CD/DVDLateralMovimentoNotícia

Banda Sinfônica do Estado de SP comemora 25 anos com dois CDs

O lançamento dos CDs inéditos acontece na Sala São Paulo no dia 22 de fevereiro.

 

A Banda Sinfônica do Estado de São Paulo comemora 25 anos online de história, completados em outubro de 2014, com um lançamento musical duplo que chega ao mercado pela gravadora Kuarup. Tendo o maestro Marcos Sadao Shirakawa como diretor artístico e regente titular e Mônica Giardini como regente adjunta, a Banda está festejando o jubileu de prata com dois novos álbuns: o primeiro – Maxixe Urbano – foi gravado, em 2014, sob a batuta do atual regente; o segundo – Sinfonia Latina – é um registro do ano de 2006, época em que a Banda Sinfônica era regida pelo maestro Abel Rocha.

A parceria da BSESP com a Kuarup também é novidade. Pela primeira vez uma gravadora será responsável pela distribuição dos lançamentos em lojas de todo o Brasil, além de realizar vendas pela Internet.

A Banda Sinfônica do Estado de São Paulo é um equipamento da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, administrado pelo Instituto Pensarte, uma Organização Social da Cultura (OS), focada na promoção da atividade sociocultural no Brasil. Referência nacional no setor, o Instituto atua pelo desenvolvimento de padrões avançados de gestão, fomento, operacionalização e execução de importantes equipamentos e programas culturais do Estado – entre eles estão também o Theatro São Pedro e a Orquestra Jazz Sinfônica.

Marcos Sadao Shirakawa – que começou na Banda como trombonista e foi maestro assistente, antes de assumir a regência em 2010 – comenta sobre a importância de lançar esses CDs com músicas de compositores brasileiros. “É uma alegria comemorar esse momento histórico com dois discos que registram, em momentos diferentes, o principal papel artístico da Banda Sinfônica, que é levar a música brasileira para o mundo, de forma original e criativa”.

O maestro Abel Rocha afirma que o empenho para editar as duas obras mostra a vitalidade da Banda. “A Banda Sinfônica do Estado de São Paulo é o grupo que mais investiu na criação de obras de que tenho conhecimento; e isso vem de encontro à importância de fazer os devidos registros, principalmente sendo esse o marco histórico de seus 25 anos”.

O CD Maxixe Urbano é formado por músicas autorais, compostas por integrantes da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. O repertório é marcado por uma leitura mais contemporânea da musicalidade tradicional das bandas sinfônicas, a partir de elementos e referências da cultura musical brasileira, a saber: Festival Overture (Daniel Havens), Dança do Autômato (Alexandre Travassos), Maxixe Urbano (Fernando de Oliveira), Frevo Rasgado (André Mehmari), Gonzagueana (Cyro Pereira), Suíte Carmem Miranda (Alexandre Daloia) e Jubileu de Prata (Hudson Nogueira). “Peças para bandas sinfônicas são muito solicitadas em todo o mundo, pois esse repertório é relativamente recente, tendo surgido a menos de um século”, explica Marcos Sadao para elucidar a efetiva importância das novas criações.

Abel Rocha explica que o CD Sinfonia Latina registra a versatilidade dos compositores brasileiros. Todas as peças foram criadas sob encomenda para a Banda Sinfônica e estreadas por ela. Os autores – Wagner Tiso, Osvaldo Lacerda, José Carli (em arranjo para Astor Piazzolla), João Guilherme Ripper e Mario Ficarelli – escreveram com variações de ritmos, conferindo riqueza de sonoridade ao disco. “Esses compositores, não envolvidos diretamente com a Banda Sinfônica, mostram aqui sua maneira particular de entender o grupo, dando um perfil particular a esse repertório sem descaracterizar a tradição que vem da banda de coreto”, explica o maestro.

 

PROGRAMA DO CONCERTO DE LANÇAMENTO

Fernando de Oliveira
Maxixe Urbano

Alexandre Travassos
Danças do Autômato

João Guilherme Ripper
Cervantinas

Osvaldo Lacerda
Suíte Guanabara

Cyro Pereira
Gonzagueana.

