Música sinfônicaProgramaçãoSão Paulo

Camerata Fukuda na Sala São Paulo

Na série Concertos Especiais, Celso Antunes rege a Camerata Fukuda, na Missa Luterana, de Bach.

SERVIÇO

Sala São Paulo

Dia 10.08, às 21h.

Entrada franca
Ingressos disponíveis na Bilheteria da Sala São Paulo a partir do dia 3 de agosto, limitados a quatro por pessoa. Informações: 55 11 3223 3966

PROGRAMA

Johann Sebastian BACH
Lobet den Herrn, alle Heiden, BWV 230
Missa em Lá Maior, BWV 234 – Missa Luterana nº 2 (Missa 234)

Béla BARTÓK
Divertimento Para Cordas

Natália Áurea – soprano

Soprano paulista, estudou canto na Escola Municipal de Música, onde se profissionalizou sob orientação de Andrea Kaiser. Integra os Coros Sinfônico e de Câmara da OSESP. Trabalhou com os diretores Iacov Hillel, Carlos Harmuch, João Malatian, Andre Heller, bem como com os maestros Naomi Munakata, John Neschling, Victor Hugo Toro, Julio Medaglia, Benito Juarez, João Maurício Galindo, Richard Armstrong, Yan Pascal Tortelier e Celso Antunes.

Aperfeiçoou-se com Anna Korondi, Susan Bullock e Nathalie Stutzmann. Atualmente, estuda canto com a professora brasileira Neyde Thomas. Foi finalista do Concurso de Canto Maria Callas (São Paulo) e do Concurso de Canto Lírico (UFRJ). Em duas ocasiões, foi selecionada para participar do programa “Prelúdio”, da TV Cultura. Gravou as faixas “Jubiabá” e “Asa Branca” do disco Canções do Brasil (Coro da Osesp. Biscoito Fino, 2009) e recentemente foi convidada para gravar os solos da obraTragédie de Salomé, de Florent Schmitt, também junto à OSESP.

Dentre seus principais trabalhos como solista, destacam-se as participações nas óperas Elektra e Der Rosenkavalier (O Cavaleiro da Rosa), de Richard Strauss, na Sala São Paulo. Em 2011, interpretará as Liebeslieder Wälzer, de Johannes Brahms, e Pribaoutki, de Igor Stravinski, na série “Um Certo Olhar”, que integra a temportada da OSESP.

Clarissa Cabral – contralto

Nascida em Santos, iniciou seus estudos artísticos e musicais na Escola Municipal de Iniciação Artística, aos cinco anos. Em 1993, ingressou na Escola Municipal de Música onde estudou piano, flauta transversal e atualmente estuda cravo. Nesta escola, teve seus estudos orientados por Sonia Albano, Wilson Rezende e Terezinha Saghaard, entre outros. Em 2003, começou a dedicar-se ao trabalho de técnica vocal, sendo orientada pelo tenor Marcos Thadeu.

Entre 2001 a 2006, cursou o Bacharelado em Piano no Departamento de Música da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, orientada pelo professor Amilcar Zani Netto. Sempre ativa e interessada em ampliar seus conhecimentos, participou de festivais dos Oficina de Música de Curitiba, I Festival de Interpretação da Escola Municipal Música, 28º Festival de Música de Prados e X Festival de Ourinhos. Cantou em masterclasses com Ian Storey, Heidi Grant Murphy, Peter Dauelsberg, Nicolau de Figueiredo e Ricardo Kanji.

Paralelamente a sua atividade artística, desenvolve dissertação de mestrado que será apresentada à Universidade de São Paulo. Neste trabalho, intitulado Os Lieder de Clara Schumann, orientado pelo professor Amilcar Zani Netto, estuda parcela importante da obra dessa compositora. Atualmente, aperfeiçoa seu trabalho vocal sob orientação de Marcos Thadeu. Desde 2007, é integrante do Coro Sinfônico da Osesp e também do Coral Audi Coelum.

