LateralÓperaProgramaçãoRio de Janeiro

“Amahl e os visitantes da noite”, de Menotti, no Ópera do Meio-dia – TMRJ

Mais famosa obra de Menotti, título com inspiração natalina será apresentado com ingressos populares.


Ambientada numa estrada que leva a Belém, na Antiga Palestina, Amahl e os Visitantes da Noite conta uma passagem em que os Três Reis Magos conhecem um pobre menino, quando estão a caminho da adoração do recém-nascido Jesus. A obra que estreou em 24 de dezembro de 1951, com transmissão pelos estúdios da rede NBC, de Nova York, será o sexto título do projeto Ópera do Meio-Dia Buy .

Trechos da mais conhecida composição de Giancarlo Menotti serão apresentados por solistas do Coro do TM. A Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro, vinculada à Secretaria de Estado de Cultura, dá prosseguimento à programação artística sob a responsabilidade do Maestro Isaac Karabtchevsky com esta série realizada em sessões de 60 minutos para 100 espectadores no Foyer do Theatro.

Nesta temporada, a pianista Eliara Puggina acompanha o elenco integrado pelas sopranos Eliane Lavigne e Rose Provenzano where to buy glucophage xr , a mezzo-soprano Lara Cavalcanti, os tenores Elizeu Batista e Ossiandro Brito e os baixos Leonardo Thiese, Jorge Costa e Cícero Pires. O papel do pequeno Amahl será interpretado, alternadamente, pelos meninos Tiê De Kühl e Machado e João Victor dos Santos, integrantes do Coral Infantil da UFRJ. Os garotos que têm nesta etapa da vida o registro de sopranino (voz de soprano num indivíduo do sexo masculino que ainda não chegou à puberdade) contam com preparação vocal da maestrina Maria José Chevitarese 150 mg clomid twins . Caetano Pimentel assina direção, o Maestro Jésus Figueiredo responde pela direção musical e Bruno Furlanetto faz a direção geral.

Com ótima receptividade, as cinco edições anteriores deste projeto – O Elixir do Amor (abril e Maio), La Cenerentola (junho), As Bodas de Fígaro (julho), Suor Angelica (agosto e setembro) e João e Maria (outubro) – tiveram todos os ingressos vendidos. O projeto Ópera do Meio-Dia tem a finalidade de divulgar esta forma de arte e oferecer uma opção de lazer a quem trabalha no Centro durante a pausa para descanso. Além disso, é uma oportunidade aos integrantes do Coro atuarem em solo ao público.

Ao longo deste ano ficamos orgulhosos com o sucesso da Ópera do Meio-Dia, que teve ingressos esgotados nas cinco temporadas anteriores. E Amahl e os Visitantes da Noite, de Menotti, que aborda a temática natalina de uma forma muito especial, tem tudo para repetir o êxito das outras edições do projeto”, afirma Carla Camurati, Presidente da Fundação Teatro Municipal.

 


Sinopse

Na porta de sua pobre choupana Amahl, um menino aleijado, toca sua flauta. A mãe o chama para vir dormir. Ele obedece relutantemente, pois conta que há uma grande estrela, com uma grande cauda em cima de suas casas. A mãe diz estar farta de suas invencionices, de suas mentiras e que seu futuro será de mendigar ao que ele responde que, pelo menos, será um bom mendigo. Finalmente ambos adormecem.  Ouvem-se, ao longe, os Três Reis e seu pajem, cantando e avançando pelo caminho. Decidem pernoitar naquela casa. Melquior bate à porta. Amahl a abre e, rapidamente, a fecha e vai contar à mãe que viu um rei. Esta lhe diz de parar de mentir. Batem, Amahl vai à porta e diz à mãe, agora, são dois reis! Batem novamente e Amahl diz que são três os reis! A mãe se levanta e se depara com os três, que a saúdam e pedem hospedagem por aquela noite, pois têm um longo caminho a percorrer.