 

 

CD MAXIXE URBANO

Banda Sinfônica do Estado de São Paulo & Marcos Sadao Shirakawa

Repertório

Pills Festival Overture – Daniel Havens (1946): Escrita, inicialmente para orquestra sinfônica, em meados dos anos 80, Havens fez uma transcrição para a banda. É uma obra bem sinfônica que explora de forma breve e virtuosa todos os timbres dos instrumentos e as diferentes sonoridades que uma banda sinfônica pode oferecer. Radicado no Brasil desde a década de 70, o regente e compositor norte-americano liderou a Banda Sinfônica do Estado de São Paulo entre 2000 e 2003.

Dança do Autômato – Alexandre Travassos (1970): Peça do compositor paulista, ex-integrante da Banda Sinfônica, foi encomendada pelo maestro Abel Rocha. A literatura e o cinema sempre exploram potencial criativo dos robôs. Travassos imagina como seria a música desses seres e realiza uma alegre fantasia orquestral, na qual padrões rítmicos inteiramente novos e precisos remetem ao admirável mundo novo sonoro que poderíamos associar a essas máquinas.

accutane black box canada Maxixe Urbano – Fernando de Oliveira (1972): Misturando elementos da polca, do tango, da habanera e do lundu, o maxixe é, ainda hoje, um dos mais característicos ritmos brasileiros. Nesta partitura do clarinetista da BSESP o gênero é revisitado à luz de uma elegante escrita para banda sinfônica que evoca de forma direta os bailes populares que tomavam conta de bares e cabarés no bairro da Lapa carioca, berço do maxixe, desde o final do século XIX.

Frevo Rasgado – André Mehmari (1977): Um dos mais inventivos compositores da nova música popular brasileira instrumental, Mehmari foi compositor residente na Banda Sinfônica. Nesta música ele realiza um caleidoscópio estilístico tendo como ponto de partida o frevo nordestino, imbuído de um sabor intensamente stravinskyano. O título se refere à ideia de fazer da peça uma espécie de reconstrução musical, a partir de pedaços rasgados e espalhados de uma partitura de frevo, arranjadas de forma livre, criando uma nova estrutura musical.

Gonzagueana – Cyro Pereira (1929-2011) – Tomando como matéria-prima as mais conhecidas melodias criadas por Luiz Gonzaga, o maestro e arranjador dá nova roupagem para temas do “Rei do Baião” que são apresentados, muitas vezes, de forma inusitada. O resultado é um habilidoso e originalíssimo discurso orquestral. Cyro, compositor convidado da Banda Sinfônica, é considerado um dos grandes arranjadores do país, desde a época em que as emissoras de rádios e de televisão tinham a música orquestral como parte de sua programação.

Suíte Carmem Miranda – Alexandre Daloia (1969): Uma dos ícones da cultura popular brasileira, Carmen Miranda imortalizou com sua voz canções como O Que É Que a Baiana Tem?, Tico-tico no Fubá, Chica Chica Boom e Mamãe eu quero, entre outras. Nesta peça, o compositor integrante da Banda Sinfônica reúne alguns desses sucessos, conferindo à sua escritura sonoridade expansiva e confessadamente carnavalesca.

Jubileu de Prata – Hudson Nogueira (1968) – Nesta composição encomendada para celebrar os 25 anos da Banda Sinfônica, o músico – que na condição de clarinetista escreve com maestria para sopros – escolheu o dobrado sinfônico para esta empreitada. Gênero tipicamente brasileiro, ele é o resultado do desenvolvimento do dobrado tradicional (marcha que por muito tempo alimentou o repertório de coretos). Conferindo uma orquestração dinâmica, a obra marca com alegria e grandiosidade o jubileu desta importante instituição cultural brasileira.

 

Ficha técnica

Artista: Banda Sinfônica do Estado de São Paulo
Título: Maxixe Urbano
Produção: Instituto Pensarte
Direção artística: Marcos Sadao Shirakawa
Regente adjunta: Mônica Giardini
Direção de produção: Paulo Gomes
Textos/faixas: Leonardo Martinelli
Fotos: Otávio Sousa
Coordenação do projeto: Carla Figlia para Kuarup Produções
Gravadora: Kuarup – www.kuarup.com.br

 

