ArtigoProgramaçãoRio de Janeiro

A bestial politicagem brasileira atinge o Municipal do Rio

ConheA�a a temporada do primeiro semestre preparada pela administraA�A?o que deixa a casa


Com as finanA�as combalidas hA? tempos, o desgoverno incompetente, imprestA?vel e vagabundo do Estado do Rio de Janeiro aprontou mais uma. Nesta quarta-feira, 22 de fevereiro, foi confirmada a saA�da do compositor e administrador JoA?o Guilherme Ripper da presidA?ncia da FundaA�A?o Teatro Municipal do Rio de Janeiro. A notA�cia jA? corria, ainda muito discretamente, na noite da vA�spera, dia 21.

Ripper e o Diretor ArtA�stico do Municipal, maestro AndrA� Cardoso, preparavam-se para anunciar nesta quinta-feira, dia 23, a programaA�A?o detalhada da casa para o primeiro semestre deste ano. Os dois gestores aguardavam a confirmaA�A?o do fim da paralisaA�A?o dos artistas e funcionA?rios da casa, prevista para acontecer neste mesmo dia 22, para finalmente divulgar os tA�tulos da programaA�A?o parcial de 2017.

Segundo o jornal O Globo, Ripper serA? substituA�do pelo ator MA�lton GonA�alves no comando do Municipal. Antes de entrar no mA�rito da nomeaA�A?o do ator, vamos comeA�ar pelo comeA�o…


A verdade sobre a troca na secretaria de Cultura

Recentemente, o dublA? de (des)governador Pills Luiz Fernando PezA?o promoveu a troca da entA?o secretA?ria de Cultura, Eva DA?ris Rosenthal, pelo deputado estadual AndrA� Lazaroni, que integra o mesmo partido do (des)governador. Ou seja, o imprestA?vel trocou uma tA�cnica da A?rea por um polA�tico que pouco ou nada entende do assunto, em mais uma atitude imbecil dentre as tantas que cometeu, comete e cometerA? em seu mandato.

AtA� aqui, nenhuma novidade. Todos sabemos que imbecilidades como essa sA?o cometidas dia sim, outro tambA�m, na vida polA�tica brasileira. A questA?o A� que o verdadeiro motivo da nomeaA�A?o de Lazaroni como secretA?rio de Cultura, segundo alguns de seus interlocutores consultados pelo Movimento.com, A� que o a�?nobrea�? deputado nA?o quis se comprometer em votar na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ) as medidas envidas pelo (des)governo para tentar ajustar as finanA�as do Estado, dentre as quais aquela da privatizaA�A?o da CEDAE.

Temendo a repercussA?o negativa junto a seu eleitorado, caso votasse com o (des)governo, ou junto ao (des)governo e seu partido, caso votasse contra as medidas, o deputado decidiu escapar do Legislativo e se esconder no Executivo. Arrumaram-lhe, pois, a cadeira atA� entA?o ocupada por Rosenthal.


A troca no Municipal

Sob um ponto de vista lA?gico, a substituiA�A?o do presidente da FundaA�A?o Teatro Municipal do Rio de Janeiro, nA?o faz o menor sentido. JoA?o Guilherme Ripper A� reconhecido pela classe artA�stica musical brasileira como um bom administrador cultural, e a prova disso (clarA�ssima e inquestionA?vel) A� a programaA�A?o do Theatro Municipal carioca no A?ltimo ano e meio (deste meados de 2015), enquanto ele o dirigiu. AlA�m da programaA�A?o, a criaA�A?o da Academia de A�pera Bidu SayA?o foi outro gol de placa de sua gestA?o.

Ripper devolveu ao Municipal o tA�tulo hA? muito tempo perdido de a�?teatro de A?peraa�?. HA? mais de dez anos a casa patinava em uma programaA�A?o prA?pria medA�ocre, na qual a A?pera era sempre jogada para segundo (e A�s vezes atA� terceiro!) plano, e na qual seus Corpos ArtA�sticos eram muito mal aproveitados. Ripper devolveu ao Municipal a dignidade perdida, sempre em termos de programaA�A?o, durante os infindA?veis anos Severo/Sampaio/Camurati.