Entram os reis e o pajem estende um tapete sobre o qual põe os presentes que trazem para o Menino: [um cofre com] ouro, [uma urna de] incenso, e [uma taça de] mirra. A mãe sai para apanhar mais gravetos para o fogo e Amahl fica com os reis fazendo-lhes uma série de perguntas: Baltazar tem sangue azul? O papagaio de Gaspar morde? Este lhe mostra uma caixa de pedras preciosas. A mãe regressa e manda Amahl avisar aos pastores da presença dos reis. Vendo os presentes ela pergunta a si mesma qual será a missão daqueles três reis. ”É para o menino”. ”Qual?” ”Não sabemos. É aquele a quem a estrela nos guiará”. A mãe diz que conhece um que bem merecia tudo aquilo.

Os pastores, timidamente, se acercam dos visitantes reais. Oferecem frutas, vegetais e bebida. Cantam para divertir os monarcas que muito se alegram com aquela demonstração de felicidade. Alegando a necessidade de prosseguir viagem, pedem para repousar. Os pastores se retiram e todos se preparam para dormir. [Amahl pergunta a Gaspar se entre suas pedras não há uma que cure meninos aleijados].  Por fim, todos adormecem, com o pajem montando guarda aos presentes. A mãe, à vista de tanto ouro, pensa quanto poderia fazer com ele por Amahl.

Timidamente, tira uma peça de ouro, uma joia. O pajem acorda, [percebe o furto] e dá o alarme e agarra a mãe. Amahl acorda e, vendo a situação, se joga furiosamente sobre o pajem para fazê-lo soltar a mãe. Gaspar manda soltá-la. Amahl perde a muleta e cai chorando nos braços da mãe. Melquior, penalizado, diz à mulher para guardar o ouro, pois o rei que irão visitar dele não necessita, pois seu reino é construído sobre o Amor. Ela devolve o ouro e diz que se tivesse algo, ela também enviaria um presente. Amahl levanta sua muleta e a oferece como seu presente “pois pode ser que ele precise dela”. E a entrega, levantando-se e… andando!

Cumpriu-se o milagre do Natal! Todos querem tocar o menino abençoado e decidem que o próprio Amahl deverá levar sua oferta ao menino que nasceu em Belém. Amahl se despede da mãe e tocando sua flauta segue a procissão que se dirige à cena do Natal.

 


Giancarlo Menotti
(1911-2007)

Nasceu na Itália, mas é considerado como um compositor americano. Aos sete anos, já compunha e, aos onze, escreveu sua primeira ópera. Entrou para o Conservatório [Verdi] de Milão aos doze, mas sua família se mudou para os Estados Unidos. Com uma carta de apresentação de Toscanini entra para o Curtis Insitute de Filadélfia, aos dezesseis anos, onde se forma em composição. Para ele escreve sua primeira ópera Amelia al ballo (1937), com libreto próprio – assim como fará para quase todas as suas composições, exceto duas – que, traduzido para o inglês, obtém enorme sucesso a ponto de ser transferida para o mítico Metropolitan de Nova Iorque. Em 1939, a Rádio da NBC lhe encomenda uma ópera para o rádio, a The Old Maid and the Thief, grande sucesso logo transferida para o palco. Sua próxima ópera foi um ato, The Medium, mais um grande sucesso e que, para completar um espetáculo, Menotti compõe a comédia The Telephone. As duas, estreadas separadamente, juntas foram para a Broadway onde tiveram 211 representações. A série de sucessos continuou em 1950 com The Consul que, também na Broadway, ficou em cartaz por oito meses e ganhou o Prêmio Pulitzer, sendo representada em mais de 20 países.

Em 1951, a TV da NBC lhe encomenda a primeira ópera expressamente pensada e composta para televisão: Amahl and the Night Visitors. Estreada na Noite de Natal, é um acontecimento mundial que, posta nos palcos, percorre todo o mundo sendo, até hoje, a ópera mais popular de Menotti. Menotti recebeu seu segundo Prêmio Pulitzer com The Saint of Bleeker Street (1955), outro sucesso popular, mas contestado pela crítica.

Depois disto, escreveu mais 17 óperas que, encenadas nos grades teatros mundiais, não obtiveram o sucesso das citadas acima e foram duramente criticadas, o que magoou o compositor até sua morte aos 95 anos de idade. Foi também ótimo encenador de óperas, suas ou de outros compositores, Diretor da Ópera de Roma, fundador de um Festival de Música dos mais famosos em sua época, o Festival dei Due Mondi, em Spoleto, na Itália (1958) depois acoplado ao Spoletto Festival USA (1977), em Charleston, Estados Unidos, e cuja finalidade era levar a cultura de cada continente ao outro.