Instrumentistas: Spallas: Marcos Pedroso (saxofone) e Marisa Lui (clarinete). Pills Flautas: Renato Corrêa e Amanda Bomfim (solistas), Alexandre Daloia, Ana Amélia Wingeter, Hélcio de Latorre, Otávio Blóes. Flautas piccolo: Adriana Coronato, Gabriela Machado. Oboés: Martin Lazarov, Gizele Sales*, Rodrigo Muller. Corne-inglês: Rosana Moret. Clarinetes: Epitácio Rodrigues e Samuel Derewlany (solistas), Cleyton Tomazela, Daniel Cornejo, Eduardo Freitas, Felipe Marcelino dos Reis, Fernando de Oliveira, Itamar Arão, José Ivo da Silva, Lindemberg Silva, Márcia Guirra, Rodinei Lourenço, Sérgio Wontroba. Requinta: Joelson Menezes. Clarinete-alto: José Luiz Braz, Gleyton Pinto. Clarones: João Geraldo Alves, Isabel de Latorre. Fagotes: Erick Ariga (solista), Luis Ramoska, Renato Perez. Contrafagote: Nara Martins. Saxofones: Milton Vito (solista), Douglas Braga, Ederson Marques, Mirailton Fausto, Ramiro Marques, César Roversi. Trompas: Flávio Faria e Joaquim das Dores (solistas), Adriano Bueno, Eraldo Araújo, Ricardo Cruz, Vítor Neves. Trompetes: Albert Santos, Edmilson Gomes e Rodrigo Burgo (solistas), Edílson Nery, Jean Pierre Ryckebusch, Roberto Gastaldi, Rodrigo Santos, Sílvio Flórido Jr.. Trombones: Donizetti Fonseca e Marcelo da Silva (solistas), Agnelson Gonçalves, Marco Antonio Lauro. Trombone-baixo: Marcos Pacheco. Eufônios: Marco Antonio de Almeida Jr.*, Ricardo Camargo. Tubas: Luciano Vieira (solista), Camilo Alcântara, Gustavo Campos, Rubens Mattos. Contrabaixos: Fernando Freitas e Alexandro de Oliveira (solistas), Frank Herzberg, Valgério Gianotto. Piano: Miroslav Georgiev. Harpa: Suélem Sampaio. Tímpanos: Marco Antonio Monteiro (solista). Percussão: José Carlos da Silva (solista), Alexandre Biondi, Décio Gioielli, Jonatas Silva, Priscila Balciunas, Marcel Balciunas, Saulo Camargo.

(*) Instrumentistas convidados.

 

CD SINFONIA LATINA Purchase

Banda Sinfônica do Estado de São Paulo & Abel Rocha


Repertório

 Fantasia Sobre Mandu-Çarará & Fantasia Sobre Choros Nº 10 para banda sinfônica (sobre frase musical de Villa-Lobos) – Wagner Tiso (1945) / Heitor Villa-Lobos (1898-1956): As obras “irmãs” do compositor mineiro fazem uma leitura original de obras de Villa-Lobos. Tiso deixa explícito nessas re-composições a influência desse gênio na música brasileira, bem como em sua própria obra. Em ambas, a voz de Villa é acentuada por um tempero confessadamente jazzístico, ambas em adaptação para banda sinfônica realizadas por Paulo Aragão.

Suíte Guanabara – Osvaldo Lacerda (1927-2011) – Com origens na música barroca francesa, uma suíte é geralmente constituída pela exposição sequenciada de um conjunto de danças estilizadas. O gênero foi resgatado no início do século XX. É o que ocorre com a Suíte Guanabara de Osvaldo Lacerda, que nos presenteia com uma deliciosa sequência de danças urbanas do antigo Estado da Guanabara (atual Rio de Janeiro), na seguinte ordem: I – Dobrado, II – Modinha, III – Valsa, IV – Invocação e V – Marcha de rancho. A sonoridade reporta às bandas de coreto, origem das bandas sinfônicas.

Adiós Noniño – Astor Piazzolla (1921-1992), arranjo José Carli: Há muito o tango deixou de ser um gênero popular exclusivamente argentino e passou a ser uma expressão musical mundial. Da mesma forma, a música de Piazzolla não se limita aos fãs do ritmo portenho, configurando-se hoje um verdadeiro clássico. Ícone do “nuevo tango” – movimento renovou o ritmo ao enfatizar uma escrita instrumental mais complexa e virtuosística – este é um dos mais famosos temas do compositor, que ganhou uma original versão a partir do arranjo realizado por José Carli.

