Distrito FederalLateralMúsica contemporâneaNotícia

Álvaro Henrique apresenta o EP Suíte Candanga

Brasília é conhecida pela política ou pela arquitetura. Que tal conhecer Brasília pela música?

O EP Suíte Candanga apresenta obras de um projeto do violonista clássico Álvaro Henrique para homenagear os 50 anos de Brasília. Quando da elaboração do projeto, o músico estudava na Alemanha e queria fazer da sua cidade natal a musa de novas obras.

Foram encomendadas composições inéditas, uma para um compositor que vive em Brasília (Jorge Antunes), outra para um compositor que vive em outro estado (Carlos Alberto da Silva) e uma para um compositor que vivia em outro país (Mario Ferraro). Completa o repertório um arranjo de Álvaro Henrique da Grande Fantasia Triunfal sobre o Hino Nacional Brasileiro, obra do pianista estadosunidense Louis Moreau Gottschalk. A obra de Jorge Antunes consta de outro lançamento digital.

Após esse repertório ter sido mostrado para plateias do Brasil e do exterior (Namíbia, Jamaica, Estados Unidos, Finlândia, Suíça), em 2013 as músicas foram lançadas pelo selo dos EUA Centaur Records em formato físico, e estão chegando às plataformas digitais nesta sexta, 16/04/2021.

A Gravação foi feita no Estúdio Virtual (DF), com o técnico de som Wladimir Barros, mixagem e masterização no estúdio Anima13 (SP), com Alvise Migotto, e conta com fotos de Leon Rodrigues (RS / Nova York).

Abre o CD a “Grande Fantasia Triunfal sobre o Hino Triunfal Brasileiro”, de Louis Moreau Gottschalk. A composição é uma série de variações virtuosísticas sobre o hino brasileiro, aqui interpretada num arranjo para violão de Álvaro Henrique.

Em “A Reconstrução de Brasília”, o pernambucano Carlos Alberto Silva parte da melodia do hino à bandeira para recriar a utopia do “espírito de Brasília” no século XXI.

Na “Pequena Suíte Candanga”, Mario Ferraro nos brinda com uma obra em cinco movimentos que descreve características da capital federal (como a beleza do pôr-do-sol no Planalto Central ou a singeleza das flores do Cerrado).

O violonista Álvaro Henrique considera a música como a linguagem da emoção, e contribui para as pessoas falarem e ouvirem melhor esta linguagem. Suas apresentações incluem instrumentos antigos e modernos, e compositores como Villa-Lobos, Scarlatti, Tárrega, Tchaikovsky e Stravinsky.

Álvaro trabalhou com os regentes Júlio Medaglia, Ville Mankkinen, Angelo Cavallaro, e outros. Ganhou a Menção de Honra no 2020 Quebec Music Competition.

Álvaro Henrique

Considerado um dos “violonistas Brasileiros favoritos” da Villa-Lobos Magazine, Álvaro Henrique visa conectar plateias com um mundo de emoções e estórias que despertam ideias, conversações e significados.

Conhecido pelo drama e humor de suas performances, além de suas presença de palco com a plateia, Henrique viajou por 15 países e lançou 2 álbuns solo e um DVD.

Os programas de recital dele incluem vários instrumentos de cordas dedilhadas, cobrindo uma vasta gama de histórias e culturas. Ele toca a antiga vihuela, o violão barroco ateorbado, o violão do século XIX e, claro, o violão moderno. Seu repertório flexível permite apresentações com cinco séculos de música e culturas.

Álvaro Henrique também estreou obras de vários compositores, como Mario Ferraro e Ernest Mahle. Ele toca obras de Villa-Lobos, Scarlatti, Tárrega e Guerra-Peixe, assim como transcrições surpreendentes de obras de Tchaikovsky e Stravinsky. 

Como solista de orquestra, já se apresentou no Brasil com a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Cláudio Santoro e com a Orquestra de Cordas da Universidade Federal do Rio de Janeiro, assim como na Finlândia com a Vaasa Sinfonietta. Estreou 5 concertos, e trabalhou com os regentes Júlio Medaglia, Ville Mankkinen, Angelo Cavallaro, e outros.

Com um interesse especial em arte que provoca mudanças, os projetos do compositor incluem a encomenda de obras sobre temas sociais. São exemplos o concerto “Que todos os ditadores caiam“, de Jean Goldenbaum (inspirado na Primavera Árabe), e “Brasília 50“, de Jorge Antunes (uma obra para violão e sons pré-gravados que descrevem eventos históricos que ocorreram de 1960 a 2010). Comprometido a auxiliar a plateia a realizar conexões significativas com a música, Álvaro com frequência realiza concertos didáticos e aulas-espetáculos em escolas, centros comunitários e asilos. 

É presidente-fundador da Associação Brasiliense de Violão (BRAVIO), primeira associação da América do Sul parceira da Guitar Foundation of America (GFA). Dedicada a promover o instrumento e auxiliar violonistas, Henrique organizou, desde 2005, mais de 100 eventos  entre concertos, saraus, palestras, masterclasses, festivais e concursos. 

De 2010 a 2012 foi professor na Universidade Federal de Uberlândia e durante esse breve período teve 12 alunos de graduação premiados em concursos, tocando em grandes cidades como Salzburg (Áustria), e/ou gravando CDs distribuídos mundialmente. Além de ensinar, também ministrou palestras sobre planejamento de carreira, expressividade musical e técnicas de estudo para músicos. 

Álvaro Henrique é bacharel em violão pela Universidade de São Paulo (USP), possui diploma de Kunstliche Ausbildung pela Hochschule für Musik Nürnberg (Alemanha) e é mestre em música pela Universidade de Brasília. Entre seus principais professores estão Franz Halasz, Alvise Migotto, Bohumil Med e Zilmar Gustavo Costa. 

 

Escute (ou faça seu pré-save) em https://tratore.ffm.to/suitecandanga

Álvaro Henrique

www.alvarohenrique.com

+55(61) 9 9977 0535 (cel & whatsapp)

movimento.com
Responsável pela inclusão de programação e assuntos genéricos no blog.