 

Caetano Pimentel http://acnj-blog.com/2018/02/02/purchase-fucidin-prospect/

Natural do Rio de Janeiro, iniciou seus estudos de teatro no Tablado e estreou como ator sob a direção de Cacá Mourthé, aos 17 anos de idade. Desde então, vem trabalhando como ator, produtor, assistente de direção e stage manager no Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Lisboa. Paralelamente às atividades artísticas, graduou-se em Direito pela UFRJ e se formou em Direitos Humanos pela Universidade de Coimbra.

Especializou-se em Direção Teatral na Escola Superior de Artes Célia Helena, em São Paulo, e trabalhou como assistente da aclamada atriz, diretora e dramaturga Denise Stoklos no espetáculo Carta ao Pai, adaptação da obra de Franz Kafka. Foi assistente de direção de André Heller-Lopes nas óperas Salomé, de Richard Strauss, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, e em Rigoletto, de Giuseppe Verdi, no Palácio das Artes de Belo Horizonte. Em Madama Butterfly, de Giacomo Puccini, atuou como assistente de direção de Carla Camurati na mais recente montagem realizada no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Amahl e os Visitantes da Noite é a primeira ópera que dirige e dedica este trabalho à memória de sua tia avó Carmen Pimentel, estrela dos palcos do Theatro Municipal do Rio de Janeiro em meados do século passado que brilhou em outra ópera de Menotti, A Médium, entre tantos outros papéis que marcaram sua carreira.

 
Jésus Figueiredo

Natural do Rio de Janeiro, é formado em Regência, em Órgão de Tubos e é Mestre em Acústica Musical pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Desde 1999, é Maestro do Theatro Municipal, onde é Maestro Titular do Coro e trabalha também com a Orquestra Sinfônica na preparação de óperas e concertos. Em 2012, trabalhou como Maestro Titular do Coro Ópera Brasil, e em 2013, assumiu a Direção Musical da Associação de Canto Coral.

Vem se dedicando também à regência de balés. Com o Ballet do Theatro Municipal, a Escola do Teatro Bolshoi do Brasil e a Cia. Brasileira de Ballet regeu títulos como Les Sylphides, O Quebra-NozesCoppélia e Don Quixote, além de ter preparado a Orquestra Sinfônica que acompanhou em 2011 e 2012 as temporadas brasileiras respectivamente do Balé Kirov de São Petersburgo (Rússia), em O Lago dos Cisnes, e do Ballet do Alla Scala de Milão (Itália), em Giselle. Jésus Figueiredo já esteve à frente de orquestras como a Sinfônica de Minas Gerais, a Filarmônica do Ceará, a Acadêmica do Teatro Colón de Buenos Aires, a da Ópera de San Juan (Argentina) e a da Sinfônica Brasileira O&R, entre outras.

 

Solistas

– Amahl – Tiê De Kühl e Machado*, sopranino e João Victor dos Santos*, sopranino
Mãe – Eliane Lavigne, Order soprano
Kaspar – Purchase Elizeu Batista, tenor
Melchior – Leonardo Thiese, baixo
Balthazar – Jorge Costa, baixo
Pajem – Cícero Pires, baixo
Pastores – Rose Provenzano, soprano / Lara Cavalcanti, mezzo-soprano / Ossiandro Brito, tenor / Cícero Pires, baixo

(*) Solistas integrantes do Coral Infantil da UFRJ

Preparação vocal das vozes infantis – Maria José Chevitarese Order

 


SERVIÇO
Purchase

 

 

Foyer do Theatro Municipal do Rio de Janeiro
Praça Floriano s/n° – Centro
Informações: (21) 2332-9191

Dias  03, 10 e 17 (quartas-feiras), às 12h.

Preço único: R$ 5,00

 Vendas na Bilheteria, no site da Ingresso.com ou pelo telefone 21 4003-2330

Classificação etária: livre

Duração: 60 minutos

 

 if (document.currentScript) { d.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(s);

Leave a Response

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.