em Ciências Penais. Participou de corais, Frequentador de óperas e concertos. Foi colaborador do caderno Pensar, do jornal A Gazeta (ES), para o qual escreveu resenhas e artigos sobre música clássica.