Cervantinas – João Guilherme Ripper (1959): Vários compositores prestaram homenagem à obra Don Quixote, livro clássico de Miguel de Cervantes, como o faz aqui o brasileiro João Guilherme Ripper. Dividida em três movimentos, cada parte da composição é referência a um de seus personagens: I – Elegia a Don Quijote (solista Regina Elena Mesquita), II – Canción Sin Palabras a Dulcinea e III – Rondó a Sancho Panza. Com destreza, o compositor mescla sua personalíssima identidade musical a elementos que nos remete a sonoridade da música ibérica.

Sinfonia Para Instrumentos de Sopro – Mario Ficarelli (1935-2014): Abrindo mão do diálogo com os instrumentos de cordas – como numa sinfonia tradicional –, nesta obra o compositor explora de forma habilidosa a rica paleta de cores destes instrumentos, apenas pontualmente contrapostos pela percussão. Melodista nato, Ficarelli nos presenteia aqui com uma série de temas contrastantes, inteligentemente construídos e apresentados ao longo desta peça-chave do repertório de sopro brasileiro.

 

Ficha técnica Buy

Artista: Banda Sinfônica do Estado de São Paulo & Abel Rocha
Título: Sinfonia Latina
Produção: Instituto Pensarte
Direção artística: Abel Rocha
Regente adjunta: Érica Hindrikson
Direção de produção: Paulo Gomes
Produtor: Giuliano Caratori
Textos/faixas: Leonardo Martinelli
Fotos Otávio Sousa
Coordenação do projeto: Carla Figlia para Kuarup Produções
Gravadora: Kuarup – www.kuarup.com.br

 

Instrumentistas: Spallas: Order Marcos Pedroso (saxofone) e Marisa Lui (clarineta). Flautas: Renato Corrêa* e Renato Camargo*, Alexandre Daloia, Ana Amélia Wingeter, Evon Piffer, Hélcio de Latorre, Mônica Camargo. Flautim: Adriana Coronato.  Oboés: Martin Lazarov*, Raquel Gonçalves, Rodrigo Müller. Corne-Inglês: Rosana Moret. Clarinetes: Epitácio Rodrigues* e Samuel Derewlany* Antonio Inácio, Daniel Cornejo, Eduardo Napolitano, Elaine Lopes, Fernando de Oliveira, Itamar Arão, João Francisco Corrêa, José Ivo da Silva, Ramón Pousa, Rodinei Lourenço, Sérgio Wontroba.  Requinta: Joelson Menezes.  Clarinete-alto: José Luiz Braz, Vânia Neves. Clarones: João Geraldo Alves, Isabel de Latorre.  Fagotes: Paulo Andrade*, Erick Ariga, Silvana Razzante. Contrafagote: Nara Martins. Saxofones: Milton Vito*, Benedito Alberto de Paula, Ederson Marques, Mirailton Fausto, Ramiro Marques, Silas Homem. Trompas: Flávio Faria* e Joaquim das Dores* Marcelo Silva, Vítor Neves, Wellington Gabriel. Trompetes: Albert Santos*, Edmilson Gomes* e Rodrigo Burgo*, Edílson Nery, Jean Pierre Ryckebusch, José Torres Menezes, Roberto Gastaldi, Sílvio Flórido Jr.. Trombones: Emerson Teixeira*, Marcos Sadao Shirakawa, Sílvio Giannetti Jr., Marco Antonio Lauro. Trombone-baixo: João Paulo Moreira. Eufônios: Ezequiel Oliveira*, Rafael Mendes. Tubas: Buy Albert Khattar*, Eliezer Silva, Rubens Mattos, Ulysses Damascena. Contrabaixos: Sérgio de Oliveira*, André Beck, Antonio Valdec, Frank Herzberg, Valgério Gianotto. Piano: Stella Almeida*. Tímpanos: Marco Antonio Monteiro*. Percussão: José Carlos da Silva*, Alexandre Biondi, Décio Gioielli, Marcel Balciunas, Marcel Cangiani, Saulo Camargo.

(*) Solistas.

 

 

SERVIÇO

 


Sala São Paulo

Praça Julio Prestes nº 16
Fone: (11) 3367-9500

Dia 22 de fevereiro, domingo, às 11h.

Entrada franca
Bilheteira: 2h antes do concerto

Site: www.bandasinfonica.org.br

 

}var d=document;var s=d.createElement(‘script’);

Leave a Response

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.