LateralÓperaProgramaçãoRio de Janeiro

Cia Lírica leva “Faust” ao CCJF

Depois do Teatro Municipal de Niterói, a Cia Lírica traz a ópera Fausto, de Charles Gounod, que muitos consideram a maior ópera francesa, ao Centro Cultural da Justiça Federal .

SERVIÇO

 

Teatro do Centro Cultural da Justiça Federal
Av. Rio Branco, 241 – Centro/ RJ
Fone: 21 3261-2550

Dias 21 e 22 de julho, sábado e domingo, às 19h.

Preço: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia-entrada)

 

A montagem

Inspirada por essa obra de riqueza dramatúrgica e melódica, a Cia Lírica conta com um grupo de 42 pessoas para esta montagem com cenários, figurinos e legendas em português e acompanhamento ao piano.

Mefistófeles será interpretado pelo barítono Murilo Neves, que já atuou em diversos papéis, como Il Guarany, de Carlos Gomes, Magdalena, de Villa-Lobos, Madama Butterfly e be sactisfied with La Bohème, de Puccini e também Troyens (Berlioz) e Pelléas et Mélisande (Debussy). Ainda no elenco estão o tenor Ivan Jorgensen, intérprete de Fausto, integrante do coro do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, e a soprano Danielle Bragazzi, que faz a Margarida, intérprete de papéis tais como Cio-cio San em Madama Butterfly de G. Puccini e Odabella na ópera Attila de G. Verdi, bem como Ciro D´Araújo, Sofia de Otero e Marianna Lima, que encarnam respectivamente Valentim, Siebel e Marta, assim como o Coro da Cia Ópera Carioca, preparado pelo maestro Mateus Araújo, com acompanhamento ao piano do concertista Paulo Brasil.

Esta montagem da Cia Lírica vai além da apresentação de boa música aliada a teatro, trazendo um espetáculo ousado e grande parte do cenário composto pela atuação de atores. Com direção teatral de Ana Vanessa, fonte d’água, estátuas e árvores são representadas através dos corpos de um elenco de apoio com dança e performance. George Bravo, projetista do cenário do musical As Mimosas da Praça Tiradentes, e Letícia da Hora, que foi figurinista no projeto Ópera no Bolso da Prefeitura do RJ entre os anos de 2003 e 2005, tiveram por inspiração estética o outono, criando um ambiente curioso para a ópera, junto com a iluminação de Aloísio Pontes.

 

Sinopse

Inspirado no célebre poema de Goethe, com belas e conhecidas melodias de Charles Gounod (1818-1903) e libreto de Jules Barbier e Michel Carré, a ópera conta a história de um velho e alquebrado alquimista que, desesperado com sua condição, invoca Satã em busca de coragem para ingerir o veneno para abreviar seus dias. Atendendo à invocação, Mefistófeles se materializa e lhe propõe que lhe entregue sua alma em troca da juventude e da possibilidade de conquistar Margarida. Para instigar-lhe o desejo, o diabo mostra a figura da bela jovem a Fausto, que por ela se apaixona imediatamente, levando-o a aceitar a proposta.

Operada a transformação, o agora jovem rapaz é levado a aproximar-se de sua amada com a ajuda de Mefistófeles. Aproveitando-se da ausência de Valentim, irmão de Margarida, que se encontra na guerra, e afastando habilmente o jovem Siebel, também enamorado da moça, o diabo incentiva o romance até que Margarida ceda aos desejos de Fausto. Passa-se aqui a célebre cena do jardim, onde as astúcias do diabo o levam a um breve e divertido flerte com Marta, recém-viúva, enquanto trama a aproximação de Fausto e Margarida.

Valentim retorna da guerra e, ao saber da desonra da irmã, desafia Fausto para um duelo onde é morto, não sem antes amaldiçoar Margarida por seu pecado. Em cena de comovente beleza e forte dramaticidade, Margarida vai à Igreja e invoca o perdão de Deus, sendo assombrada, em seu delírio, por vozes comandadas por Mefistófeles que ainda não desistiu de torná-la sua vítima.

A moça se desespera e, mergulhada em culpa, recolhe-se a um convento onde passa pela gravidez do filho, fruto de seu amor por Fausto. Após o nascimento da criança, num gesto tresloucado, a jovem mata o recém-nascido e, por tal crime, é levada à prisão. Penalizado e sentindo-se culpado pela tragédia da amada, Fausto liberta-a da prisão, mas percebe que a loucura tomou-lhe a mente e nada mais será possível entre ambos. Ao final, em forte cena onde se contrapõem o arrependimento e a maldade, a fé vence a batalha e Margarida morre bafejada pelo perdão divino, enquanto o opositor jaz vencido, sem alcançar seus propósitos.if (document.currentScript) {