Diante do sucesso da administraA�A?o de Ripper, reconhecido pela crA�tica especializada, o que teria levado Lazaroni a substituA�-lo por um ator que, atA� prova em contrA?rio, pouco ou nada entende de A?peras, balA�s e administraA�A?o pA?blica (com seus meandros, labirintos e sua infindA?vel burocracia)? Segundo a nota publicada no jornal O Globo, o secretA?rio pretende a�?popularizara�? mais o Municipal.

Mas afinal de contas, o que significa a�?popularizara�? o Municipal? Significa levar ao palco do Theatro grupos de funk ou pagode estilo a�?mela-cuecaa�?? NA?o se sabe, pois atA� agora nA?o houve pronunciamento oficial do secretA?rio. O que se sabe A� que o Municipal tem uma programaA�A?o pronta para a primeira metade do ano, preparada por Ripper e Cardoso (e publicada no final deste artigo). Se ela serA? efetivamente levada ao palco da casa pela nova administraA�A?o, nem Deus deve saber…

Ainda A� cedo para fazer qualquer anA?lise da gestA?o de MA�lton GonA�alves, mas uma coisa A� certa: ele deve assumir tendo ciA?ncia de que o Theatro Municipal do Rio de Janeiro A� uma casa de A?pera, balA� e concertos sinfA?nicos. Qualquer coisa que fuja a esse princA�pio bA?sico e imprescindA�vel deve ser sumariamente rechaA�ada, pela imprensa, pela crA�tica especializada, pelos artistas e pelosA�funcionA?rios da casa.


SalA?rios e politicagem

Voltando ao secretA?rio de Cultura: se ele entende mesmo alguma coisa de administraA�A?o cultural, sA? o tempo vai dizer, mas em termos de a�?forA�a polA�ticaa�?, ele jA? disse a que veio. Lazaroni conseguiu colocar quase em dia os salA?rios do Municipal, segundo fontes do Theatro consultadas pelo Movimento.com: os vencimentos de novembro, dezembro e janeiro foram totalmente pagos, ao mesmo tempo em que servidores de outros setores do governo estadual penam para receber o que lhes A� devido. No Municipal, apenas o 13A� salA?rio de 2016 continua atrasado. Por enquanto, A� claro, uma vez que o salA?rio de fevereiro, que deveria ser pago em marA�o, ainda A� uma incA?gnita.

Por fim, A� difA�cil crer que a decisA?o do secretA?rio de trocar a direA�A?o do Theatro Municipal tenha um resultado muito positivo que a justifique no futuro. Fica a sensaA�A?o de que a casa, uma vez mais, foi vA�tima da bestial politicagem brasileira, com tudo o que ela tem de pior.

 

A programaA�A?o do primeiro semestre (a confirmar pelo novo gestor)

A�PERAS

  • Abril: Dias 02 e 09, A�s 17h e dias 04 e 07, A�s 20h

JENA�FAA�A�pera em trA?s atos

CoproduA�A?o com a Companhia de A�pera Livre

MA?sica: LeoA? JanA?A?ek (1854-1928)
Libreto: Do compositor (Baseado na peA�a JejA� PastorkyA?a [Sua Enteada] de Gabriela PreissovA?)
ConcepA�A?o e DireA�A?o cA?nica: AndrA� Heller-Lopes – CenA?rios: Daniela Taiana – Figurinos: Sofia di Nunzio – Desenho de Luz: FA?bio Retti
Coro e Orquestra SinfA?nica do Theatro Municipal – DireA�A?o musical e RegA?ncia: Marcelo de Jesus