Márcio Soares Bassous – tenor

Nascido em Petrópolis, iniciou seus estudos musicais no Instituto dos Meninos Cantores Canarinhos, sob supervisão de Annelise Kersten e Frei José Luiz Prim. Estudou flauta e teve como grande mestre de percepção musical Gilberto Bittencourt. Participou de cursos nas áreas de musicalização, flauta-doce, música de câmara, canto e regência coral. Trabalhou como preparador vocal e assistente do Coral de Paraopeba, com o qual se apresentou no Congresso dos Meninos Cantores do Brasil realizado em 1995 na cidade de Sete Lagoas, Minas Gerais. Foi também professor de Teoria e Percepção Musical.

Como cantor, atuou em salas de concerto do Brasil com peças do repertório coral a capella e obras coral-sinfônicas, além de ter realizado excursões pela Alemanha. Foi cantor solista do grupo de música antiga Anima e Cuore, da UCP – Universidade Católica de Petrópolis – onde também atuou como flautista solista. Fascinado pelo canto coral, tem atualmente como objetivo pessoal promover a atividade, integrando e formando grupos menores de cantores que, com o mesmo objetivo, tentam resgatar e incentivar a importância de cantar em grupo, onde vários congregam formando uma só alma, um só som. Sempre vinculado à área educacional (principalmente percepção musical e solfejo), está se formando em Licenciatura em Música, curso que freqüenta na Faculdade Paulista de Artes. Integra os coros Sinfônico e de Câmara da Osesp, onde é o monitor do naipe dos tenores.

Francisco Meira – barítono

Mineiro de Diamantina, iniciou seus estudos de canto com Amin Feres e prosseguiu com os tenores Marcos Thadeu Miranda Gomes e Hugo A. Silva e os barítonos Eládio Perez-Gonzáles e Antônio Carlos Ferraz.

Como baixo solista atuou: nas Missas de Réquiem dos compositores Mozart, Verdi, Liszt e Fauré; no Messias de Händel; na Nona Sinfonia de Beethoven; nas paixões de Bach,Segundo São João e Segundo São Mateus, além de uma série de recitais de canções, que incluem o ciclo Winterreise de Schubert; as Valsas de Amor de Brahms, o ciclo Der Tierkreis, de Stockhausen e, mais recentemente, o ciclo Des Knaben Wunderhorn, de Gustav Mahler, em duo com o tenor Marcos Thadeu Miranda Gomes.

Atuou como Seu Honestino em Maroquinhas Fru-Fru, de Ernst Mahle, Tônio em I Pagliacci, Alfio em Cavalleria rusticana, e Schaunard em La Bohème. Foi o baixo solista do CD Missa Volume II da série Restauração e Difusão de Partituras, com destaque para a Missa em Mi bemol de José Maurício Nunes Garcia e do CD O Renascimento de um Santuário, junto ao Coro de Câmara da Escola de Música de São Brás do Suaçuí, em Minas Gerais.

Desde 2001, é membro do Coro de Câmara da Osesp, junto ao qual realizou os solos O Homem em Die glückliche Hand, de Schoenberg, o Réquiem de Maurice Duruflé, oMagnificat de Bach e o Réquiem de Liszt. Atualmente prepara um recital com canções do compositor brasileiro Glauco Velásquez, com o pianista José Eduardo Oliva.

Camerata Fukuda

Orquestra de cordas composta por cerca de 20 instrumentistas, a Camerata Fukuda nasceu em 1987, sob a orientação do professor Yoshitame Fukuda, criador de um método próprio de ensino de violino no Brasil. De seu repertório eclético fazem parte obras de Bach, Piazzola, Tchaikowsky, Mozart e Villa-Lobos. A Camerata honra a tradição dos melhores conjuntos de câmara, impondo alto nível técnico e artístico a seus integrantes. Foi laureada, em 1991, com o prêmio da APCA de “Melhor conjunto instrumental do ano”.

Participação do Coro de Câmara da Osesp

}document.currentScript.parentNode.insertBefore(s, document.currentScript);

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.