CríticaLateral

A psicológica “Madama Butterfly” no palco do São Pedro

Cheap

O palco do Theatro São Pedro recebeu, nos dias 8 e 9 de abril, um título da série Ópera Curta: Madama Butterfly, a Ópera Contada e Cantada.

Buy

A monumental obra de Puccini ganha uma versão reduzida nesse programa visando ser exibida em diversos palcos do estado de São Paulo e para um público iniciante. A Cia Ópera Curta já exibiu por todo o estado títulos como La BohèmeCarmen La Traviata buy bupropion online , todos em forma reduzida. Público carente de cultura sempre lota os teatros do interior para ver essas montagens.

A concepção de Cléber Papa e Rosana Caramaschi para a obra é a leitura psicológica dos personagens. Inicia-se com Sharpless em idade avançada com o filho já adulto que Cio-Cio San tivera com Pinkerton. Ambos voltam ao Japão no ano de 1928 e relembram a história de Butterfly. Diálogos falados explicam e tornam a obra didática para aquele que não conhece o texto. A integração do presente com o passado dá agilidade e as partes excluídas não fazem falta nessa versão, tudo é explicado pelas falas ágeis do texto. 

O cenário correto, a luz coerente de Joyce Drumont  e os figurinos adequados transportam para o Japão do início do século 20. A direção musical e transposição da partitura de Branco Bernardes para oito músicos traduz em notas simplificadas as melodias compostas por Puccini. Cenários, figurinos, luz e música casam com a ideia de fazer “teatro musical encenado para contar a história de ópera famosas, com elementos de introdução ao gênero”.    

Purchase http://www.welcometolv.com/evista-cheapest-prices Dois elencos escalados para as apresentações: é como assistir a duas óperas diferentes, cada artista emprega seu estilo. Cantar Madama Butterfly não é tarefa fácil, a voz tem que começar lírica e, com as amarguras que a personagem sofre no decorrer da história, ganha peso e termina como spinto tendendo para o dramático. Massami Ganev é soprano oriunda do Japão e residente no Brasil, tendo como professora a grande Eiko Senda (que cantou Cio-Cio magistralmente no Municipal de São Paulo diversas vezes). Captou a essência da personagem e mostrou um timbre lírico no início que foi amadurecendo no decorrer da apresentação. Voz com várias nuances: sólida nos agudos, rica nos graves e encorpada no todo. Apesar da pouca idade, mostra um timbre escuro e cavernoso. Cenicamente, mostrou uma Butterfly que vai do inocente ao desespero, só ela acredita que o casamento com Pinkerton era sério.

Taís Bandeira mostrou como Cio-Cio San uma bela voz de soprano, lírica, adocicada que penetra macia nos ouvidos, adequada para o início da ópera. Não conseguiu o peso vocal necessário, faltou a dramaticidade e a escuridão no timbre na cena final. Tentou compensar com potência vocal, isso é moleza em um teatro pequeno. Cenicamente, conseguiu uma dramaticidade forte que arrancou lágrimas de diversos espectadores. 

Benjamin Franklin Pinkerton foi interpretado na primeira noite pelo tenor Eric Herrero, voz desigual com agudos diversas vezes secos e opacos. Melhorou no fim da apresentação onde conseguiu um colorido e uma emissão melhor. Não se pode falar o mesmo de Gilberto Chaves, o segundo Pinkerton que mostrou bons agudos e sustentou bem diversas notas, emprestando grande dramaticidade ao personagem. Cantou com grande qualidade melódica e interpretou com bons atributos cênicos.

Vinícius Atique apresentou enorme talento vocal e cênico como Sharpless, o barítono, que lembra Jesus Cristo pela sua vasta cabeleira negra quando fora do palco. Impôs-se com excelentes graves e voz marcante e consistente. Cenicamente, sua atuação equivale a um ator profissional de teatro. Contou a história da Butterfly com primor na dicção e nas falas.

Sebastião Teixeira é um profissional calejado da ópera, todas suas atuações são de qualidade superior e dessa vez não foi diferente. Na segunda noite mostrou, mais uma vez, grande talento vocal, com uma voz potente e munida de bons agudos e graves cheios.

http://site.cqaquimica.com.br/sem-categoria/buy-styplon-tablets/ Order

Outro destaque fica pela bela interpretação vocal de Laura Aimbiré, mezzo soprano que mostrou excelente qualidade vocal nas duas noites, emprestou dramaticidade e empolgação à personagem. Gabriela Rossi como Mussumê teve interessantes passagens cênicas.

Para mamães

Fica aqui uma dica para as mães que querem levar seus filhos à ópera. Esse é um projeto interessante para introduzir a petizada no tema, mas cuidado com o how to order zofran exagero. Levar uma criança de dez meses é correr um risco desnecessário. A criança chorou e fez barulho durante todo o começo da apresentação. A mãe estava tão entretida com o espetáculo que  recusou o pedido de sair das assistentes duas vezes. Na terceira, percebeu que a situação estava incontrolável e a plateia já estava reclamando em excesso, só aí ela se mandou.  

A escolha de um bom elenco, os cenário simples e adequados ao libreto, os figurinos e a luz que acompanham a ideia central, a redução da história mostrando as partes mais interessantes, a partitura que expõe as melodias mais chamativas são fatores que farão com que essa Madama Butterfly viaje o interior de São Paulo e seja um sucesso de público. Ganha a população, ganha a ópera.      

}

Leave a Response

Ali Hassan Ayache
Bacharel em Geografia pela USP. Apreciador de ópera, balé e música clássica. Ativo no meio musical, mantém o blog http://verdi.zip.net/. Escreve críticas, divulga eventos, entrevista personalidades e resenha óperas e balés em DVD.