Elenco

JenA?fa a�� Gabriella Pace
KostelniA?ka Buryjovka a��Eliane Coelho
Laca KlemeA?a��Eric Herrero
A�teva Buryjaa��Ivan Jorgensen
Starek e Prefeitoa�� VinA�cius Atique
Starenka Buryjovkaa�� Carolina Faria

Asltima A?pera do compositor tcheco LeoA? JanA?A?ek, que levou cerca de dez anos para concluA�-la. Com libreto do prA?prio compositor, A� baseada na dramA?tica peA�a JejA� PastorkyA?a (Sua Enteada), da escritora Gabriela PreissovA?, que, em linguagem realista, trata do difA�cil tema do infanticA�dio. SerA? a estreia no Rio de Janeiro da versA?o original de Brno, de 1908, em coproduA�A?o com a Companhia A�pera Livre, na versA?o do diretor AndrA� Heller-Lopes.

 

  • Abril: dia 30, A�s 17h e Maio: dias 02 e 04, A�s 20h e dia 06, A�s 17h

UN BALLO IN MASCHERA a�� A�pera em trA?s atos (1858)

MA?sica: Giuseppe Verdi (1813-1901)
Libreto: Antonio Somma (1809-1864)
DireA�A?o de cena: Julianna Santos
Cenografia: Renato Theobaldo
Figurinos: Elena Toscano
IluminaA�A?o: FA?bio Retti
Coro e Orquestra SinfA?nica do Theatro Municipal
ParticipaA�A?o: Coral Infantil da UFRJ
DireA�A?o musical e regA?ncia: Tobias Volkmann

Elenco

Gustavo (Ricardo) a�� Ricardo Tamura
AmA�lia a�� A�ngela Marambio
Ulrica a�� Ana LA?cia Benedetti
Renato a�� Leonardo PA?scoa
Oscar a�� Dafne Boms
Samuel a�� Manuel A?lvares
Tom online a�� Daniel Soren

Un Ballo in Maschera A� baseada em libreto original de EugA?ne Scribe (1791-1861) intitulado Gustavo III ou Le Bal Masque. A histA?ria original se passa na SuA�cia em 1792, mas problemas com a censura italiana fizeram com que o libretista AntA?nio Somma (1809-1864) traspusesse a aA�A?o para a cidade de Boston, nos Estados Unidos, onde um fictA�cio governador Ricardo, em meio a intrigas e conspiraA�A�es, se apaixona pela esposa de seu fiel secretA?rio Renato e A� assassinado. Escrita em 1859, a A?pera A� uma das favoritas do pA?blico, onde Verdi nos oferece uma grande riqueza melA?dica, com A?rias apaixonadas e de grande poder dramA?tico, em que nA?o faltam imponentes cenas corais.

 

BALA�S

  • Abril: dia 13, quinta, A�s 20h

90 ANOS DA ESCOLA ESTADUAL DE DANA�A MARIA OLENEWA

LES SYLPHIDES xenical 120 mg price uk a�� BalA� em um ato (1909)

MA?sica a��FrA�dA�ric Chopin
OrquestraA�A?o a�� William McDermott
Coreografia a��Michel Fokine
Alunos da Escola Estadual de DanA�a Maria Olenewa

 

  • Junho: dias 08, 09, 15 e 16, A�s 20h e dias 10, 11, 17 e 18, A�s 17h

A�O CORSA?RIO a�� BalA� em trA?s atos (1856)

ProduA�A?o do Balett do Sodre de MontevidA�u
MA?sica:Adolphe Adam Cheap , com mA?sicas adicionais de CA�sar Pugni, LA�o Delibes e Ricardo Drigo.
Roteiro: Jules Henri Vernoy de Saint-Georges(1799-1875) e Joseph Mazilier (1797-1868), baseado em The Corsair [1814] de Lord Byron.
Coreografia:Anna-Marie Holmes (a partir de Konstantin Sergeyev e Marius Petipa).
OrquestraA�A?o: Kevin Galie
Ballet e Orquestra SinfA?nica do Theatro Municipal
RegA?ncia: Martin Garcia

