ArtigoLateral

Armando Prazeres: uma vida na nossa vida…

No dia 8 de agosto o maestro faria mais um ano de vida.

Há profissionais que são perfeitamente dedicados ao seu trabalho: técnica apurada, estudo dedicado, presença constante, relação boa com as pessoas, etc… Enfim, tudo necessário para desempenhar bem as suas funções.

Armando era tudo isso…

Há, entretanto, pessoas que, além desta presença profissional constante, também têm um algo mais que, na pessoa dele, foi facilmente detectável: o amor para com as pessoas com que ele lidava na sua profissão.

Mais… não um amor platônico, mas um amor que se desenhava nas atitudes: ora incentivando que a pessoa se dedicasse mais ao canto, ora investindo ele mesmo em pessoas que ainda não sabiam onde podiam chegar. Tinha esse dom de perceber coisas que a maioria das pessoas não percebia.

Há muitas outras pessoas que possuem todos esses dons, evidentemente, mas conheci poucas. Uma delas… o Armando Prazeres.

Nos muitos anos em que convivi com ele como cantor no Coral da UERJ e como cantor e administrador do coral Ars Plena, pude perceber, dentre os “algo mais” que havia um grande amor entre ele e nós os cantores. Éramos amadores e, como tal, amávamos aquilo que fazíamos e amávamos o Armando. Esse dom de conquistar as pessoas eu pouco vi na minha vida toda de 77 anos.

Não conquistar com apenas admiração. Não… ele trocava esse amor com a gente. Tinha dificuldades de cortar uma pessoa que não estivesse cantando bem. Quantas vezes recorreu a mim para fazer isso… Sempre, depois dos ensaios lá estávamos no Uirapuru, na Tijuca, comendo alguma coisa e cantando a plenos pulmões. Outras vezes, no Lareira, também na Tijuca, traçando uma linguicinha com fritas ou outro acompanhamento, mas sempre a turma à volta dele, como de um sol não ofuscante.

Bom, nem sei mais quantos anos ele faria no dia 8 de agosto (amanhã), mas isso não tem a menor importância. O importante é que com a morte dele, ficou um imenso vazio nos corações de todos que com ele conviviam, músicos e cantores ou não. Um vazio nunca preenchido… mas sempre uma lembrança mais que positiva. Sempre uma saudade imensa. De vez em quando, um choro irreprimível …

Perante a situação em que se encontra o Brasil, cheio de escândalos, recheado de políticos desonestos e sem muitas esperanças, seria muito bom se Deus pudesse povoar um pouco mais este país e este mundo com pessoas do quilate do Armando.

Deus me ouça…

 

Antônio Rodrigues
Apaixonado por música coral, é um dos fundadores e mantenedor do movimento.com.