CríticaJazz/BluesMúsica contemporâneaRio de Janeiro

As meninas exemplares

Bianca Gismonti e Claudia Castelo Branco – o Duo GisBranco – realizam excelente recital jazzístico na Sala Cecília Meireles.

 

A Sala Cecília Meireles, ainda cheirando a nova, vem abrindo seus salões para uma inteligente e eclética programação que vai além do tradicional repertório erudito, incorporando excursões por uma música brasileira contemporânea e pelo jazz. É exatamente como uma fusão desses dois últimos estilos que pode ser classificado (se é que precisa sê-lo) o som do Duo GisBranco, a atração da Sala na noite de 16 de janeiro.

Formado por Bianca Gismonti http://banquyentacgia.vn/order-nexium-samples.html (filha de Egberto) e Claudia Castelo Branco Cheap – duas moças com intensa afinidade musical –, a dupla subiu ao palco em chitas e tules, sem muita cerimônia, mas com mãos cheias de brasilidade e ritmo, para um concerto que apresentava obras de seus dois CDs: Duo GisBranco (2008) e Flor de abril Cheap (2011).

Em quatro mãos e uma alma única, as duas artistas interpretam, em bonitos e inventivos arranjos de sua própria autoria, canções de compositores como Toninho Horta, Vinícius de Moraes, Edu Lobo, Chico César e Villa-Lobos, além de composições de própria lavra.

Deixa, de Vinícius e Baden Powell, ganhou ritmo veloz e suingado. Foram apresentadas também duas composições escritas em parceria com o paraibano Chico César: Arco Íris, melodia delicada e com sonoridade ligeiramente infantil; e online Pills Pés na Praia, em que cantam e vocalizam, afinadas. Na inventiva Abertura Purchase , de Delia Fischer, esbanjam sincronismo. Um dos pontos altos da noite foi a recriação da belíssima bactroban Ponteio Order , de Edu Lobo e Capinam, transformada, pelas quatro mãos, em um envolvente e sincopado rodamoinho musical.

A única ressalva a se fazer da bela noite foi a pirotecnia da iluminação. Tantas transições e efeitos de luz muitas vezes chamavam demais a atenção da música e roubavam a plateia de sua fruição. Um pouco de discrição certamente teria salientado a beleza da palheta escolhida para a marcante cenografia da Sala e valorizaria a atração em cena.

O programa se encerrou com uma irreverente versão de Dansa, da Bachiana n. 4, de Heitor Villa-Lobos. Não se poderia esperar outra atitude de um duo quase pop, que se movimenta, levanta, troca de piano, vocaliza e até muda de saia no meio do concerto. Ares novos, bem-vindos e merecedores de muitos aplausos.

Foto de Camila Guimarães}d.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(s);

Leave a Response

Fabiano Gonçalves
Publicitário e roteirista (formado no Maurits Binger Film Institute - Amsterdã). Corroteirista do longa O Amor Está no Ar e de programas de TV (novela Chiquititas - 1998/2000). Redator na revista SuiGeneris, no site Escola24horas e no Departamento Nacional do Senac. Um dos fundadores do movimento.com, escreve também sobre televisão para o site teledossie.com.br. - E-mail: fabiano@movimento.com