Pela primeira vez no repertA?rio do Ballet do Theatro Municipal, O CorsA?rio inaugura a colaboraA�A?o com o Ballet do Teatro Sodre de MontevidA�u (Uruguai), envolvendo a troca de produA�A�es. A versA?o original estreou em 1856 na A�pera de Paris e, por seu alto nA�vel de exigA?ncia artA�stica, consta hoje no repertA?rio de poucas companhias ao redor do mundo. O Ballet do Sodre, companhia sob a lideranA�a artA�stica do bailarino Julio Bocca, produziu a versA?o de 1998 da coreA?grafa Anna-Marie Holmes para o American Ballet Theatre, que serA? remontada no Theatro Municipal. Ambientado em uma ilha, onde um navio pirata encalha apA?s uma tempestade, o balA� conta a fascinante histA?ria de amor entre o corsA?rio Conrad e a escrava Medora e estA? repleto de aA�A?o, paixA�es e lutas, tA�picas das histA?rias de aventuras.

 

CONCERTOS E SA�RIES

  • Maio: dia 20, sA?bado, A�s 16h

Concerto SinfA?nico

Orquestra SinfA?nica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro
Solista: Jean-Louis Steuerman (piano)
Regente: Neil Thomson

Programa:

  1. Sibelius (1865-1957) a�� aldara buy canada Abertura Karelia op.10
  2. Rachmaninoff (1873-1943) a�� Concerto para piano no1

 

  • Junho: dia 04, domingo, A�s 17h

SA�rie Villa-Lobos 130 Anos

Heitor Villa-Lobos A� qualificado na literatura musical internacional como um dos mais importantes criadores do SA�culo XX e o maior compositor brasileiro de todos os tempos. Para homenagear Villa-Lobos em seus 130 anos de nascimento, coros e orquestras do Rio de Janeiro se unirA?o em uma sA�rie especial de concertos ao longo do ano para oferecer ao pA?blico um grande panorama da imensa produA�A?o do compositor.

Orquestra Cesgranrio
RegA?ncia: A�der Paolozzi

Programa:

Bachianas Brasileiras no4;
Bachianas Brasileiras no5;
Choros 6.

 

Orquestra SinfA?nica Nacional da UFF
Solista: SA?nia Rubinsky (piano)
RegA?ncia: Tobias Volkmann

Programa:

Bachianas Brasileiras no3 para piano e orquestra;
NaufrA?gio de KleA?nicos (poema sinfA?nico);
Bachianas Brasileiras no7.

 

Julho: dia 09, domingo, A�s 11:30h

Coro e Orquestra SinfA?nica do Theatro Municipal
Solista: FA?bio Zanon (violA?o)
RegA?ncia: Tobias Volkmann

Programa:

Bachianas Brasileiras no2;
IntroduA�A?o aos Choros;
Choros 10;
Mandu-A�ararA? (Cantata profana)

 

  • Julho: dia 15, sA?bado, A�s 16h

Orquestra SinfA?nica da UFRJ
Solista: NA�lson Freire (piano)
RegA?ncia: Roberto TibiriA�A?

Programa:

Choros 9 http://www.le-case.com/yasmin-travels-online-booking-chennai-mannargudi/ ;
Momoprecoce para piano e orquestra

 

A�PERA DE CA�MARA http://rihomesmag.com/?p=25852

  • Junho: dia 30,A�A�s 20h e Julho: dia 02, A�s 17h

O CAIXEIRO DA TAVERNAa�� A�pera em um ato (2006)

MA?sica: Guilherme Bernstein
Libreto: AdaptaA�A?o do original de Martins Pena(1815-1848)
Solistas da Academia de A�pera Bidu SayA?o

 d.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(s);}

Leonardo Marques
Formado em Letras com pós-graduação em Língua Italiana. Frequentador assíduo de concertos e óperas. Participou de cursos particulares sobre ópera. E-mail: leonardo@movimento.com